Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Touriga-Fêmea, raro varietal da Casa Ferreirinha

por Raul Lufinha, em 10.02.21

Casa Ferreirinha Touriga-Fêmea Tinto 2016

Casa Ferreirinha Touriga-Fêmea Tinto 2016

As principais marcas da histórica Casa Ferreirinha, no Douro, têm uma enorme pujança comercial e são sobejamente conhecidas do grande público – abrangendo, aliás, uma vasta gama de vinhos, que começa nos jovens Esteva e Planalto, passa pelos mais complexos Papa Figos, Vinha Grande e Callabriga, e vai até aos extraordinários Quinta da Leda, Antónia Adelaide Ferreira e Reserva Especial, culminando naturalmente no mítico Barca-Velha.

O que já não é tão conhecido – porém – é o lado experimental da Casa Ferreirinha!

E, em especial, a sua aposta em castas raras e menos comuns, em castas tradicionais da região demarcada do Douro que, com o passar dos anos, foram caindo em desuso.

Aposta essa que em 2008 levou inclusivamente a Casa Ferreirinha a também plantar na Quinta do Seixo variedades antigas como Donzelinho, Tinta Francisca ou Touriga Brasileira.

Mas não só!

Com efeito, a Casa Ferreirinha, para além de aproveitar estas castas menos usuais do Douro para afinar os seus lotes, por vezes, também as utiliza… para fazer vinhos varietais!

Pequenas produções, como é óbvio.

E edições limitadas.

Mas, cada vez mais, disponíveis também para o público em geral.

Por exemplo, da colheita de 2015, saiu o Tinta Francisca.

E agora, da vindima de 2016, também com uvas da Quinta do Seixo, chegou ao mercado, em novembro de 2020, o Touriga-Fêmea.

100% Touriga-Fêmea.

Casta que – apesar de não ter vindo do outro lado do Atlântico – é também conhecida no Douro como Touriga Brasileira.

Explicando o contrarrótulo que a «Touriga-Fêmea é uma casta rara resultante do cruzamento entre Touriga Nacional e Malvasia Fina».

Tão rara, na verdade, que, prossegue o texto, «existem menos de 40 hectares desta casta plantados em Portugal».

Para depois concluir que, «respeitando a tradição das especialidades da Casa Ferreirinha, este é um vinho exclusivo, de qualidade excecional».

Com efeito, de acordo com Luís Sottomayor – enólogo responsável pelos vinhos da Sogrape no Douro, à qual a Casa Ferreirinha pertence desde 1987, e que também assina mais esta nova “especialidade” da Casa Ferrerinha – o «Casa Ferreirinha Touriga-Fêmea é um vinho vivo e elegante, que vem revitalizar uma casta tradicional, mas um pouco esquecida para a maioria dos apreciadores de vinhos do Douro».

«Ainda que menos comum – acrescenta – esta casta traz aos vinhos um caráter intenso e elegante, bem patente neste vinho de 2016».

Sendo esta a nota de prova do enólogo, feita ainda em 2019 – o vinho foi engarrafado em junho desse ano:

«Apresenta cor rubi profunda, um aroma intenso e complexo, com notas de frutos secos, como o figo, a amêndoa e a avelã, notas arbustivas, ligeiros frutos de caroço, frutos vermelhos frescos, com presença de madeira discreta e muito bem integrada. Na boca, tem uma acidez muito viva, que lhe confere intensidade, taninos firmes de boa qualidade e notas arbustivas, frutos vermelhos frescos. O final é longo e elegante.»

Touriga Nacional e Malvasia Fina

Touriga Nacional e Malvasia Fina, as duas castas cujo cruzamento originou a Touriga-Fêmea

Provado em casa

Entretanto, já no passado mês de dezembro de 2020, foi então com enorme expectativa que provámos, em casa, a nossa amostra do Touriga-Fêmea de 2016.

Claro que o ideal seria certamente esperar mais uns anos. Com efeito, apesar de a Casa Ferreirinha referir que «o vinho está pronto a consumir», também acrescenta que, «no entanto, irá beneficiar de um estágio em garrafa entre 5 a 8 anos, mantendo-se no seu melhor por vários anos». E o nosso acabou por estar engarrafado apenas um ano e meio. Mas, se não o abríssemos, não o conseguiríamos provar… E a verdade é que o vinho (embora, como é evidente, precise sempre que lhe dêem um pouco de tempo para respirar) efetivamente – tal como dizia a Casa Ferreirinha – mostra-se, desde já, muito pronto!

De qualquer forma, na nossa prova, o mais fascinante, o que mais ressaltou, foi mesmo verificar que este vinho cumpre integralmente o desígnio da Casa Ferreirinha.

Cumpre – desde logo – o objetivo da Casa Ferreirinha de produzir vinhos Douro DOC de grande qualidade. Como é indiscutivelmente o caso deste Touriga-Fêmea. Um grande vinho do Douro, feito exclusivamente a partir de uma casta que, apesar de menos usual, faz parte do património da região, demonstrando a extraordinária riqueza e diversidade dos terroirs da Casa Ferreirinha. Algo que tem ainda mais valor dada a tradição da região – e da Casa Ferreirinha – ser o vinho de lote e não o monocasta.

Mas não só!

Cumpre também o lema da Casa Ferreirinha de ter «em cada vinho uma história»! Efetivamente, com este Touriga-Fêmea, não se verifica apenas o caso de o vinho ter uma história por trás – que tem. Como também têm, aliás, muitos outros vinhos. Porém, o que mais fascina neste Touriga Fêmea é que – para além de ter essa história por trás – ao provarmos o vinho, sentimos mesmo essa sua história!

A prova confirma a história!

A prova torna a história verosímil!

Ou então, dito de outra forma, a história deste vinho é tão marcante que, ao prová-lo, conseguimos comprová-la.

Conseguimos senti-la.

Conseguimos sentir a origem desta variedade de uvas.

E conseguimos perceber a razão de ser do seu nome.

Efetivamente, ao provar este varietal de Touriga-Fêmea conseguimos perceber a história de esta casta ser o resultado do cruzamento entre a tinta Touriga Nacional e a branca Malvasia Fina. É quase um Touriga Nacional, mas, na verdade, não é bem (não é mesmo) um Touriga Nacional. É menos exuberante, tem menos estrutura, tem menos corpo!

E mais!

Ao provar o vinho, também conseguimos perceber a história do nome da casta, a razão pela qual foram dados a esta casta tinta os nomes de Touriga Brasileira e Touriga-Fêmea – de facto, sente-se que estamos perante uma Touriga… mais suave, mais elegante, mais delicada, mais feminina!

Sendo certo que isto, naturalmente, não resulta apenas da casta – é, acima de tudo, mérito do enólogo Luís Sottomayor e da sua abordagem minimalista, a qual permite que o vinho expresse verdadeiramente a variedade de uva que está na sua origem. Um trabalho que começa na vinha e prossegue na adega. E em que todos os pormenores contam – desde a cuidada seleção dos cachos ao ligeiro esmagamento, passando pela suave maceração e pelo longo estágio de 24 meses em madeira, mas recorrendo a barricas usadas de carvalho francês de 225 litros. Tudo, sempre de modo a que este varietal seja uma expressão da casta e, mais ainda, fazendo jus ao lema da Casa Ferreirinha, seja também uma expressão da própria história da casta! Nomeadamente quanto à sua origem e quanto ao seu nome!

Um vinho raro e fascinante, do qual foram produzidas apenas 1324 garrafas, com o PVP recomendado de 62,50 €.

Casa Ferreirinha Touriga-Fêmea Tinto 2016

Casa Ferreirinha Touriga-Fêmea Tinto 2016

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:43

Joachim Koerper na apresentação do Reserva Especial 2009 da Casa Ferreirinha

por Raul Lufinha, em 29.10.17

Joachim Koerper e Fernando da Cunha Guedes, CEO da Sogrape

Joachim Koerper e Fernando Cunha Guedes, CEO da Sogrape

A apresentação do Reserva Especial 2009 da Casa Ferreirinha decorreu no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.

Foi num jantar de excelência, conduzido pelos vinhos e que esteve a cargo de Joachim Koerper, o chef alemão que lidera dois restaurantes distinguidos com uma estrela Michelin, o ELEVEN, na capital portuguesa, e o ELEVEN RIO, no Brasil.

 

PALÁCIO

Palácio Nacional da Ajuda

Palácio Nacional da Ajuda

 

PÃO E MANTEIGA

Duas variedades de pão

Duas variedades de pão: um de trigo, outro de mistura com azeitonas

A manteiga do ELEVEN

A manteiga do ELEVEN

 

ENTRADA

Porto Ferreira Quinta do Porto Tawny 10 Anos

Porto Ferreira Quinta do Porto Tawny 10 Anos

Ferrero Rocher de foie gras

Ferrero Rocher de Foie Gras

 

PRATO DE PEIXE

Casa Ferreirinha Vinha Grande Branco 2016

Casa Ferreirinha Vinha Grande Branco 2016

Atum tonato

Atum Tonato

 

PRATO DE CARNE

Luís Sottomayor

Luís Sottomayor, no topo da mesa

Luís Sottomayor

Enólogo Luís Sottomayor apresentou o vinho da noite, o Reserva Especial 2009

Casa Ferreirinha Reserva Especial 2009

Casa Ferreirinha Reserva Especial 2009

Presa de porco preto alentejano com aipo, cogumelos e batata

Presa de Porco Preto Alentejano com Aipo, Cogumelos e Batata

 

PRÉ-SOBREMESA

Porto Ferreira Branco 10 Anos

Porto Ferreira Branco 10 Anos

Nossa laranjinha

Nossa Laranjinha

 

O CHEF E O CEO

Joachim Koerper

Joachim Koerper

Joachim Koerper partilhou a experiência de cozinhar para vinhos tão gastronómicos

Fernando da Cunha Guedes

Fernando da Cunha Guedes

Fernando Cunha Guedes, CEO da Sogrape, fez os agradecimentos finais

 

SOBREMESA E PETITS FOURS

Porto Ferreira Vintage

Porto Ferreira Vintage… servido sem indicação do ano, para deixar toda a mesa a tentar descobrir – só no final seria desvendada a data da colheita!

Flexi-ganache com marmelo caramelizado e gelado de açafrão

Flexi-Ganache com Marmelo Caramelizado e Gelado de Açafrão

Petits fours

Petits Fours

Porto Ferreira Vintage 1978

Porto Ferreira Vintage 1978

 

O GRANDE DESTAQUE DA NOITE

Casa Ferreirinha Reserva Especial 2009

Casa Ferreirinha Reserva Especial 2009

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

2009 é ano de Reserva Especial

por Raul Lufinha, em 28.10.17

Enólogo Luís Sottomayor e o Reserva Especial 2009

Enólogo Luís Sottomayor e o Reserva Especial 2009

2009 é ano de Reserva Especial.

Um vinho magnífico!

Desde logo, porque a Casa Ferreirinha primeiro engarrafa-o (após menos de dois anos de envelhecimento em madeira) – aliás, em todo este processo, essa decisão de o engarrafar, que só acontece em anos excecionais e de grande potencial, é a mais difícil de tomar.

Porém, tomada que seja essa decisão de o engarrafar, só depois, bastante mais tarde e em função da evolução em garrafa ao longo de mais de meia década, é que a Casa Ferreirinha finalmente decide se o lança como Barca-Velha ou como Reserva Especial.

Ou seja, noutro produtor, este vinho seria o Barca-Velha do ano de 2009, com o perfil dado por esse ano.

Na Casa Ferreirinha, é Reserva Especial!

Casa Ferreirinha Reserva Especial tinto 2009

Casa Ferreirinha Reserva Especial tinto 2009

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:35

Os 10 vinhos portugueses que mais marcaram Jancis Robinson

por Raul Lufinha, em 23.10.17

Jancis Robinson

Jancis Robinson

Para celebrar os 10 anos de colaboração de Jancis Robinson com a Essência do Vinho, a “Revista de Vinhos” desafiou a mais influente jornalista e “Master of Wine” do mundo a vir a Portugal apresentar os 10 vinhos e produtores portugueses que mais a marcaram na última década.

Aqui ficando a lista que Jancis Robinson apresentou ao vivo, numa estimulante conferência que hoje decorreu em Lisboa:

Soalheiro Primeiras Vinhas Alvarinho 2016

Soalheiro Primeiras Vinhas Alvarinho 2016 – Branco, Vinhos Verdes

Quinta dos Roques Encruzado 2007

Quinta dos Roques Encruzado 2007 – Branco, Dão

Luís Pato Vinha Barrosa 2005

Luís Pato Vinha Barrosa 2005 – Tinto, Bairrada

Barca-Velha 1999

Barca-Velha 1999 – Casa Ferreirinha, Tinto, Douro

Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa 2005

Quinta do Crasto Vinha Maria Teresa 2005 – Tinto, Douro

Batuta 2007

Batuta 2007 – Niepoort, Tinto, Douro

Poeira 2011

Poeira 2011 – Jorge Moreira, Tinto, Douro

Bojador Vinho de Talha 2015

Bojador Vinho de Talha 2015 – Espaço Rural, Tinto, Alentejo

Barbeito Ribeiro Real Tinta Negra Lote 1 20 Years

Barbeito Ribeiro Real Tinta Negra Lote 1 20 Years – Vinho Madeira

Graham’s Single Harvest Tawny Port 1972

Graham’s Single Harvest Tawny Port 1972 – Vinho do Porto

10 grandes vinhos portugueses

Os 10 grandes vinhos portugueses... que mais marcaram Jancis Robinson

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:24

Wine & Food celebra os grandes vinhos portugueses

por Raul Lufinha, em 29.04.16

Barca-Velha tinto 1966

Barca-Velha tinto 1966

Organizado pela Cofina, com o apoio do BPI…

… o Wine & Food é um evento de celebração dos vinhos e da gastronomia de Portugal…

… que decorre desde o dia de hoje, 29 de abril, até 1 de maio, no Pátio da Galé, em Lisboa.

No Salão Nobre da Pousada de Lisboa, Fernando Melo conduzindo uma prova comentada de grandes vinhos portugueses

No Salão Nobre da Pousada de Lisboa, Fernando Melo conduzindo uma prova comentada de grandes vinhos portugueses

Cujo jantar de lançamento, na Pousada de Lisboa...

... com uma prova conduzida e comentada por Fernando Melo, crítico de vinhos e comida...

... foi um momento de celebração...

... dos grandes vinhos portugueses!

Dona Paterna branco 1998 / Frei João branco 1974

Dona Paterna branco 1998, um vinho evoluído já provado no Alvarinho Wine Fest

Frei João branco 1974 (€65), já provado nas Caves São João, continua vibrante e com uma acidez muito viva

Quinta do Mouro tinto 1995 / Quinta das Bágeiras Garrafeira tinto 1995

Quinta do Mouro tinto 1995 (€45)

Quinta das Bágeiras Garrafeira tinto 1995, a Baga elegante de Mário Sérgio

Quinta do Ribeirinho Pé Franco tinto 1996 / Barca-Velha tinto 1966 1,5L / Mouchão tinto 1963

Quinta do Ribeirinho Pé Franco tinto 1996, um Baga feito por Luís Pato ao modo pré-filoxera e com aromas a folha de eucalipto, dado a vinha estar dentro de um eucaliptal e ser muito batida pelo vento

Barca-Velha tinto 1966 1,5L (€995), um vinho único e arrebatador, não apenas multi-castas mas também multi-vinhas e multi-terroirs, feito na Quinta da Leda e que, 50 anos depois, continua com uma frescura incrivelmente vibrante

Mouchão tinto 1963 (€195), um ícone do Alentejo e de Portugal

Fonseca Porto Vintage 1994 / D’Oliveira Boal 1908

Fonseca Porto Vintage 1994 (€208), distinguido com 100 pontos (!) na Wine Spectator

D’Oliveira Boal 1908 (€495), um Madeira ainda do tempo da monarquia

 

BPI Wine & Food | Pátio da Galé, Terreiro do Paço, Lisboa, Portugal | 29 abril – 1 maio 2016

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:06

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: feijoada à transmontana

por Raul Lufinha, em 20.03.16

Feijoada à transmontana

O prato, ainda sem molho

Há uma frase de Rui Paula que marca a nossa experiência na CASA DE CHÁ DA BOA NOVA:

“A memória é a minha principal fonte de inspiração.”

Surge-nos assim que chegamos à mesa e abrimos a carta…

… mas, de facto, acompanha-nos ao longo de toda a refeição – a cada novo prato é impossível não relembrar essas palavras iniciais!

E, embora se perceba claramente que as recordações de Rui Paula estão bem presentes em momentos como o snack da feijoada de chocoa enguia ou a caldeirada

… é na extraordinária recriação da feijoada – uma feijoada à transmontana, como as raízes do chef – que atinge todo o seu esplendor a evocação, num registo fine dining, desses sabores de sempre que Rui Paula guarda na lembrança!

Feijoada à transmontana

Feijoada à transmontana

Feijoada à transmontana

O intenso e apurado molho… de feijoada

Juntando Rui Paula todas as carnes…

… e reunindo todos os ingredientes…

… para fazer uma feijoada aparentemente muito sofisticada…

… mas que, na realidade, é um regresso à essência…

… é um voltar aos sabores básicos e intensos das feijoadas à transmontana da infância de Rui Paula!

Feijoada à transmontana

Feijoada à transmontana

Tendo o escanção Carlos Monteiro sugerido por companhia o complexo e elegante Quinta da Leda, um tinto emblemático da Casa Ferreirinha e um dos grandes vinhos do Douro…

… cujo lote final da colheita de 2013 é composto maioritariamente por Touriga Franca (70%), à qual o enólogo Luís Sottomayor acrescenta Touriga Nacional (15%), Tinto Cão (10%) e Tinta Roriz (5%).

Escanção Carlos Monteiro

Escanção Carlos Monteiro

Quinta da Leda tinto 2013

Quinta da Leda tinto 2013

 

(continua)

Ver também:

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA: a alta cozinha de Rui Paula... e o traço genial de Siza Vieira

 

CASA DE CHÁ DA BOA NOVA | Av. da Liberdade, Leça da Palmeira, Matosinhos, Portugal | Chef Rui Paula

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:21

Pic-Nic… no Douro

por Raul Lufinha, em 26.08.15

... e um barco a descer o Douro

Junto ao Rio Douro…

Um rosé, um branco e um tinto... da Casa Ferreirinha

… um rosé, um branco e um tinto da Casa Ferreirinha…

 ... e no fim um Porto Ferreira

… e ainda um Porto Ferreira…

Sogrape

… todos vinhos da responsabilidade…

Luís Sottomayor

… do enólogo Luís Sottomayor!

Antiga Quinta da Granja

Num pic-nic...

Antiga Quinta da Granja

… na antiga Quinta da Granja...

Rio Douro

... junto ao Rio Douro.

Rio Douro

A qual é atualmente parte integrante da Quinta da Leda

Quinta da Leda

… uma das mais emblemáticas quintas da Sogrape no Douro.

Casa Ferreirinha Vinha Grande Rosé 2014 / Casa Ferreirinha Planalto Branco Reserva 2014 / Casa Ferreirinha Papa Figos Tinto 2013 / Porto Ferreira Duque de Bragança 20 Years Old Tawny Porto

Para a história, ficam os quatros vinhos do pic-nic:

Casa Ferreirinha Vinha Grande Rosé 2014

Casa Ferreirinha Planalto Branco Reserva 2014

Casa Ferreirinha Papa Figos Tinto 2013

Porto Ferreira Duque de Bragança 20 Years Old Tawny Porto

 

Ver também:

O Douro Superior é um festival

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:31

Visita à Quinta da Leda

por Raul Lufinha, em 17.08.15

Luís Sottomayor

Conduzida pelo enólogo Luís Sottomayor...

Quinta da Leda

... o responsável pela equipa de enologia das quintas do Douro da Sogrape... 

Quinta da Leda

... a visita à Quinta da Leda...

Quinta da Leda

... começou pela adega...

Quinta da Leda, Vinha da Adega

... construída em 2001.

Quinta da Leda

Sendo possível observar ao longe...

Quinta da Leda

... algumas das vinhas que estão na origem...

Quinta da Leda

... do mítico Barca-Velha. 

Quinta da Leda

Já no interior das instalações...

Luís Sottomayor

... o enólogo Luís Sottomayor...

Quinta da Leda

... apresentou a notável obra de engenharia que a adega é...

Quinta da Leda

... desenvolvida na vertical, de modo a utilizar a força da gravidade para movimentar as massas vínicas.

Quinta da Leda

Prosseguindo com a visita...

Quinta da Leda

... foi possível atravessar a Quinta da Leda – são mais de 76 hectares de vinha.

Quinta da Leda

E depois parar junto ao Douro... 

Quinta da Leda

... para Luís Sottomayor mostrar a modernidade da viticultura da Sogrape...

Quinta da Leda, Vinha do Apeadeiro

... usando como exemplo a Vinha do Apeadeiro.

Quinta da Leda

Localizada no Douro Superior...

Quinta da Leda

... a Quinta da Leda é seguramente...

Quinta da Leda

... uma das mais emblemáticas quintas da Ferreira. E da Sogrape.

 

Ver também:

O Douro Superior é um festival

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:29


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D