Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os cinco produtos da cozinha portuguesa... que Constança Cordeiro transformou em cocktail

por Raul Lufinha, em 12.03.18

Constança Cordeiro

Constança Cordeiro

Mais conhecida como Raposa Silvestre, Constança Cordeiro está a preparar a abertura do seu bar A TOCA DA RAPOSA, no Largo do Carmo, em Lisboa – se tudo correr como previsto, será em maio.

Sendo também a autora da carta de cocktails do restaurante PRADO, de António Galapito.

Entretanto, dando seguimento ao que já tinha feito nas comemorações do 3.º aniversário do PIGMEU de Miguel Peres, onde transformou dois pratos asiáticos em cocktails que incluíam carne de porco – a Sopa Pho e a Sopa de Miso e Cogumelos –, agora Constança Cordeiro propôs-se recriar em cocktail cinco produtos da cozinha portuguesa!

O evento decorreu na mesa comunal do PRADO, sob o nome de “Clichés Portugueses”.

E contou ainda com o que era suposto serem uns snacks de António Galapito mas que – conforme contaremos no próximo post – foram muito mais do que isso.

Tendo sido uma experiência de cocktails extremamente estimulante, não apenas em termos da combinação de ingredientes mas também dos jogos de texturas e temperaturas!

 

1 – BACALHAU

O primeiro grande produto da cozinha portuguesa que Constança Cordeiro apresentou foi o bacalhau.

Contudo o seu objetivo não era fazer propriamente um cocktail de peixe.

De modo que, inspirada no Bacalhau com Broa, fez uma infusão de broa de milho em vodka e cozeu ainda grelos em xerez e artemísia.

Ou seja, fez um cocktail frio, à base de vodka e xerez em partes praticamente iguais, para ser bebido numa malga.

E que fazia lembrar sake – talvez pela utilização do cereal, embora aqui fosse milho e não arroz.

À parte, fritou então os sames – a bexiga natatória do bacalhau – até ficarem bem crocantes, sobre os quais serviu uma apurada maionese de alho assado, pó de louro e alho.

Um conjunto muito intenso e complexo!

Excelente!

BACALHAU, broa de milho, artemísia e grelos

BACALHAU, broa de milho, artemísia e grelos

 

2 – AZEITE

O segundo produto trabalhado por Constança Cordeiro foi o azeite.

Tendo a Raposa Silvestre preparado um cocktail bastante suave e elegante!

A base era gin e espumante.

Aos quais juntou sumo de tangerina e sumo de limão.

E muito azeite!

Sendo finalizado no topo com erva-prata!

Um cocktail surpreendente, extremamente guloso!

AZEITE, flor de laranjeira, tangerina e uva

AZEITE, flor de laranjeira, tangerina e uva

 

3 – LARANJA

No terceiro cocktail, o objetivo foi trabalhar a laranja.

Tendo juntado ao seu sumo um pouco de limão, para lhe acentuar o sabor cítrico.

Já a base alcoolica era bourbon e brandy.

E a ideia de Constança Cordeiro foi a de envolver o álcool em leite, de modo a dar-lhe uma textura cremosa e aveludada!

No final, ficou ainda na boca o agradável sabor da camomila!

Um conjunto extremamente refrescante!

LARANJA, camomila, leite e limão

LARANJA, camomila, leite e limão

 

4 – VINHO TINTO

Chama-se “Vinho Tinto”, chega à mesa numa garrafa de vinho tinto e até é servido em copos de vinho tinto.

Mas tudo não passa de uma provocação – este cocktail não tem uvas!

É feito com amoras e ameixas fermentadas!

Às quais Constança Cordeiro junta whisky com uma infusão de casca de eucalipto e um pouco de sumo de beterraba.

Apresentando as notas doces da fruta, mas com uma acidez incrível, que vem das amoras e das ameixas fermentadas!

Grande momento!

VINHO TINTO, amora, ameixa, beterraba e eucalipto

VINHO TINTO, amora, ameixa, beterraba e eucalipto

VINHO TINTO, amora, ameixa, beterraba e eucalipto

 

5 – OVO

Por fim, o ovo!

Com efeito, à semelhança dos chefes que não prescindem de um momento dedicado ao ovo nos seus menus de degustação, também Constança Cordeiro fez questão de trabalhar este produto tão nobre e delicado.

Para tal, a Raposa Silvestre fez uns ovos moles, aos quais juntou um xarope de amêndoa com leite de cabra, poejos e brandy.

O resultado foi um cocktail intenso, muito aveludado, com sabor forte a poejos!

E que, devido à presença da amêndoa, também fazia lembrar a Amarguinha, mas num registo muito mais complexo!

Foi um final em grande estilo!

OVO, poejos e amêndoa

OVO, poejos e amêndoa

OVO, poejos e amêndoa

 

Ver também:

 

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

 

PRADO

Travessa das Pedras Negras, 2, Lisboa, Portugal

Chef António Galapito

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:11



Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Últimos comentários

  • Anónimo

    Groups are poorly treated - choose another place -...

  • Raul Lufinha

    Infelizmente não...

  • Anónimo

    Tem a receita?

  • Filomena Cary

    Um aspecto formidável, vou aconselhar aos meus ami...

  • Raul Lufinha

    Sim, foi pena já não ter dado tempo para visitar o...

  • Patrícia Santos

    Foi uma manhã apressada que espera pela próxima vi...

  • Raul Lufinha

    Não. Não sei se se está referir ao branco ou ao ti...

  • Anónimo

    O 74 estava oxidado? Parece ter uma cor diferente ...

  • Marta Felino

    Foi um grande jantar, Chef Diogo Noronha!E foi mui...

  • mami

    boas ofertas para experimentar este verão :)



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D