Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


As portas fechadas da pandemia – BELCANTO

por Raul Lufinha, em 09.04.20

BELCANTO

BELCANTO

BELCANTO

BELCANTO

BELCANTO

 

BELCANTO

Rua Serpa Pinto, 10-A, Chiado, Lisboa, Portugal

Chef José Avillez

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:30

Matando saudades da Cheesecake basca da LUPITA

por Raul Lufinha, em 08.04.20

Pizzaiolo Duda Ferreira

Pizzaiolo Duda Ferreira

A LUPITA – na Rua de São Paulo, entre Santos e o Cais do Sodré, em Lisboa – não tem apenas aquelas inconfundíveis pizzas artesanais, feitas com massa de fermentação natural, que só precisam de ir um minuto ao forno…

Tem também uma maravilhosa Cheesecake basca feita pelo chef!

Sempre fresquíssima!

E extremamente cremosa!

LUPITA

LUPITA

Cheesecake

Ora, a boa notícia é que, apesar destes tempos de pandemia, como a pizzaria continua aberta para levantamentos no restaurante e para entregas em casa…

… Duda Ferreira também continua a fazer a sua Cheesecake!

LUPITA

Só ‘take-away’ ou ‘delivery’

 

LUPITA PIZZARIA

Rua de São Paulo, 79, Lisboa, Portugal

Pizzaiolo Duda Ferreira

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23

Uma Aventura na GLEBA

por Raul Lufinha, em 04.04.20

GLEBA

A fazer pão mesmo durante a pandemia

Desta vez, a saída semanal para as compras de primeira necessidade também incluiu uma passagem pela GLEBA, em Alcântara.

Com efeito, mesmo durante a pandemia, a padaria de Diogo Amorim é mais uma das que continuam heroicamente abertas e a fazer os seus pães artesanais.

GLEBA

A nossa encomenda

Pães artesanais que na GLEBA assentam em três pilares:

– Cereais 100% nacionais, de variedades antigas e sustentáveis, comprados diretamente a pequenos agricultores;

– Moagem em mós de pedra e pela própria padaria, de modo a que a farinha seja usada no pico máximo da sua qualidade, sem recurso a quaisquer corantes e conservantes – muita gente não sabe, mas o pão da GLEBA é produzido cerca de três horas após a moagem do cereal, garantindo maior frescura, aroma e qualidades nutricionais; e

– Fermentação natural: o pão da GLEBA é fermentado lentamente, durante cerca de 24 horas, com massa velha que, para além de leveduras, contém bactérias lácticas, todo um processo que não só o torna mais nutritivo e saboroso, conferindo-lhe uma ligeira acidez, como também ainda facilita imenso a sua digestão, pois os microrganismos degradam as proteínas que compõem o glúten.

GLEBA

Medidas de segurança

De modo que, para garantir que não íamos em vão, encomendámos de véspera os nossos pães.

Porém, quando chegámos à GLEBA, havia uma nova regra, imposta por estes tempos de pandemia: apenas podia entrar uma pessoa de cada vez na padaria.

E a fila – que tinha então aí umas vinte pessoas e estava formada cumprindo a regra do agora necessário distanciamento social – já dava a volta ao quarteirão.

GLEBA

GLEBA

GLEBA

A fila dava a volta ao quarteirão

Contudo, valeu bem a pena esperar três quartos de hora para levantarmos os nossos pães ainda quentinhos!

Além de que, quando se entrava na padaria, não cheirava apenas a farinha e a pão acabado de cozer.

De facto, devido a um dos pães especiais deste sábado ser de chouriço, havia também no ar um maravilhoso perfume... a enchidos e a fumeiro!

GLEBA

Trigo Barbela

GLEBA

Espelta (pão de forma)

GLEBA

GLEBA

Chouriças “Criado em Liberdade” (edição especial de sábado)

GLEBA

Brioche (bun)

 

Ver também:


GLEBA – Moagem e Padaria
Rua Prior do Crato, 16, Alcântara, Lisboa, Portugal
Padeiro Diogo Amorim

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:50

KADEAU pede falência

por Raul Lufinha, em 01.04.20

O KADEAU já não vai reabrir

O KADEAU já não vai reabrir

Infelizmente não é mentira do primeiro de abril.

O jornal dinamarquês Finans anunciou ontem, 31 de março, que o grupo de restauração KADEAU pediu a falência.

Estando incluídos nesse pedido os dois emblemáticos restaurantes KADEAU:

– O KADEAU BORNHOLM, na ilha desse nome, no Mar Báltico, novamente com uma estrela Michelin em 2020: «A remote beachside eatery with a relaxed atmosphere and a superb sea panorama; this is best enjoyed from the terrace, although all tables have a view. Tasting menus showcase the finest island produce and the accomplished, original, highly seasonal cooking offers superbly balanced, contrasting flavours»;

– E o KADEAU COPENHAGEN, na capital dinamarquesa, n.º 105 na lista dos The World's 50 Best Restaurants de 2019 e que em 2020 tinha acabado de renovar as duas estrelas Michelin: «You’ll receive a warm welcome at this delightful restaurant, where the open kitchen adds a sense of occasion to the sophisticated room. The chefs have an innate understanding of how best to match fresh and aged produce, and use their experience in preserving and fermenting to add many elements to each dish».

No passado dia 12 de março, o grupo tinha anunciado o encerramento de todos os seus restaurantes como medida preventiva da propagação do coronavírus.

Porém – sabe-se agora – já não irão reabrir.

Formigas – bem cítricas – a memória mais forte do jantar no KADEAU, em 2018

Formigas – bem cítricas – a memória mais forte do jantar no KADEAU em 2018

 

Fotografias: Marta Felino / Raul Lufinha

 

KADEAU Copenhagen
Wildersgade 10B, Copenhaga, Dinamarca
Chef Nicolai Nørregaard

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:52

50 Best 2020 cancelados

por Raul Lufinha, em 30.03.20

50 Best 2020 cancelados

Não vai haver melhor do mundo em 2020.

A organização dos “The World’s 50 Best Restaurants” acabou de anunciar que cancelou a cerimónia prevista para 2 de junho, em Antuérpia.

E que não será divulgada a lista de 2020.

Caso as circunstâncias o permitam, Antuérpia receberá sim a cerimónia de 2021.

Recorde-se que em 2019 o BELCANTO de José Avillez tinha entrado pela primeira vez para o Top 50, tendo ficado no lugar n.º 42.

Aqui fica a notícia integral, divulgada no site dos 50 Best:

«The World’s 50 Best Restaurants is postponed to 2021 as the brand focusses its attention on supporting global recovery

Today 50 Best announces that it is postponing The World’s 50 Best Restaurants 2020. The event in Antwerp, Flanders will take place in 2021, circumstances permitting

The World’s 50 Best Restaurants 2020 awards, sponsored by S.Pellegrino & Acqua Panna, will not take place on 2nd June in Antwerp, Flanders. Neither will 50 Best release its annual list in ranked format this year.

50 Best has taken the decision to postpone the event programme in Antwerp, Flanders until 2021, if the situation allows. Its destination hosts, Visit Flanders and the City of Antwerp, look forward to welcoming the gastronomic community next summer, when we sincerely hope that restaurants will be well underway in a process of rebuilding and recovery.

William Drew, Director of Content for The World’s 50 Best Restaurants, says: “Given the circumstances globally, in 2020 we will put all our efforts into helping the restaurant sector to fight for its future, as well as assisting in the work that chefs and restaurateurs are themselves doing to help others.”

In place of the global gastronomic gathering, 50 Best will design and develop impactful initiatives that will help the world work together in this time of need. It will also use its network to support and amplify programmes that will bolster businesses, while continuing its editorial campaign to support restaurants, restaurant workers and chefs.

This decision has been made as a result not only of current international travel restrictions and severe health concerns, but also in light of the horrific toll that the pandemic is taking on the restaurant and hospitality sectors worldwide, not to mention the suffering of millions of individuals at the hands of the virus.

“We stand united with the restaurant sector at this unprecedented time,” says Drew. “Today we make a pledge that even though there will be no celebration of The World’s 50 Best Restaurants this year, we will act to support and defend restaurants today and in the future. We ask for the community to join us in the initiatives that will take the place of our planned event programme in Antwerp, Flanders this year.

“Our heartfelt thanks go to the restaurant sector and all those who have stepped up to support the community. From offering meals and delivery services, to those liaising with government officials to protect restaurants and their future, we stand with you all.”

50 Best is asking restaurants to complete a short survey to help us stay informed about the local situation in their region. Please do take the time to fill it out and likewise let us know of any initiatives that are available to support restaurant workers at w50best@wrbm.com.»

Fotografia: The World's 50 Best Restaurants

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:54

Então, e o seguro?

por Raul Lufinha, em 30.03.20

Chef Thomas Keller pôs a seguradora em Tribunal

Chef Thomas Keller pôs a seguradora em Tribunal

Então, e se a “solução” estiver… no seguro?

Nos Estados Unidos, já há notícia de vários restaurantes terem acionado judicialmente as suas companhias de seguros, por estas se terem recusado a compensá-los pelas perdas sofridas com o encerramento dos seus espaços.

Incluindo os de Thomas Keller, chef dos tri-estrelados THE FRENCH LAUNDRY e PER SE.

Com efeito, apesar de a maioria dos seguros excluir expressamente os casos de vírus e pandemias, Thomas Keller alega que pagou uma apólice mais cara, sem essas exceções.

Sendo a questão muito técnica – o ponto estará em os restaurantes conseguirem demonstrar que neste caso existiu um “damage to property”… 

Fotografia: Thomas Keller

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51

Chef José Andrés na capa da Time

por Raul Lufinha, em 28.03.20

Chef José Andrés na capa da Time

Chef José Andrés: “Food can be an agent of change”

Quem disse que o tempo dos ‘celebrity chefs’ tinha acabado e que era a hora de os cozinheiros regressarem ao recato das suas cozinhas?

Pois bem, bastou chegar uma pandemia global, que irá mudar para sempre o modo como vivemos e trabalhamos neste início de século XXI, para que a capa da Time fosse… um chefe de cozinha!

Neste caso, José Andrés, o mediático espanhol – já naturalizado americano – chef de um vasto conjunto de restaurantes, incluindo o MINIBAR, com 2 estrelas Michelin em Washington, e o MERCADO LITTLE SPAIN (‘food court’ desenvolvido conjuntamente com os irmãos Albert e Ferran Adrià, que estava a fazer furor nos Hudson Yards, em Nova Iorque, até ter fechado devido ao covid-19).

Prestando a revista homenagem ao seu heroico e inspirador trabalho humanitário à frente da World Central Kitchen, a organização que fundou, inicialmente para cozinhar e fornecer refeições quentes aos desalojados do devastador terramoto de 2010 no Haiti, e que entretanto – acreditando que a comida pode ser um agente de mudança – transformou numa ONG internacional, estando na linha da frente do combate à fome e à pobreza um pouco por todo o mundo, não apenas em cenários de catástrofes e desastres naturais, mas também junto das comunidades locais onde pode fazer a diferença, incluindo agora também o combate aos impactos da pandemia do coronavírus.

Um artigo de fundo que pode ser lido aqui.

Fotografia: Time

Ver também outras capas da Time:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:37

O primeiro rosé do projeto Duorum

por Raul Lufinha, em 27.03.20

Tons de Duorum

Agora há três Tons de Duorum

Nestes tempos de pandemia e recolhimento, foi pelo correio que João Portugal Ramos e José Maria Soares Franco nos fizeram chegar a grande novidade que tinham preparado para este início de primavera.

O primeiro rosé do projeto Duorum!

Um vinho que vem alargar a gama Tons de Duorum.

Fazendo com que agora – com o branco e o com tinto – passem então a ser três os Tons de Duorum.

É um elegante rosé da colheita de 2019.

Foi produzido a partir de Touriga Franca, Touriga Nacional e Tinta Roriz, expressando o terroir do Douro que lhe dá origem.

E apresenta-se com uma cor salmão aberta, aromas de frutos vermelhos e notas vegetais, bom volume de boca e uma acidez equilibrada, prolongando-se num final longo e harmonioso.

Funcionando muito bem como aperitivo, assim como com saladas e com cozinha oriental.

Tons de Duorum

Branco, Tinto e a novidade Rosé

 

Ver também:

25 anos de João Portugal Ramos (2017)


– Visita à Quinta de Castelo Melhor (2015):

 

– Visita à Quinta de Castelo Melhor (2013):

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:11

Vender a… garrafeira

por Raul Lufinha, em 26.03.20

Compagnie des Vins Surnaturels Centre Street

Em Nova Iorque, há restaurantes a vender as suas melhores garrafas

Nestes tempos de pandemia em que os restaurantes não podem receber clientes, há muitos espaços que, em vez de fecharem completamente, optaram por reinventar o seu modelo de negócio.

Nomeadamente vendendo refeições para fora.

E até fazendo entregas ao domicílio.

E há ainda aqueles que se transformaram parcialmente em mercearias, de modo a venderem igualmente os produtos dos seus fornecedores – como sucede em Lisboa com o PIGMEU.

Porém – conforme conta o Eater – em Nova Iorque também há bares e restaurantes que, indo ainda mais longe, passaram a ser uma loja de vinhos e estão antes a vender… a sua garrafeira!

Compagnie des Vins Surnaturels Centre Street

Compagnie des Vins Surnaturels Centre Street

«DRINK IT WHILE WE GOT IT - here is something super special for all you Burgundy lovers out there. We have only one of these available and cannot wait to send it to a very good home. Available on our website now - link in bio! ⁠
⁠1. DOMAINE DE LA ROMANÉE-CONTI, RICHEBOURG, 1997⁠
2. DOMAINE DE LA ROMANÉE-CONTI, ÉCHÉZEAUX, 1989⁠
3. DOMAINE DE LA ROMANÉE-CONTI, GRANDS ÉCHÉZEAUX, 1988⁠
4. DOMAINE DE LA ROMANÉE-CONTI, ROMANÉE-ST-VIVANT, 1995
@ Compagnie des Vins Surnaturels Centre Street»

 

Fotografias: Compagnie des Vins Surnaturels Centre Street

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:53

A força das empresas espanholas

por Raul Lufinha, em 25.03.20

Julien Royer, chef do ODETTE, em Singapura, “The Best Restaurant in Asia 2019 & 2020”, e os patrocinadores dos “Asia’s 50 Best Restaurants”

Julien Royer, chef do ODETTE, em Singapura, “The Best Restaurant in Asia 2019 & 2020”... e os patrocinadores dos “Asia’s 50 Best Restaurants”

Um pormenor que salta sempre à vista nestes eventos dos 50 Best – seja na lista dos 50 melhores restaurantes do mundo, seja nos rankings regionais da Ásia e da América Latina – é a força das empresas espanholas.

Por exemplo, atualmente cerca de metade dos “partners” dos 50 Best são espanhóis:

• O banco oficial dos 50 Best é espanhol – o BBVA;

• A cerveja oficial dos 50 Best é espanhola – a Estrella Damm;

• O vinho oficial dos 50 Best é espanhol – o Beronia, da Rioja;

• O gin oficial dos 50 Best é espanhol – o Gin Mare;

• O presunto oficial dos 50 Best é espanhol – o Cinco Jotas;

• E até o fornecedor oficial de “ingredientes para chefs” é espanhol – a Sosa.

Porém, é enganador pensar que essa força das empresas espanholas é apenas financeira. Claro que a vertente financeira conta. Mas há uma outra dimensão que também é necessário existir – e que em Espanha existe. A vontade. É necessário haver uma vontade estratégica de investir na gastronomia.

De facto, os restaurantes espanhóis têm a felicidade de no seu país existirem muitas empresas que apostam fortemente na gastronomia.

Que apostam na gastronomia não para “prestar apoio”, não por caridade, não por mecenato, mas simplesmente porque entendem que – para elas próprias e para o seu próprio negócio – essa é a melhor estratégia!

Tal como há mais de cem anos – para felicidade dos restaurantes franceses (e não só) – houve uma empresa de pneus francesa que resolveu apostar na gastronomia para vender os seus produtos. E começou a fazer guias.

Tal como hoje em dia há empresas, portuguesas e não só, que – para felicidade de desportistas e de músicos – têm antes a estratégia de apoiar eventos desportivos (futebol e não só) ou concertos ao vivo.

Daí que, nestes dias difíceis e de completa imprevisibilidade – em que todos os restaurantes espanhóis estão encerrados e não sabem quando poderão reabrir – alguns deles tenham uma força adicional. A força das empresas espanholas. A força das empresas espanholas que neles investiram. A força das empresas espanholas que fizeram deles seus embaixadores. E que – naturalmente pela ligação emocional, mas também, claro, para não perderem o investimento que já efetuaram – têm um interesse direto (e ativo) em que os chefes e restaurantes seus embaixadores resistam. Resistam e recuperem.

Fotografia: Asia’s 50 Best Restaurants

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:52


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Últimos comentários


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D