Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nova Sagres 0.0 Preta, uma cerveja preta zero álcool

por Raul Lufinha, em 31.03.21

Sagres 0.0 Preta

Sagres 0.0 Preta

A nova tendência das cervejas “zero álcool” continua a ser uma forte aposta da Sagres.

Cervejas mesmo com 0,0% de álcool.

E não apenas com um valor marginal de álcool, como sucede com as cervejas ditas “sem álcool”, mas que legalmente podem ir até aos 0,5% de álcool.

Com efeito, depois da Sagres 0.0, chega agora a nova Sagres 0.0 Preta.

«A primeira cerveja preta em Portugal com 0,0% de teor alcoólico».

Uma cerveja preta que se bebe bastante bem.

E em que sobressaem as agradáveis notas de café típicas das cervejas pretas com álcool.

Sendo decisiva, porém, a temperatura de serviço.

Com efeito, é essencial que seja bebida muito fresca, entre os 3 a 5 ºC.

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28

Blog Mesa do Chef no júri do concurso de vinhos “Escolha da Imprensa 2020” da revista Grandes Escolhas

por Raul Lufinha, em 26.03.21

Concurso “Escolha da Imprensa”

Concurso “Escolha da Imprensa 2020”

O concurso de vinhos “Escolha da Imprensa” tem feito parte do conjunto de atividades da feira Vinhos & Sabores promovida anualmente pela revista Grandes Escolhas.

Ora, apesar da não realização da feira em 2020 devido à pandemia, o concurso manteve-se.

E acabou por se autonomizar.

Tendo decorrido entre os dias 23 e 25 de março de 2021.

Desta vez, já não na FIL, mas nas próprias instalações da revista Grandes Escolhas, no Restelo, em Lisboa.

E também já não numa sessão única – como era habitual – mas com os jurados divididos por três dias, de modo a garantir todas as condições de saúde e segurança.

O que se manteve foi o modelo de prova cega.

O poderem concorrer somente vinhos produzidos em Portugal.

E também a composição mais diversificada e abrangente do júri, integrando provadores que habitualmente escrevem ou comentam vinhos em diversos canais de comunicação que não apenas a revista Grandes Escolhas, nomeadamente, jornalistas, críticos, sommeliers, compradores e bloggers especializados – e do qual também fez parte o blog Mesa do Chef.

Comprovando o enorme interesse gerado pelo concurso “Escolha da Imprensa” junto dos produtores nacionais, para esta edição de 2020 a organização recebeu a inscrição de mais de 620 vinhos.

Divididos por cinco categorias: espumantes, brancos, rosados, tintos e fortificados.

Muitos deles – conforme contou Luís Lopes, diretor da revista, nas boas-vindas aos jurados – vinhos de gama alta que habitualmente não entram em concursos.

Até ao final do mês, a Grandes Escolhas irá anunciar os vencedores.

Concurso “Escolha da Imprensa”

Mais de 620 vinhos portugueses a concurso, em prova cega

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09

Novos brancos Parceiros Na Criação: ESTEIRA, CASA DA ESTEIRA e um DOTE que junta Douro e Tejo

por Raul Lufinha, em 22.03.21

Parceiros Na Criação

Três novos brancos, muito gastronómicos

Este ano, os sempre especiais e muito gastronómicos brancos da Parceiros Na Criação – do casal Joana Pratas e João Nápoles de Carvalho – têm uma grande novidade.

A estreia do DOTE.

Um branco original, que reúne o Douro e o Tejo na mesma garrafa – concretamente, o Douro do João e o Tejo da Joana.

E que se junta, assim, às mais recentes edições do Esteira e do Casa da Esteira Vinhas Velhas.

Parceiros Na Criação

Parceiros Na Criação

Esteira branco 2019

O novo Esteira de 2019 é um fresco, cítrico e salivante branco do Douro, feito em altitude, a mais de 500 metros, com as castas Rabigato, Viosinho, Códega (Síria, Roupeiro) e Gouveio (Verdelho).

«Na cor, é citrino esverdeado. No todo, é um branco explosivo e funky. No nariz sobressai muita frescura, com aromas primários de melão, à entrada, seguidos de lima, limão e flor de laranjeira, mas também notas de líchia. Na boca, tem uma acidez natural bastante marcada e persistente, oriunda das vinhas em altitude, e que faz envolver e salivar nas laterais da boca. Com alguma mineralidade, vai ganhando notas de sabão».

1800 garrafas.

PVP 9 €.

Parceiros Na Criação

Parceiros Na Criação

Casa da Esteira Vinhas Velhas branco 2018

Mais complexo, o novo Casa da Esteira Vinhas Velhas da colheita de 2018 é um branco muito elegante e equilibrado, feito a partir de uma mistura de castas autóctones do Douro plantadas em vinhas velhas (1970 e 1977), que fermentou e estagiou durante onze meses em barricas de carvalho húngaro de 500 litros de primeiro e segundo ano.

«Na cor, é amarelo palha. No nariz, é fresco e sedutor, com aromas de maçã assada caramelizada, louro e notas de resina. Na boca, apresenta marmelo, mas também notas de louro bem integradas. Um branco complexo, com um bom equilíbrio entre acidez e madeira, que lhe conferem volume de boca e persistência. Termina longo, intenso e com elegância.»

900 garrafas.

PVP 17 €.

Parceiros Na Criação

Parceiros Na Criação

Parceiros Na Criação DOTE branco 2018

Já o surpreendente DOTE 2018 – uma estreia absoluta – junta a untuosidade das vinhas velhas do Douro (do João) à garra da casta Fernão Pires do Tejo (da Joana).

«À semelhança do que acontece com o casal Joana Pratas e João Nápoles de Carvalho, “parceiros na criação” na vida e no vinho, este é um néctar que resulta da união de duas regiões vinhateiras, ao casar Vinhas Velhas do Douro (DO) e Fernão Pires do Tejo (TE).

Um casamento que dá origem ao nome ‘DOTE’, que, por coincidência, remete também para a génese desta história vinhateira. Situada em Barcos, no concelho de Tabuaço e região Douro, a Quinta de Monte Travesso foi oferecida à avó paterna do João, como dote de casamento. É ali que a dupla João e Joana vivem e dão vida à PNC, um projeto familiar, que conta com a participação ativa dos seus filhos, a Maria Teresa e o António Maria.

Em 2018, a família PNC idealizou um vinho especial que refletisse, na garrafa, o (seu) casamento entre o Douro do João e o Tejo da Joana, resultando num branco singular: em Portugal é o primeiro e único a juntar vinhos de duas regiões “numa só garrafa”. O ‘Parceiros Na Criação DOTE branco’ é feito com uvas de Vinhas Velhas de uma parcela da ‘Vinha da Casa’, plantada em 1977 na Quinta de Monte Travesso de Cima, e Fernão Pires de uma vinha de um primo de Joana, no Cartaxo. Fermentado e estagiado em barricas de carvalho húngaro, de 500 litros, este branco apresenta uma inusitada e bonita cor amarelo palha, a lembrar vinhos mais velhos, mas, na realidade, a indicar que dará cartas daqui a mais alguns anos: pronto a beber, mas com guarda prometida. Um branco fresco e bastante aromático, mas intenso, com boa acidez e mineralidade. No nariz, revela flor de amendoeira, camomila, calcite e fósforo. O próprio vinho reflete o casamento entre vinhas de diferentes altitudes e castas, com a Fernão Pires a puxar pela madeira, que, embora persistente, está bem integrada. Sobressai a mineralidade, com muita cremosidade e untuosidade. Encorpado, enche a boca e tem um final persistente. Bebe-se muito bem por si só, mas à mesa é bom companheiro de peixes gordos (grelhados ou assados), bacalhau, comida asiática, caça e queijos intensos.

Pela sua singularidade, estre branco inaugura a marca de vinhos com o nome da empresa: ‘Parceiros Na Criação’. De referir que a PNC tem outras referências – de vinhos e azeite – sob as marcas ‘Casa da Esteira’ (nome como é conhecida a cada onde vivem, situada no seio da Quinta de Monte Travesso), ‘Esteira’ e ‘h’OUR’ (colheitas mais antigas)».

1300 garrafas.

PVP 20 €.

Parceiros Na Criação

Apresentação on-line

Da apresentação on-line via Zoom destes três novos brancos dos Parceiros Na Criação – e subsequente prova conjunta – ficaram ainda duas interessantes pistas para o futuro.

1) DOTE... tinto

Uma, é a possibilidade de também vir a surgir um DOTE tinto!

E feito com… Castelão!

Com efeito, se o DOTE branco junta a mais expressiva casta branca do Tejo – Fernão Pires – às uvas brancas de vinhas velhas do Douro… tal também poderá vir a acontecer com uvas tintas! Ou seja, juntando uvas tintas de vinhas velhas do Douro… à mais expressiva casta tinta do Tejo, presente em cerca de 80% dos vinhos da região: Castelão!

2) Trincadeira das… Pratas

Uma outra possibilidade que João Nápoles e Joana Pratas estão a avaliar é o lançamento de um varietal daquela rara casta branca que tem a curiosa coincidência de o nome ser… Trincadeira-das-Pratas!

O tempo dirá acerca destas duas possibilidades!

Parceiros Na Criação

Joana Pratas, fevereiro de 2021

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D



subscrever feeds