Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Ramos Pinto Porto Vintage 1983: prova épica de 4 varietais… e do blend oficial

por Raul Lufinha, em 18.06.14

Luís Antunes e João Nicolau de Almeida

É sabido que o vinho do Porto é arte do blend. O que não é fácil é conseguir provar isoladamente cada uma das castas, de modo a compará-las com o lote final. Desde logo, porque nem sempre as várias castas são vinificadas em separado. E depois porque, mesmo quando tal acontece, apenas é comercializado o lote final – os monocasta não estão acessíveis ao público.

… na prova comentada dos vinhos do Porto do Douro Superior

Daí o carácter histórico – e épico – da prova de vinhos do Porto do Douro Superior conduzida pelo jornalista e crítico da Revista de Vinhos Luís Antunes, em Foz Côa, na edição de 2014 do Festival do Vinho do Douro Superior.

… que decorreu no Festival do Vinho do Douro Superior

É que João Nicolau de Almeida esteve pessoalmente na prova, tendo trazido não apenas o clássico Porto Vintage de 1983… mas também quatro varietais que entraram na composição do extraordinário lote final e nunca foram colocados à venda isoladamente:

1 – Tinta Roriz, muito suave e elegante;

2 – Touriga Franca, com mais corpo e mais volume, embora mais rústica;

3 – Tinta Barroca, em que sobressai a delicadeza dos aromas; e

4 – Touriga Nacional, que, conforme comentou João Nicolau de Almeida, “tem tudo: bom aroma, boa boca, bom final, vivacidade, frescura”.

Ramos Pinto Porto Vintage Tinta Roriz 1983

Ramos Pinto Porto Vintage Touriga Franca 1983

Ramos Pinto Porto Vintage Tinta Barroca 1983

Ramos Pinto Porto Vintage Touriga Nacional 1983

Ramos Pinto Porto Vintage 1983

Ora, depois de provados e comentados cada um destes quatro varietais, todos eles magníficos embora diferentes entre si, o passo seguinte foi então provar... a versão que a Ramos Pinto colocou no mercado, o lote oficial do Vintage de 1983!

Seria melhor o blend, o lote?

Os 4 varietais

De facto, feita a prova, é espectacular poder perceber, poder sentir, como efectivamente o blend oficial… consegue ser ainda melhor do que os varietais!

É muito mais completo, muito mais complexo, muito mais equilibrado!

Vai buscar um pouco aqui, outro ali, tem um bocadinho de todos e acaba por criar uma identidade própria, única – mas muito mais rica e complexa!

Mateus Nicolau de Almeida também esteve presente

No entanto, a singularidade deste prova absolutamente extraordinária não ficou por aqui.

É que depois o muito aplaudido João Nicolau de Almeida – no final, viria a sair da prova debaixo de uma forte e sentida ovação de toda a sala – ainda quis partilhar com a audiência... qual foi a composição do lote oficial!

Destas castas, quais as escolhidas?

E a seguir respondeu: Tinta Barroca 50%, Touriga Nacional 20%, Tinta Roriz 20% “e 10% de… misturas!”

Ramos Pinto Porto Vintage 1983

Foi este o lote então eleito pela Ramos Pinto.

Sendo a prova provada – se dúvidas houvesse – de que o vinho do Porto é mesmo a arte do blend!

 

Ver também:

Douro Superior, uma sub-região a afirmar a sua identidade

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:11


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Agenda

MARÇO
3 -PRÉMIOS ‘BOA CAMA BOA MESA’ Cerimónia de entrega dos prémios do guia Boa Cama Boa Mesa, do jornal Expresso
Até 14 -‘ACONCHEGO CARIOCA’ NO BAIRRO DO AVILLEZ Pop-up do restaurante de Kátia Barbosa, nas varandas do Bairro do Avillez
Até 15 -TEMPORADA DA LAMPREIA NO VARANDA DE LISBOA No restaurante panorâmico do Hotel Mundial, um menu especial dedicado à lampreia

MAIO
19-20 -SYMPOSIUM SANGUE NA GUELRA 2020 Virgilio Martínez, do CENTRAL, em Lima, no Peru, é o primeiro nome confirmado

JUNHO
2 -THE WORLD'S 50 BEST RESTAURANTS 2020

SETEMBRO
12-13 -CHEFS ON FIRE 2020 – FOOD, FIRE & MUSIC Um festival em que os chefs cozinham exclusivamente com fogo durante mais de 24h. Ao fire pit e outras estruturas inéditas junta-se um cartaz de concertos, num projeto de slow cooking que celebra as origens da cozinha, bem como a simplicidade de esperar e de deixar que o tempo e o fogo cuidem dos alimentos


Últimos comentários

  • Anónimo

    Obrigado pelo esclarecimento.

  • Raul Lufinha

    Também coloquei essa questão – o que me foi dito é...

  • Anónimo

    Numa altura em que tanto se fala de igualdade, é a...

  • Raul Lufinha

    Muito obrigado!!!

  • Anónimo

    BRAVO !!!!👏👏👏👏EXCELENTE TEXTO !!

  • Raul Lufinha

  • Anónimo

    Parabéns Chef JOAQUIM de Sousa , Excelente !!!❤️🇵🇹...

  • Raul Lufinha

    1. A categoria das três estrelas é a mais importan...

  • Anónimo

    De verdade que não entendo porque perdem tanto tem...

  • Raul Lufinha

    1. O que é grave é que o que a Michelin anunciou q...



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D