Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O embuste do “ano excecional” e do “crescimento em todas as categorias”

por Raul Lufinha, em 21.11.19

Espanha e Portugal enganados pela Michelin: afinal não houve “crescimento em todas as categorias”

Espanha e Portugal enganados pela Michelin: afinal não houve “crescimento em todas as categorias”

Ángel Pardo, diretor de comunicação da Michelin, tinha prometido à Agência Efe que, para o Guia Espanha & Portugal, 2020 seria “un año excepcional, con crecimiento en todas las categorias”.

Porém, face às estrelas que ontem foram anunciadas em Sevilha, já nem vale a pena sequer discutir o que seria, para a Michelin, “um ano excecional” – ou se um crescimento marginal merece ser qualificado de “excecional”.

É mais grave do que isso!

Não houve sequer o anunciado “crescimento em todas as categorias”!

Na categoria das três estrelas não houve crescimento!

Efetivamente, na categoria máxima, em 2019, Espanha tinha 11 restaurantes com três estrelas e na edição de 2020 vai continuar a ter igualmente 11 restaurantes triestrelados. Ou seja, nesta categoria, é um embuste dizer que houve crescimento! Saiu um (DANI GARCÍA), entrou outro (CENADOR DE AMÓS), continuam a ser 11. Não houve qualquer crescimento! Nem redução! Como se pode ler na comunicação social espanhola, Espanha “manteve” 11 triestrelados.

Do mesmo modo, também não houve crescimento em Portugal na categoria máxima. Portugal não tinha nenhum restaurante com três estrelas em 2019 e em 2020 vai continuar a ter zero triestrelados. Não houve qualquer crescimento!

Ou seja, o Guia Michelin Espanha & Portugal, no seu conjunto, tinha 11 restaurantes com três estrelas em 2019 – e em 2020 vai continuar a ter 11. Não houve qualquer crescimento!

Assim sendo, e como não há registo de Ángel Pardo, diretor de comunicação da Michelin, ter desmentido ou corrigido a Agência Efe – que, aliás, continua a disponibilizar on-line essas auspiciosas declarações de dia 1 de novembro que geraram um enorme expectativa em torno da gala e desde então foram sendo replicadas um pouco por todo o lado – só resta uma conclusão: fomos todos enganados pela Michelin.

Espanha e Portugal foram enganados pela Michelin.

E merecem um pedido de desculpas por parte da empresa francesa.

Fotografia: Facebook @laGuiaMichelin

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:30

Pela capa, tudo na mesma

por Raul Lufinha, em 12.11.19

“La Guía Michelin España & Portugal 2020”

A capa de “La Guía”

A Michelin acaba de divulgar oficialmente a capa do Guia Michelin Espanha & Portugal para 2020.

Ou, mais corretamente, a capa de “La Guía Michelin España & Portugal”.

Uma capa outra vez… em castelhano!

Naturalmente que – sendo embora uma repetida falta de consideração para com os portugueses – a capa não é o mais importante. O que conta é o conteúdo, que será anunciado dia 20, em Sevilha.

Porém, pelo que já se vê da capa, parece que a marca francesa irá continuar a servir aos portugueses um guia espanhol, feito a partir de Madrid.

Até quando?

Fotografia: Facebook @laGuiaMichelin

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:28

Não são as receitas fáceis que valorizam os chefes de pastelaria, são as difíceis

por Raul Lufinha, em 10.11.19

O primeiro livro de Francisco Moreira

O primeiro livro de Francisco Moreira

Francisco Moreira tem um percurso notável.

 

«Em 2009 iniciou a carreira profissional, após concluir a formação em cozinha e pastelaria, na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril.

 

Trabalhou em casas de renome – como o Grande Real Villa Italia Hotel & Spa, Onyria Marinha ou o restaurante Tavares Rico* – e integrou, em 2012, a equipa de pasteleiros liderada por Joaquim de Sousa no hotel The Oitavos, em Cascais.

 

Um ano mais tarde, mudou-se para a Fortaleza do Guincho*, sob a alçada do chef Vincent Farges, onde chegou a responsável de pastelaria, e, em 2015, aliou-se de novo a Aimé Barroyer (ex-Tavares) para chefiar a pastelaria do Grupo Olivier.

 

Em abril de 2016 conquistou o primeiro prémio no concurso ADN Pasteleiro e rumou para Tenerife, para chefiar a pastelaria do restaurante M.B.**, do chef espanhol Martín Berasategui.

 

De momento, encontra-se a exercer funções de chef na Chocolate Academy Centre da Barry Callebaut, na Bélgica.

 

Em 2019, estreou-se como apresentador do programa Doces do Ofício, no 24Kitchen Portugal, programa que estreia agora a sua segunda temporada.»

 

Sendo precisamente todas as receitas dessa primeira temporada do Doces do Ofício que Francisco Moreira acaba agora de reunir em livro, numa edição da Casa das Letras.

 

66 receitas, todas acompanhadas do respetivo vídeo

66 receitas, todas acompanhadas do respetivo vídeo

Uma obra em que – tal como já sucedia na televisão – o jovem chefe pasteleiro e mestre chocolateiro, de apenas 28 anos, procura demonstrar-nos “que não é assim tão difícil fazer doces e receitas de pastelaria, para qualquer ocasião e sempre com um toque diferente.”

Ideia, aliás, que Francisco Moreira também desenvolveu na sessão de lançamento do livro.

Porém, de forma algo paradoxal, Francisco Moreira enquadrou igualmente este livro de receitas “fáceis” no âmbito da valorização da profissão de pasteleiro e da valorização dos chefes de pastelaria – que, como disse alguém, ainda hoje são tantas vezes preteridos das cozinhas dos restaurantes, sendo antes o chefe de cozinha a fazer “sobremesas de cozinheiro”.

Ora, claro que é excelente, para os pasteleiros, um chefe pasteleiro ter um programa na televisão, ainda por cima dedicado exclusivamente à pastelaria! Claro que é excelente, para os pasteleiros, um chefe pasteleiro lançar um livro com as suas receitas!

Contudo, o discurso de que a pastelaria é fácil – e de que é possível tornar fácil a boa pastelaria – não é bom para os pasteleiros, não valoriza os pasteleiros!

Pode ser ótimo para vender programas de televisão, para vender livros e até para vender este pasteleiro – mas não é bom para vender os pasteleiros!

Se a pastelaria fosse mesmo assim tão fácil – que até qualquer um a conseguisse fazer com sofisticação em casa – então afinal os pasteleiros já não seriam assim tão necessários…

Sendo aliás precisamente por tantos chefes de cozinha (e donos de restaurantes e diretores de hotéis) também pensarem que fazer pastelaria é fácil e que qualquer um consegue “dar uns toques” – afinal, “é só seguir a receita!” – que depois, como foi dito, não há tantos pasteleiros nas cozinhas como deveria haver. Efetivamente, o que valoriza os pasteleiros não são as receitas fáceis que qualquer cozinheiro amador consegue reproduzir em casa, são as receitas difíceis e complexas que nem um chefe de cozinha profissional consegue fazer no seu restaurante – tendo, portanto, que contratar para tal um pasteleiro!

De facto, a pastelaria é difícil.

A boa pastelaria – no fundo, a boa cozinha – é muito difícil.

E já nem estamos a falar da enorme dificuldade de trabalhar o chocolate, um produto extremamente caprichoso – na verdade, nem todos os pasteleiros são chocolatiers.

De modo que – como o extraordinário percurso de Francisco Moreira o demonstra – não são as receitas fáceis que valorizam os chefes pasteleiros, são as difíceis!

Muito parabéns, pois, ao Francisco Moreira!

E ficamos a aguardar a concretização do sonho da abertura da sua loja de chocolates e de pastelaria de autor!

 

Lançamento do “Doces do Ofício”, n’A Sociedade, em Lisboa: Marta Ramires (Casa das Letras), Fátima Moura, que apresentou o livro, Francisco Moreira e Catarina Barradas (24Kitchen)

Lançamento do “Doces do Ofício”, n’A Sociedade, em Lisboa: Marta Ramires (Casa das Letras), Fátima Moura, que apresentou o livro, Francisco Moreira e Catarina Barradas (24Kitchen)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:27

O futuro das pastelarias com passado

por Raul Lufinha, em 01.11.19

Em plena PASTELARIA BENARD, Miguel Tamen e João Bernardo Galvão-Telles, na apresentação do livro “BENARD - Um século e meio a adoçar Lisboa”

Em plena PASTELARIA BENARD, Miguel Tamen e João Bernardo Galvão-Telles, na apresentação do livro “BENARD - Um século e meio a adoçar Lisboa”

Fundada em 1868 por Élie Benard, a histórica PASTELARIA BENARD, no Chiado, em Lisboa, está a celebrar os seus já notáveis 150 anos!

Tendo sido precisamente no âmbito das comemorações desse redondo aniversário que acabou de ser lançado o livro que nos conta a história da famosa pastelaria lisboeta que inicialmente funcionava na Rua do Loreto e que até 1926 se chamava “Pâtisserie Benard”!

Foi escrito pelo investigador João Bernardo Galvão-Telles.

E é uma obra muito meritória!

Contando-nos, não apenas a história desta concreta pastelaria – famosa pelos seus croissants quentes e não só – mas também muitas histórias de Lisboa, do Chiado e dos franceses que já na segunda metade do século XIX se instalavam com sucesso na capital portuguesa!

Chiado, hoje como há 150 anos, o centro de Lisboa

Chiado, hoje como há 150 anos, o centro de Lisboa

Porém, o mais fascinante da PASTELARIA BENARD não é o seu passado, é o seu futuro!
Isto, num momento em que o Chiado volta a ser novamente o centro da cidade!

E em que – para os muitos turistas que todos os dias a visitam – o Pastel de Nata se transformou no grande símbolo de Lisboa!

De tal forma, aliás, que – sabe o Mesa do Chef – nos próximos meses irão surgir no centro da cidade, pelo menos, mais duas novas marcas dedicadas exclusivamente ao fabrico e à venda da mais famosa especialidade da doçaria portuguesa!

Pelo que o futuro das pastelarias com passado está indiscutivelmente na modernidade com que sabem acompanhar a evolução dos tempos conservando o ambiente histórico do espaço e a sua identidade de sempre… a par, naturalmente, da qualidade dos produtos que confecionam!

Sejam os croissants sempre quentinhos ou os cremosos pastéis de nata!

Com efeito, o mais importante das pastelarias com passado é terem uma história… que se projeta no futuro!

Daí que sejam tão essenciais livros como esta obra de João Bernardo Galvão-Telles!

“BENARD - Um século e meio a adoçar Lisboa” de João Bernardo Galvão-Telles.

A história da PASTELARIA BENARD

 

PASTELARIA BENARD
Rua Garrett, 104, Chiado, Lisboa, Portugal

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:07

Maria Emília Cancella de Abreu ou como o nacionalismo aplicado à cozinha contribuiu para reforçar a identidade da Cozinha Portuguesa… e continua atual

por Raul Lufinha, em 22.10.19

A homenagem de Fátima Iken a Maria Emília Cancella de Abreu

A homenagem de Fátima Iken a Maria Emília Cancella de Abreu

A jornalista Fátima Iken transformou em livro a Dissertação de Mestrado, que apresentou na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, sobre a influência e o contributo da revista Banquete, publicada entre 1960 e 1974, para o ressurgimento da Cozinha Portuguesa e o papel pioneiro da sua fundadora e única diretora, Maria Emília Cancella de Abreu.

Editado pela Prime Books, “Códice de Sabores Português” é uma obra que tem o notável mérito de nos mostrar como o nacionalismo aplicado à cozinha contribuiu para reforçar a identidade da Cozinha Portuguesa, devido à utilização de conceitos que ainda hoje – passados mais de 50 anos – continuam completamente atuais e de vanguarda, como seja o destaque dado à cozinha tradicional portuguesa, a defesa do “reaportuguesamento” da culinária (então muito afrancesada) e das próprias ementas dos restaurantes (então escritas em francês) ou a valorização dos produtos locais.

Apresentação do “Códice de Sabores Português”, na Casa-Museu Medeiros e Almeida: Rosalina Machado, Lopo Cancella de Abreu (filho mais velho), Virgílio Gomes (autor do prefácio), Fátima Iken (autora do livro), Jaime Cancella de Abreu (editor e filho)Apresentação do “Códice de Sabores Português”, na Casa-Museu Medeiros e Almeida: Rosalina Machado, Lopo Cancella de Abreu (filho mais velho), Virgílio Gomes (autor do prefácio), Fátima Iken (autora do livro), Jaime Cancella de Abreu (editor e filho)

 

P.S. – Obrigado ao Duarte Lebre de Freitas pelo convite para assistir ao lançamento do livro que homenageia a sua Avó materna, um gastrónomo que faz questão de honrar os gastronómicos pergaminhos da sua Avó… e também do seu Avô Lopo, mais conhecido do grande público por ter sido Ministro no primeiro Governo de Marcello Caetano e que, tal como a sua mulher Maria Emília, foi um grande gastrónomo e enófilo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:25

Pastelaria Suíça, 1922-2018

por Raul Lufinha, em 07.10.19

A história da Pastelaria Suíça

A história da Pastelaria Suíça

Fundada em 1922, a emblemática Pastelaria Suíça, no Rossio, em Lisboa, encerrou definitivamente portas quase um século depois, no passado dia 31 de agosto de 2018.

Sendo agora a sua memória perpetuada num livro que nos conta a história do estabelecimento que se orgulha de ter introduzido em Portugal o croissant francês.

Foi escrito pelo investigador João Bernardo Galvão-Telles, sócio da LMT Consultores em História e Património.

E, apesar de ser uma edição colocada maioritariamente fora do mercado, alguns exemplares podem ser adquiridos na histórica Livraria Ferin, em Lisboa.

Memórias da Pastelaria Suíça… e da cidade Lisboa

Memórias da Pastelaria Suíça… e da cidade de Lisboa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:50

Paulo Morais e a cozinha do Sudeste Asiático

por Raul Lufinha, em 24.11.17

Paulo Morais na apresentação do seu novo livro de receitas

Paulo Morais na apresentação do seu novo livro de receitas

Paulo Morais tem um novo livro.

Chama-se “Manual de Cozinha Asiática” e é uma viagem pela gastronomia do Sudeste da Ásia – Vietname, Tailândia, Camboja, Laos, Myanmar, Malásia, Indonésia, Singapura e Filipinas.

Funcionando também como um autêntico roteiro turístico!

E em que, a fim de tornar o livro ainda mais funcional, o chef do KANAZAWA e professor da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril não organiza as receitas por países, mas antes por produtos – peixe, mariscos, carnes, aves, massas, arroz, legumes, sobremesas, ervas e especiarias.

Já as fotografias são de Ricardo Lamy, que esteve igualmente na apresentação da obra, ao lado de Paulo Morais.

E a edição é d’A Esfera dos Livros.

O Sudeste Asiático visto por Paulo Morais

Os sabores do Sudeste Asiático trazidos por Paulo Morais

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:03

Sopa para a Síria

por Raul Lufinha, em 22.10.17

Barbara Abdeni Massaad

Barbara Abdeni Massaad

A libanesa Barbara Abdeni Massaad é uma conhecida personalidade do universo da culinária – autora de livros premiados, escreve igualmente para revistas de cozinha internacionais e faz programas de televisão.

Sendo também a chef consultora do MUITO BEY, restaurante de “comida libanesa moderna”, em Lisboa.

E, ao visitar um improvisado acampamento de refugiados sírios no Vale do Beca, a três quartos de hora da cidade de Beirute, onde mora, decidiu ajudar com aquilo que melhor sabia fazer – culinária e fotografia.

Pelo que criou um livro de receitas de sopa – “Soup for Syria” – para o qual contribuíram conhecidos chefes de todo o mundo e que já foi editado em várias línguas, revertendo a receita para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A edição portuguesa, da Casa das Letras, inclui os contributos de Kiko Martins (“Gaspacho Verde e Cavala Marinada”), Ljubomir Stanisic (“Sopa de Cavala”), Miguel Rocha Vieira (“A Nossa Sopa do Mar”), Rui Paula (“Sopa de Feijão-Frade”) e, ainda, do libanês, proprietário do MUITO BEY, Ezzat Ellaz (“Sopa Vermelha com Bulgur”).

Para além da própria Barbara Abdeni Massaad (“Sopa de Beterraba Assada”), destaque igualmente para nomes internacionais de referência como o chef e apresentador Anthony Bourdain (“Soupe au Pistou”), Mark Bittman do New York Times (“Sopa Coreana de Vaca ou Porco com Arroz”), Alice Waters do CHEZ PANISSE (“Sopa de Cenoura”) ou o mediático chef libanês Joe Barza (“Sopa de Lentilhas com Leite”) que nos visitou o ano passado e que em novembro regressará a Portugal para a segunda edição do Culinary Extravaganza, no Conrad Algarve.

Um livro solidário... e reconfortante!

Restaurante MUITO BEY

Apresentação da edição portuguesa, no restaurante MUITO BEY

Ljubomir Stanisic, Barbara Abdeni Massaad com um copo da sua Sopa de Beterraba Assada, Kiko Martins, Ezzat Ellaz

Quatro dos autores das receitas de “Sopa para a Síria”: Ljubomir Stanisic, Barbara Abdeni Massaad, Kiko Martins e Ezzat Ellaz

Barbara Abdeni Massaad e Kiko Martins

Barbara Abdeni Massaad e Kiko Martins, que contribui com a receita do seu Gaspacho Verde

Sopa para a Síria

Um livro solidário... e reconfortante

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:06

João Paulo Martins lança guia 2018

por Raul Lufinha, em 27.09.17

João Paulo Martins

João Paulo Martins

Após um ano de interregno, está de volta o incontornável guia 'Vinhos de Portugal' de João Paulo Martins.

Já vai na 23.ª edição.

E confirma-se que, agora, irá continuar a sair de dois em dois anos.

Vinhos de Portugal 2018

O novo guia

 

Ver também:

– Vinhos de Portugal

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

Tiago Pais e as melhores tascas de Lisboa

por Raul Lufinha, em 06.03.16

Tiago Pais

Tiago Pais

Jornalista gastronómico no Observador…

… Tiago Pais acaba de lançar o seu guia das 50 melhores tascas de Lisboa!

Editado pela Zest, com fotografias de Gonçalo F. Santos e design de Luís Levy Lima…

… é um roteiro essencial para descobrir comida tradicional portuguesa de qualidade servida em doses generosas e a um preço inferior a 10€.

O novo livro de Tiago Pais

Fifty Best

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:25


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Agenda

DEZEMBRO
Até 7 -COME PRIMA – MENU TRUFA BRANCA DE ALBA A mais exclusiva das iguarias italianas, para escolher à carta num menu especial do Chef Tanka Sapkota com duas entradas e quatro pratos principais
11 -FOGO Inauguração do muito aguardado novo restaurante do chef Alexandre Silva, em que todos os pratos são confecionados com lenha – no forno, na grelha, no espeto ou num tacho de 80 kg – e têm o fumo como ingrediente comum
14 -FÄVIKEN Último serviço
Até 14 -HERDADE DO ESPORÃO Programa da Campanha da Azeitona 2019: visita guiada ao lagar em funcionamento com prova de azeite acabado de extrair da bica, petiscos no enoturismo e prova técnica de azeite novo

2020

JANEIRO
20 -MESA MARCADA Cerimónia de divulgação e entrega de prémios dos 10 Restaurantes e 10 Chefes Preferidos de 2019 do blog Mesa Marcada, de Duarte Calvão e Miguel Pires

MAIO
19-20 -SYMPOSIUM SANGUE NA GUELRA 2020 Virgilio Martínez, do CENTRAL, em Lima, no Peru, é o primeiro nome confirmado

JUNHO
2 -THE WORLD'S 50 BEST RESTAURANTS 2020

SETEMBRO
12-13 -CHEFS ON FIRE 2020 – FOOD, FIRE & MUSIC Um festival em que os chefs cozinham exclusivamente com fogo durante mais de 24h. Ao fire pit e outras estruturas inéditas junta-se um cartaz de concertos, num projeto de slow cooking que celebra as origens da cozinha, bem como a simplicidade de esperar e de deixar que o tempo e o fogo cuidem dos alimentos


Últimos comentários

  • Raul Lufinha

    1. A categoria das três estrelas é a mais importan...

  • Anónimo

    De verdade que não entendo porque perdem tanto tem...

  • Raul Lufinha

    1. O que é grave é que o que a Michelin anunciou q...

  • Anónimo

    Salvo o devido respeito, no global não creio que t...

  • Raul Lufinha

    E no EL PAÍS Rosa Rivas vai pelo mesmo caminho, fa...

  • Raul Lufinha

    Não, não há o prometido crescimento em 2020 – é um...

  • Anónimo

    Face à notícia largamente antecipada do fecho do r...

  • Raul Lufinha

    1 - A Michelin é uma empresa privada, faz os guias...

  • Anónimo

    Esperemos então que o guia passe a ser apenas de E...

  • Raul Lufinha



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




subscrever feeds