Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Tendências Nova Iorque 2020

por Raul Lufinha, em 15.01.20

The Vessel, novo ícone da cidade de Nova Iorque

The Vessel, novo ícone da cidade de Nova Iorque — uma escultura, em forma de vaso e de favo de mel…

The Vessel, novo ícone da cidade de Nova Iorque

… na qual podemos entrar e subir até ao topo dos seus 16 andares…

The Vessel, novo ícone da cidade de Nova Iorque

... através de um complexo sistema de escadas e plataformas

Tendências que se apanham de uma semana em Nova Iorque:

– Nova cozinha coreana. Neste momento, é a cozinha mais forte da cidade. David Chang cozinha cada vez menos mas continua a lançar novos projetos e conceitos, que deixam um enorme lastro na cidade (embora o seu espaço mais interessante ainda seja o 2** MOMOFUKU KO). Contudo, apesar de também proliferarem ‘steakhouses’ e BBQ coreanos, os restaurantes mais estimulantes são aqueles em que a cozinha coreana é apenas o ponto de partida para abordagens mais criativas: JUNGSIK (2**), do pioneiro chef Jung Sik Yim; ATOMIX (novo 2** 2020) e o informal ATOBOY, ambos do chef Junghyun Park; KĀWI, assinado pela chef Eunjo Park, o mais recente do grupo MOMOFUKU; e o novíssimo KOCHI, do chef Sungchul Shim (ex-PER SE, LE BERNARDIN e NETA), aberto em novembro; entre muitos outros, que a oferta é bastante grande.

– Esgotamento da armada espanhola. Prometia muito o projeto nova-iorquino do mediático chef José Andrés com os irmãos Albert e Ferran Adrià – os três tinham trabalhado juntos no EL BULLI – mas infelizmente, afinal, o resultado foi um MERCADO LITTLE SPAIN que, confirmando o esgotamento criativo da armada espanhola, é apenas um enorme ‘food hall’ dedicado aos produtos tradicionais espanhóis – muitas ‘barras’ com ‘tapas’, presuntos, queijos, ‘tortillas’, ‘pasteles’, ‘churros’... Enfim, foi o melhor novo restaurante do ano para o crítico do NYT, mas não deixa de ser um mero ‘food hall’ para ‘tapear’ com música espanhola altíssima…

– Hudson Yards. Não é apenas um novo centro comercial (inaugurado em 2019, com muitos restaurantes, incluindo o KĀWI e o MERCADO LITTLE SPAIN). É todo um novo bairro, um enorme projeto imobiliário, junto à High Line e ao rio Hudson, que continuará a crescer nos próximos anos. E que deu desde já um novo símbolo à cidade, o Vessel, uma escultura onde podemos entrar e que é de visita obrigatória – o bilhete é gratuito mas tem que ser obtido ‘online’.

– Fermentados. Uma tendência em alta. Por influência nórdica. E também pelos coreanos – que fazem muito mais do que apenas kimchi.

– ‘Vegetable-forward’ a perder fulgor. Por cá, ainda não terá atingido o auge. Mas em Nova Iorque, onde estas modas chegam mais cedo, já está tudo a voltar ao que era antes. A prioridade – ou o mais importante – está a ser novamente a carne e o peixe. Muito peixe.

– Padaria nórdica. As padarias europeias já estavam na moda. Mas a grande novidade de 2019 foi a padaria nórdica. Em especial, devido à dinamarquesa OLE & STEEN, que está em forte expansão pela cidade.

– Padeiros. O pão continua em alta. E a tendência de os restaurantes fazerem o seu próprio pão é cada vez mais forte. De tal forma que, num desenvolvimento bastante significativo, para além de pasteleiros, os melhores restaurantes também têm padeiros. Efetivamente, a padaria é a arte do padeiro. De tal forma que ter um padeiro na equipa permite celebrar ainda melhor o pão. Sendo igualmente um sinal exterior da qualidade de um restaurante – se, para além do escanção, do barman e do pasteleiro, o restaurante diz que também tem um padeiro, então não pode ser um mau restaurante!

– Balcões. Continuam em alta. Os novos restaurantes, para além das mesas, têm sempre um balcão. E continuam a abrir novos projetos exclusivamente no formato balcão.

– Chefes presentes. Durante o dia, os chefes até podem ter as suas vidas. Mas nunca como este ano encontrámos tantos chefes presentes nos seus restaurantes à hora do serviço.

Em ‘cash’, só as gorjetas

Em ‘cash’, só as gorjetas

– ‘Cashless’. São cada vez mais os estabelecimentos que só aceitam pagamentos com cartão. Restaurantes, padarias e bares, mas também lojas.

– Vinhos diferentes. Aqui o ponto não é se é natural ou não. Seja ou não natural, o que se nota é uma grande curiosidade pelo que é diferente. Por exemplo, do Mosel, ir além do clássico Riesling e descobrir castas como a histórica Elbling. Ou então experimentar castas… portuguesas – no ATOMIX, o vinho que atualmente abre o ‘wine pairing’… é dos Açores!

– ‘Wifi’ descodificado. Cadear o ‘wifi’ é da década passada. Quando muito, os restaurantes pedem-nos um ‘e-mail’ – para nos enviarem publicidade.

– Faixas ‘BUS’ e ciclovias. O alcatrão de NY ganhou cor. Agora, um pouco por toda a cidade, há faixas ‘BUS’ encarnadas e ciclovias verdes.

– Especulação imobiliária. Os lisboetas queixam-se do imobiliário, mas não há cidade com tanta dinâmica imobiliária como NY – aliás, foi o imobiliário que fez daquela ilha, que não pode crescer para nenhum lado exceto para cima, uma capital do mundo. E até o nosso Siza Vieira está a construir uma torre em Manhattan. De modo que o imobiliário continua a ser a principal causa de encerramento de restaurantes na cidade. Mas a verdade é que, depois, os novos empreendimentos também acabam por ser locais privilegiados para a abertura de novos restaurantes!

611 West 56th Street by Álvaro Siza Vieira

611 West 56th Street – ainda em construção e antes de ser revestida com calcário branco…

611 West 56th Street by Álvaro Siza Vieira

… a torre desenhada por Álvaro Siza Vieira

 

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:31

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: kitchen tour

por Raul Lufinha, em 20.03.16

Rita Neto e Rui Paula

Rita Neto e Rui Paula

A CASA DE CHÁ DA BOA NOVA, de Rui Paula, assume-se como um espaço essencialmente…

… gastronómico!

E na linha dos grandes restaurantes do mundo – seja o NOMA em Copenhaga ou o ELEVEN MADISON PARK em Nova Iorque, por exemplo – também proporciona aos seus clientes a inesquecível experiência…

… de uma visita guiada à cozinha!

É conduzida pelo chefe de sala Fernando Carrilho…

… e, para além de nos permitir entrar nos bastidores do restaurante e conhecer as áreas de acesso restrito da CASA DE CHÁ DA BOA NOVA…

… tem ainda a mais-valia adicional de nos possibilitar apreciar o outro lado do interior da extraordinária obra de arquitetura criada por Siza Vieira e classificada em 2011 como Monumento Nacional!

Uma surpresa na visita à cozinha da CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

Uma surpresa na visita à cozinha

Contudo, Rui Paula vai mais além!

Na CASA DE CHÁ DA BOA NOVA a visita à cozinha não é apenas para ir espreitar os fogões, como por vezes sucede noutros espaços – não!

Aqui somos mesmo recebidos pela equipa que está a trabalhar nesse momento!

Fazendo ainda Rui Paula sempre questão de dar uma surpresa a provar!

Neste dia…

… para cortar os sabores intensos da feijoada à transmontana e antecipando as sobremesas que estavam para chegar…

… sobre umas explosivas peta zetas…

… a doçura do chocolate branco em contraponto a uma sedutora ganache, vegetal e agridoce, de morango e tomate!

Os grandes restaurantes definem-se pelos pormenores…

… e a visita guiada à cozinha da CASA DE CHÁ DA BOA NOVA é um deles!

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

À esquerda, a secção de pastelaria… e, ao fundo, Mauro Silva

António Vito Mauro, o italiano que faz o pão da CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

António Vito Mauro, o italiano que faz o pão… preparando as azeitonas

Rui Paula e os queijos

Rui Paula 'levantando o véu'… do carrinho de queijos

Chef pasteleira Ana Cardoso

Chef pasteleira Ana Cardoso… construindo as sobremesas

Chef executiva Catarina Correia

Em primeiro plano, a chef executiva Catarina Correia em ação

A cozinha da CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

A cozinha, que Siza Vieira desenhou com um pé direito baixo (para a casa ficar bem integrada na paisagem) e muito comprida (ocupando toda a parte de trás do edifício, de uma ponta à outra da casa)

Rui Paula e o Josper

Rui Paula, o forno Josper… e o jantar da equipa

A garrafeira e o escanção Carlos Monteiro

Terminando a visita com uma passagem pela garrafeira, a cargo do escanção Carlos Monteiro

 

(continua)

Ver também:

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: a alta cozinha de Rui Paula... e o traço genial de Siza Vieira

 

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA | Av. da Liberdade, Leça da Palmeira, Matosinhos, Portugal | Chef Rui Paula

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:47

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: de repente, os vidros começam a descer!

por Raul Lufinha, em 18.03.16

Os vidros das janelas começam a descer

Os vidros das janelas começam a descer

Os vidros das janelas começam a descer

De repente, a meio do almoço, com a sala completamente cheia e sem qualquer aviso prévio…

… os vidros das janelas da CASA DE CHÁ DA BOA NOVA…

… começam a descer!

Transformando o restaurante numa autêntica esplanada…

… e mostrando o quão perto se está do mar!

Durante alguns momentos, a sala do restaurante fica sem janelas e transforma-se numa esplanada

Durante alguns momentos, a sala do restaurante fica sem janelas e transforma-se numa esplanada

Durante alguns momentos, a sala do restaurante fica sem janelas e transforma-se numa esplanada

Durante alguns momentos, a sala do restaurante fica sem janelas e transforma-se numa esplanada

Com efeito, ao ativar esta funcionalidade, que já estava prevista no projeto original de Siza Vieira (!)…

… Rui Paula faz com que entre na sala, de forma inesperada e surpreendente…

… uma forte brisa marítima...

... o ar fresco do mar…

… o perfume da maresia…

… a luminosidade da praia…

… o som das ondas!

Brutal!

E depois os vidros começam a subir, regressando as janelas à posição inicial

E depois os vidros começam a subir, regressando as janelas à posição inicial

E depois os vidros começam a subir, regressando as janelas à posição inicial

E depois os vidros começam a subir, regressando as janelas à posição inicial

E depois os vidros começam a subir, regressando as janelas à posição inicial

Um grande momento…

… que deixa toda a sala rendida (!)...

... e a contemplar a beleza e a singularidade da localização da CASA DE CHÁ DA BOA NOVA, encaixada nas rochas e em cima do mar…

… bem como a genialidade do arquiteto Siza Vieira!

 

(continua)

Ver também:

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: a alta cozinha de Rui Paula... e o traço genial de Siza Vieira

 

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA | Av. da Liberdade, Leça da Palmeira, Matosinhos, Portugal | Chef Rui Paula

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:02

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: a casa, sobre as rochas

por Raul Lufinha, em 13.03.16

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

A CASA DE CHÁ DA BOA NOVA vista do exterior

Muito discreta e completamente integrada na paisagem…

… só quando nos aproximamos é que nos damos conta de que existe…

… uma casa nas rochas!

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

A entrada

Construída entre 1958 e 1963, a partir de um projeto da autoria de Álvaro Siza Vieira, na altura um jovem arquiteto no início de carreira…

… a CASA DE CHÁ DA BOA NOVA acabou depois por ser deixada completamente ao abandono.

Rui Paula

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

A sala do bar

Classificada em 2011 como Monumento Nacional…

… foi recuperada pela Câmara Municipal de Matosinhos, sob a supervisão de Siza Vieira…

… e concessionada a Rui Paula.

Rui Paula

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

A sala de refeições

Tendo sido decorada com extremo bom gosto…

… num estilo clássico e intemporal…

… que nos convida a ficar!

Rui Paula

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

Com vista para o mar... e para o horizonte

 

(continua)

Ver também:

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: a alta cozinha de Rui Paula... e o traço genial de Siza Vieira

 

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA | Av. da Liberdade, Leça da Palmeira, Matosinhos, Portugal | Chef Rui Paula

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: a alta cozinha de Rui Paula... e o traço genial de Siza Vieira

por Raul Lufinha, em 12.03.16

Rui Paula

Rui Paula

A CASA DE CHÁ DA BOA NOVA é um restaurante absolutamente fascinante!

Conjuga a melhor cozinha de sempre de Rui Paula, um chef em grande forma, focado nas suas memórias e naquilo que de bom o mar tem para dar, proporcionando a quem o visita uma inesquecível experiência gastronómica de altíssimo nível…

… com o génio de Álvaro Siza Vieira, arquiteto que no início da carreira desenhou uma casa luminosa encaixada nas rochas, dois metros acima do nível do mar, a qual viria a ser classificada em 2011 como Monumento Nacional.

Um restaurante obrigatório...

... para quem vai ao Porto e para quem vem a Portugal!

 

O 'Menu do Mar e da Terra' foi assim: 

A casa, sobre as rochas

Os snacks

Pão e manteiga

A Saudação do Chef

A enguia

O lagostim

Caril do mar

Caldeirada

De repente, os vidros começam a descer!

Entre costela de wagyu

Feijoada à transmontana

Kitchen tour

Queijos portugueses

Cenoura e batata-doce roxa

Espargos, beterraba e romã

Mignardises

 

A chegada ao restaurante CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

A chegada ao restaurante CASA DE CHÁ DA BOA NOVA

 

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA | Av. da Liberdade, Leça da Palmeira, Matosinhos, Portugal | Chef Rui Paula

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:53

O vinho Siza

por Raul Lufinha, em 06.05.14

Um copo… cheio de Siza

Ao longo da sua vida, o arquitecto Siza Vieira desenhou… copos, chávenas, colheres, uma casa de chá, moradias, piscinas, museus, uma pala, universidades, restaurantes, igrejas… e até uma adega – a Adega Mayor, em Campo Maior, a primeira adega de autor em Portugal, inaugurada em 2007.

Rita Nabeiro, Administradora da Adega Mayor...

Agora, o produtor alentejano retribuiu o gesto...

... e lançou o vinho Siza!

... com o Arquitecto Siza Vieira

Em homenagem ao traço minimalista do arquitecto, é um vinho de uma casta só – Alicante Bouschet. 

Comendador Rui Nabeiro, Arquitecto Siza Vieira…

Mas não é um vinho qualquer – da colheita de 2009 (!), fermentou e estagiou 20 meses em barricas novas de carvalho francês… e depois apenas das melhores se fez este lote, que estagiou em garrafa até atingir a harmonia desejada.

… e o vinho Siza

Um grande vinho, um grande Alicante Bouschet alentejano – cor granada profunda, aromas vegetais e a fumo, notas de café e chocolate. Denso, complexo, concentrado.

Siza tinto 2009, uma garrafa lindíssima...

Sendo uma edição especial e exclusiva, limitada a 2.500 garrafas. Com um PVP recomendado de 56 euros.

… e um rótulo sem palavras, só com o traço do arquitecto

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:49

Desafio no SÃO GABRIEL: (IX) Copo a copo…

por Raul Lufinha, em 23.09.13

Morgadio da Calçada Reserva Tinto 2007

Beber vinho a copo tem inúmeras vantagens – por um lado, há situações em que uma quantidade mais reduzida é suficiente; por outro, permite que na mesma mesa várias pessoas possam beber vinhos diferentes em simultâneo ou que uma pessoa beba sucessivamente vinhos diferentes; e possibilita ainda que se provem a um preço mais acessível vinhos que à garrafa seriam incomportáveis.

O problema surge, porém, quando a comida puxa pelo vinho… e o vinho é tão bom que atrás de um copo vai outro.

A certa altura mais vale comprar a garrafa toda…

Foi o que aconteceu com o Morgadio da Calçada Reserva Tinto 2007 – produzido pela Niepoort a partir de Tinta Roriz e Touriga Franca, com um pouco de Touriga Nacional, é um vinho do Douro complexo e concentrado mas que mantém a frescura e elegância características das vinhas de altitude de Provezende.

Tendo sido em boa hora sugerido pelo escanção Victor d’Avó para acompanhar os pratos de carne, este e este.

Os rótulos também são magníficos – têm o traço do arquitecto Siza Vieira.

(continua)

Fotografias: Marta Felino / Flash Food

SÃO GABRIEL | Estrada Vale do Lobo, Quinta do Lago, Almancil, Portugal | Chef Leonel Pereira

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:02


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Últimos comentários

  • Raul Lufinha

    Fico contente que tenha gostado!

  • Anónimo

    Excelente texto !!!Fazer a ponte das “ madalenas “...

  • Raul Lufinha

    Yes!

  • Anónimo

    Tudo queijos portugueses como os chefes que tanto ...

  • Raul Lufinha

    1) Infelizmente, não conheci o da ilha. Mas a part...

  • Anónimo

    Dificil entender como o Kadeau em Copenhaga chegou...

  • Raul Lufinha

    Destes, ainda não.

  • Anónimo

    Já foi a algum destes restaurantesP

  • Raul Lufinha

    Sim, esse restaurante, o GAGGAN, fechou em agosto ...

  • Luis Santos

    Aconteceu alguma coisa ao Gaggan ? Acho um tanto e...


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D