Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Rui Roboredo Madeira e o Beyra Biológico branco de 2015

por Raul Lufinha, em 01.06.16

Rui Roboredo Madeira

Rui Roboredo Madeira

Rui Roboredo Madeira acaba de lançar o seu Beyra Biológico branco…

… da colheita de 2015!

Novamente, um vinho fascinante!

E com uma extraordinária relação ‘qualidade-preço’…

… ou ‘satisfação-preço’, como alguns, com mais propriedade, gostam de dizer.

Feito em altitude, na região demarcada da (até há bem pouco tempo praticamente desconhecida) Beira Interior, a partir de uma vinha localizada mais de 700 metros acima do nível do mar, em solos graníticos de baixa produtividade – a qual é ainda acentuada pela produção ser em modo biológico.

Sendo o lote composto apenas por castas autóctones – desta vez, somente Síria e Fonte Cal em partes iguais, embora no passado Rui Roboredo Madeira tenha utilizado igualmente Malvasia Fina e Rabo de Ovelha.

Resultando o Beyra Biológico branco num vinho autêntico…

… que reflete o seu terroir e busca no copo a origem das uvas!

Tendo um aroma intenso – muito fresco e bastante elegante, com marcadas notas cítricas…

… e um bom volume de boca.

Beyra Biológico branco 2015

Beyra Biológico branco 2015

Deste modo, agora que, a partir de vinhas antigas, Rui Roboredo Madeira tem estado a lançar os fantásticos tintos topos de gama “By Rui Roboredo Madeira” do Douro e da Beira Interior – o enólogo e produtor acabou de apresentar amostras de cuba das colheitas de 2013 e 2014, respectivamente…

… e também um branco, 100% Alvarinho…

… eis uma questão que emerge naturalmente:

Será que alguma vez iremos ter um “By Rui Roboredo Madeira” da Beira Interior…

… branco?

By Rui Roboredo Madeira Douro tinto 2013 (amostra de cuba) / By Rui Roboredo Madeira Beira Interior tinto 2014 (amostra de cuba)

By Rui Roboredo Madeira Douro tinto 2013 (amostra de cuba) / By Rui Roboredo Madeira Beira Interior tinto 2014 (amostra de cuba)

 

Ver também:

Beyra, os vinhos de altitude de Rui Roboredo Madeira… no planalto da Beira Interior (2014)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:42

Beyra, os vinhos de altitude de Rui Roboredo Madeira… no planalto da Beira Interior

por Raul Lufinha, em 28.07.14

Rui Roboredo Madeira

É no planalto da Beira Interior, em plena Beira Alta mas já na bacia hidrográfica do rio Douro, que nascem os vinhos de altitude de Rui Roboredo Madeira.

Uma região marcada pela altitude (700 metros), pelo clima agreste (com Invernos rigorosos e temperaturas negativas, a que se seguem Verões quentes e secos) e pelos solos graníticos e xistosos, com filões de quartzo…

… em que, contou Rui Roboredo Madeira, o maior desafio é encontrar as castas que melhor se adaptam a estas condições extremas.

Daí a preferência por si dada às castas autóctones e às vinhas mais antigas, algumas delas centenárias.

… trouxe três brancos minerais e cítricos…

Para mostrar o seu terroir único, Rui Roboredo Madeira apresentou três brancos e um tinto.

Primeiro, o BEYRA Quartz, proveniente de vinhas de Síria e Fonte Cal a uma altitude média de 725 metros, em solos graníticos com filões de quartzo…

… das colheitas de 2011 e de 2012, provando a capacidade de evolução do vinho em garrafa – mineralidade, estrutura e acidez, sem madeira.

E depois o elegante e complexo BEYRA Superior – as melhores uvas de Rui Roboredo Madeira, oriundas de vinhas muito velhas de Síria, Fonte Cal e Rabo de Ovelha, plantadas em solos de xisto e granito, com muitos filões de quartzo, a uma altitude média de 700 metros, com fermentação parcial em barricas novas de carvalho francês e bâtonnage durante 6 meses.

… e um tinto biológico, todos “vinhos de altitude”

Finalmente, um tinto.

Biológico, exclusivamente de Jaen e proveniente de uma vinha muito velha e de baixa produtividade, com solo de granito – a prova de que a BEYRA não são só brancos!

BEYRA Quartz branco 2011

BEYRA Quartz branco 2012

BEYRA Superior branco 2011

BEYRA Jaen Biológico tinto 2012

 

(Parte III – Continua

Ver também:

Vinhos de altitude: só quando o factor altitude faz a diferença

 

Workshop Vinhos de Altitude | Vila Nova de Tazem, Gouveia, Portugal | 18 Julho 2014

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:42


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Últimos comentários

  • Raul Lufinha

    Fico contente que tenha gostado!

  • Anónimo

    Excelente texto !!!Fazer a ponte das “ madalenas “...

  • Raul Lufinha

    Yes!

  • Anónimo

    Tudo queijos portugueses como os chefes que tanto ...

  • Raul Lufinha

    1) Infelizmente, não conheci o da ilha. Mas a part...

  • Anónimo

    Dificil entender como o Kadeau em Copenhaga chegou...

  • Raul Lufinha

    Destes, ainda não.

  • Anónimo

    Já foi a algum destes restaurantesP

  • Raul Lufinha

    Sim, esse restaurante, o GAGGAN, fechou em agosto ...

  • Luis Santos

    Aconteceu alguma coisa ao Gaggan ? Acho um tanto e...



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




subscrever feeds