Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tinta Miúda, prova de barrica

por Raul Lufinha, em 03.07.19

Enólogo Paulo LaureanoEnólogo Paulo Laureano e o Tinta Miúda 2018


Há provas na adega que são notáveis porque temos o privilégio de conhecer – e perceber – um vinho ainda numa fase muito inicial, sem estar sequer engarrafado. Algo a que só os enólogos da casa têm acesso.


E depois há outras provas, ainda mais especiais, em que temos o privilégio adicional de conhecer um vinho… que nunca chegará sequer a ser engarrafado como tal! Em que temos o privilégio de provar um vinho… que nunca irá existir! Que nunca será lançado como tal no mercado! Nomeadamente, porque irá antes fazer parte do lote de outro vinho! Será, não o vinho futuro, mas apenas uma parte do vinho futuro! Daí ser tão interessante conhecer individualmente essa parcela do lote... e perceber qual será o seu contributo para o todo! Sendo pois, naturalmente, um vinho a que, em condições normais, apenas os enólogos da casa teriam acesso.


Ora, foi precisamente isto o que sucedeu agora com o maravilhoso Tinta Miúda de 2018 da Ribafreixo Wines.


De facto, após o piquenique de boas-vindas na vinha para dar a conhecer o espumante Gáudio e o rosé Cashmere, o programa de apresentação das novas colheitas prosseguiu com uma visita guiada à adega, conduzida pelo enólogo Paulo Laureano e que culminou na tão extraordinária quanto pedagógica prova de barrica daquela famosa casta tinta a que na Rioja espanhola dão o nome de Graciano – a Tinta Miúda!


Aqui, na Vidigueira, o vinho de Tinta Miúda tem um ótimo perfil aromático, melhor do que o da casta Petit Verdot.


Tem uma boa acidez.


Tem uma grande concentração de taninos.


E, sendo seco, tem uma leve doçura final na boca.


Porém, como explicou o enólogo Paulo Laureano, o Tinta Miúda da Ribafreixo – daí o valor e a importância desta prova – nunca poderá ser lançado como monocasta!


Por uma razão muito simples!


É que faz parte do lote do Gáudio Clássico!


Com efeito, para além de Touriga Nacional (40%), Alicante Bouschet (40%) e Aragonez (10%), o blend do Gáudio Clássico inclui ainda 10% de Tinta Miúda!


Pelo que o lançamento do Tinta Miúda como monocasta implicaria sempre… sacrificar o Gáudio Clássico!


Embora seja efetivamente uma pena este vinho extraordinário não chegar ao conhecimento do grande público!


Veremos…


Quem sabe se no futuro não acabará por ser lançada uma edição especial, muito limitada, de Tinta Miúda em varietal!


Esperemos que sim!

 

Ribafreixo WinesA qualidade do premiado enoturismo da Ribafreixo Wines nota-se no requinte dos pormenores

 

 

(continua)


Ver também:

 

Ribafreixo Wines
Adega Moinho Branco, Vidigueira, Alentejo, Portugal

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:07



Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Agenda

DEZEMBRO
Até 7 -COME PRIMA – MENU TRUFA BRANCA DE ALBA A mais exclusiva das iguarias italianas, para escolher à carta num menu especial do Chef Tanka Sapkota com duas entradas e quatro pratos principais
11 -FOGO Inauguração do muito aguardado novo restaurante do chef Alexandre Silva, em que todos os pratos são confecionados com lenha – no forno, na grelha, no espeto ou num tacho de 80 kg – e têm o fumo como ingrediente comum
14 -FÄVIKEN Último serviço
Até 14 -HERDADE DO ESPORÃO Programa da Campanha da Azeitona 2019: visita guiada ao lagar em funcionamento com prova de azeite acabado de extrair da bica, petiscos no enoturismo e prova técnica de azeite novo

2020

JANEIRO
20 -MESA MARCADA Cerimónia de divulgação e entrega de prémios dos 10 Restaurantes e 10 Chefes Preferidos de 2019 do blog Mesa Marcada, de Duarte Calvão e Miguel Pires

MAIO
19-20 -SYMPOSIUM SANGUE NA GUELRA 2020 Virgilio Martínez, do CENTRAL, em Lima, no Peru, é o primeiro nome confirmado

JUNHO
2 -THE WORLD'S 50 BEST RESTAURANTS 2020

SETEMBRO
12-13 -CHEFS ON FIRE 2020 – FOOD, FIRE & MUSIC Um festival em que os chefs cozinham exclusivamente com fogo durante mais de 24h. Ao fire pit e outras estruturas inéditas junta-se um cartaz de concertos, num projeto de slow cooking que celebra as origens da cozinha, bem como a simplicidade de esperar e de deixar que o tempo e o fogo cuidem dos alimentos


Últimos comentários

  • Raul Lufinha

    1. A categoria das três estrelas é a mais importan...

  • Anónimo

    De verdade que não entendo porque perdem tanto tem...

  • Raul Lufinha

    1. O que é grave é que o que a Michelin anunciou q...

  • Anónimo

    Salvo o devido respeito, no global não creio que t...

  • Raul Lufinha

    E no EL PAÍS Rosa Rivas vai pelo mesmo caminho, fa...

  • Raul Lufinha

    Não, não há o prometido crescimento em 2020 – é um...

  • Anónimo

    Face à notícia largamente antecipada do fecho do r...

  • Raul Lufinha

    1 - A Michelin é uma empresa privada, faz os guias...

  • Anónimo

    Esperemos então que o guia passe a ser apenas de E...

  • Raul Lufinha



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D