Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Borgonha em Lisboa

por Raul Lufinha, em 22.10.18

Três vinhos do Château de Béru, em Chablis

Três vinhos do Château de Béru, em Chablis

Alejandro Chávarro, que se notabilizou como head sommelier do ASTRANCE, em Paris, tem também a sua própria empresa especializada na importação de vinhos franceses para Portugal – a Vinhos Livres.

Tendo conduzido uma prova, para profissionais, no tasting room da garrafeira Mundo do Vino, na Rua de São Bento, em Lisboa, com dois produtores de vinhos biológicos – e naturais – da Borgonha.

Athénaïs de Béru, do Château de Béru, em Chablis, que deu a provar três dos seus Chardonnays da colheita de 2015. Primeiro, em magnum, o “Terroirs de Béru”, um lote que junta dez diferentes terrois. E depois dois single vineyard. O “Côte aux Prêtres”, com uma interessante acidez. E o tão delicioso quanto extraordinário “Clos Béru”.

Já François de Nicolay, entre o seu tinto Côte de Nuits (Aux Montagnes), 100% Pinot Noir, e o seu branco Ladoix (Sur Les Vris), um guloso Chardonnay, ambos de 2016, pré-apresentou também, do Domaine Chandon de Briailles, o jovem Premier Cru Les Lavières, de Savigny-Lès-Beaune, de 2017, ainda com o rótulo da colheita anterior e a ser lançado em breve.

Todos eles – os seis – vinhos biológicos e naturais, com uma enorme aptidão para a mesa!

Os três vinhos de François de Nicolay

Três vinhos de François de Nicolay

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:39

À descoberta dos vinhos de Montenegro

por Raul Lufinha, em 02.10.18

Os seis vinhos da Lipovac

Os seis vinhos da Lipovac

Antiga república jugoslava, o Montenegro é um pequeno e montanhoso estado independente, situado nos Balcãs.

Onde há muito se produz vinho, mas essencialmente para consumo interno.

Porém, uma nova produtora montenegrina, para além de apostar no enoturismo, está também focada na exportação.

Chama-se Lipovac.

E os seus seis vinhos, produzidos não apenas com castas locais mas igualmente com variedades globais, chegaram agora a Portugal.

Há um rosé seco de Vranac, casta tinta muito comum no Montenegro e que também existe na Sérvia e na Macedónia (HARMONIA, €7); um branco de Chardonnay (IDEA, €10); um frutado tinto varietal de Vranac (CONCEPT, €8); e um topo de gama, redondo, feito com Vranac e 20% de Syrah (MODEL, €18).

Contudo, os mais estimulantes são mesmo os dois vinhos totalmente de talha!

Feitos ambos com variedades locais.

E demonstrando uma grande aptidão gastronómica.

O branco GEA (€12), produzido com uvas das castas Morava e Gigiac, seco e levemente floral, com notas de incenso, e que se apresenta na boca denso e elegante.

E o tinto TELLUS (€12), 100% Vranac mas mais complexo do que o monocasta em que não foram utilizadas ânforas – e com taninos mais finos.

Estando todos eles – os seis – disponíveis desde já para prova e comercialização na garrafeira e wine bar MUNDO DO VINO, em Lisboa, na Rua de São Bento, n.º 15.

GEA branco 2017

GEA branco 2017

TELLUS tinto 2016

TELLUS tinto 2016

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Agenda

MARÇO
3 -PRÉMIOS ‘BOA CAMA BOA MESA’ Cerimónia de entrega dos prémios do guia Boa Cama Boa Mesa, do jornal Expresso
Até 14 -‘ACONCHEGO CARIOCA’ NO BAIRRO DO AVILLEZ Pop-up do restaurante de Kátia Barbosa, nas varandas do Bairro do Avillez
Até 15 -TEMPORADA DA LAMPREIA NO VARANDA DE LISBOA No restaurante panorâmico do Hotel Mundial, um menu especial dedicado à lampreia

MAIO
19-20 -SYMPOSIUM SANGUE NA GUELRA 2020 Virgilio Martínez, do CENTRAL, em Lima, no Peru, é o primeiro nome confirmado

JUNHO
2 -THE WORLD'S 50 BEST RESTAURANTS 2020

SETEMBRO
12-13 -CHEFS ON FIRE 2020 – FOOD, FIRE & MUSIC Um festival em que os chefs cozinham exclusivamente com fogo durante mais de 24h. Ao fire pit e outras estruturas inéditas junta-se um cartaz de concertos, num projeto de slow cooking que celebra as origens da cozinha, bem como a simplicidade de esperar e de deixar que o tempo e o fogo cuidem dos alimentos


Últimos comentários

  • Anónimo

    Obrigado pelo esclarecimento.

  • Raul Lufinha

    Também coloquei essa questão – o que me foi dito é...

  • Anónimo

    Numa altura em que tanto se fala de igualdade, é a...

  • Raul Lufinha

    Muito obrigado!!!

  • Anónimo

    BRAVO !!!!👏👏👏👏EXCELENTE TEXTO !!

  • Raul Lufinha

  • Anónimo

    Parabéns Chef JOAQUIM de Sousa , Excelente !!!❤️🇵🇹...

  • Raul Lufinha

    1. A categoria das três estrelas é a mais importan...

  • Anónimo

    De verdade que não entendo porque perdem tanto tem...

  • Raul Lufinha

    1. O que é grave é que o que a Michelin anunciou q...



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D