Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Atelier Nespresso, viagem pelas cinco regiões da nova gama Master Origin

por Raul Lufinha, em 18.10.18

Atelier Nespresso

Decorreu nas Carpintarias de São Lázaro, em Lisboa, a edição do Atelier Nespresso…

Atelier Nespresso

… dedicada à apresentação dos cinco cafés da nova gama Master Origin: Etiópia, Colômbia, Indonésia, Nicarágua e Índia

Atelier Nespresso

Após um mojito com café…

Atelier Nespresso

… a entrada numa cápsula gigante…

Atelier Nespresso

… para uma viagem multissensorial…

Atelier Nespresso

… por cada uma das cinco regiões produtoras destes novos cafés Master Origin

Atelier Nespresso

Depois, uma explicação sobre as várias formas de colheita das cerejas de café e o seu subsequente processamento até se obter o grão verde sem pergaminho

Atelier Nespresso

Com a particularidade de em cada um destes cincos novos cafés se utilizar um método diferente para retirar o grão do interior da cereja de café

Atelier Nespresso

Obtido o grão verde – que cheira a leguminosas e não “a café” – é necessário torrá-lo, sendo certo que quanto mais elevado for o grau de torrefação, maior o amargor e menor a acidez

Atelier Nespresso

Finalmente, a prova e degustação de três dos cinco cafés da nova gama Nespresso Master Origin: o aromático Indonésia, com notas de tabaco; o encorpado Índia; e o delicioso e aveludado Nicarágua, com uma sedutora acidez

Atelier Nespresso

A seguir, o Chef Kiko preparou e apresentou ao vivo um menu original inspirado nas suas viagens por estes cincos países…

Atelier Nespresso

… e que inclusivamente incluiu café

Atelier Nespresso

Tendo Kiko Martins contado com o apoio de uma equipa dos seus restaurantes, incluindo a do seu sócio – e também chefe – António Barros

Atelier Nespresso

Foi, pois, um Atelier que juntou mestres do café e da cozinha...

Atelier Nespresso

... e que terminou com um copo de café!

 

 (continua)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:08

Alentejo à prova do tempo

por Raul Lufinha, em 17.10.18

Sete vinhos alentejanos que resistiram ao tempo e uma surpresa no final

Sete vinhos alentejanos que resistiram ao tempo... e uma surpresa no final

Depois de uma sessão dedicada a alguns dos icónicos topos de gama do Alentejo, a outra prova comentada do dia dos “Vinhos do Alentejo em Lisboa” dirigido aos profissionais do sector demonstrou a excelente capacidade de envelhecimento dos vinhos alentejanos.

Conduzida igualmente por Manuel Moreira, começou com dois brancos.

Primeiro, o ainda jovem, elegante e complexo Tapada do Chaves Vinhas Velhas 2008, lançado no mercado há apenas quatro meses (!) com o PVP de 75€.

E depois o delicioso Dolium Escolha 2006, 100% Antão Vaz, da Paulo Laureano Vinus, cheio de fruta madura, confitada mesmo – e que já se encontra esgotado no produtor.

Passando para os tintos, começou por ser servido o Cortes de Cima 2008, com frescura e com as notas de café e tabaco da casta syrah muito presentes.

A que se seguiu o ainda jovem Gloria Reynolds Cathedral 2004, essencialmente Alicante Bouschet com um pouco de Trincadeira.

Já do século passado, chegou o Portalegre 1996, um VQPRD DOC produzido pela Adega Cooperativa de Portalegre a partir de Aragonês, Grand Noir, Periquita e Trincadeira, com fruta e frescura.

Igualmente dos anos 90 e ainda com força, o Reguengos (Garrafeira dos Sócios) 1994, da Cooperativa Agrícola de Reguengos de Monsaraz.

Tendo depois a prova culminado com o Adega Cooperativa de Borba Reserva Tinto 1980, um vinho em grande forma, já com alguma compota mas também com muita frescura.

Entretanto, fora do alinhamento inicialmente previsto, Manuel Moreira trouxe ainda uma surpresa: a segunda edição do Monte Velho, de 1992, da Herdade do Esporão, um vinho que não foi pensado para durar tanto tempo… mas que ainda estava vivo!

Sete vinhos, mais um surpresa no final, que demonstraram uma excelente capacidade de envelhecimento.

Comprovando que o Alentejo não é apenas vinho novo. 

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:38

Ícones do Alentejo, grandes vinhos de Portugal

por Raul Lufinha, em 16.10.18

Nove ícones do Alentejo

Nove ícones do Alentejo

O terceiro dia do evento “Vinhos do Alentejo em Lisboa”, que decorreu no Centro Cultural de Belém, foi dedicado exclusivamente aos profissionais.

Mas também teve provas comentadas.

Duas, mais concretamente.

E ambas conduzidas por Manuel Moreira.

A primeira das quais dedicada aos vinhos emblemáticos do Alentejo.

Numa escolha, por parte da organização, que naturalmente é sempre muito subjetiva.

Contudo, o objetivo não era propriamente apresentar “os mais” emblemáticos, mas antes apresentar vinhos que, a par naturalmente de outros que aqui não estão (como sucede desde logo com Herdade do Peso Ícone), sejam – e são – emblemáticos.

E que começou logo com o Pêra-Manca – não o superlativo tinto mas o branco, ainda assim um vinho extraordinário. Aliás, foi o único branco da prova. Arinto e Antão Vaz, de 2016. Grande finesse e equilíbrio.

O primeiro dos tintos foi o Reserva de 2015 da Herdade dos Grous. Perfil moderno, num lote em que, para além de Alicante Bouschet e Touriga Nacional, está também presente a frescura e acidez da Tinta Miúda.

Da Adega Mayor, o poderoso Pai Chão Grande Reserva 2014.

A seguir, o Marias da Malhadinha de 2013, da Herdade da Malhadinha Nova, quarta edição de um vinho com estrutura mas muito elegante, sem estar demasiado marcado pelos 28 meses que estagiou em madeira.

Da Herdade do Rocim, o Crónica #328 José Ribeiro Vieira, de 2015, muito encorpado e pleno de fruta.

Conde d’Ervideira Private Selection 2015. Conforme contou Duarte Leal da Costa, “o rótulo é mentiroso – as castas verdadeiras são Alicante Bouschet e Touriga Nacional”. O topo de gama da Ervideira.

Representando a frescura e complexidade do terroir único do Monte da Ravasqueira, o Ravasqueira Premium 2014.

Estremus 2012, a segunda edição do topo de gama de João Portugal Ramos, feito com Alicante Bouschet e Trincadeira plantadas em solo originário de mármore – o vinho que mais brilhou nesta prova. Estando na forja o 2015.

Por fim, do baluarte da casta Alicante Boushcet, o Mouchão 2008.

Nove notáveis vinhos do Alentejo.

E ainda jovens.

Certamente continuarão a evoluir nos próximos anos.

E nas próximas décadas – aliás, foi precisamente esse o tema da prova seguinte: vinhos alentejanos que conseguem envelhecer com nobreza.

Vinhos do Alentejo em Lisboa

Vinhos do Alentejo à prova em Lisboa

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12

ELEVEN, opção vegetariana também no Business Lunch

por Raul Lufinha, em 14.10.18

No topo do Parque Eduardo VII

No topo do Parque Eduardo VII

Joachim Koerper já tinha vários pratos vegetarianos na carta do ELEVEN.

E inclusivamente um menu de degustação cem por cento vegetariano.

Mas agora, neste outono, o chef alemão resolveu aprofundar ainda mais as alternativas vegetarianas que o ELEVEN proporciona ao almoço.

Pelo que também o Menu Business Lunch semanal, composto por dois ou três pratos e servido de segunda a sábado, passa a ter sempre… opções vegetarianas!

Gaspacho de tomate e morango

Gaspacho de tomate e morango

Gaspacho de tomate e morango [opção vegetariana]

Tomate Kumato e Meloa Cantaloupe

Tomate Kumato e Meloa Cantaloupe [opção vegetariana]

Pato, beterraba e frutos vermelhos

Pato, beterraba e frutos vermelhos

Pato, beterraba e frutos vermelhos

Peixe-galo, ervilha e acelga

Peixe-galo, ervilha e acelga

Peixe-galo, ervilha e acelga

Amêndoa, flor de laranjeira e baunilha

Amêndoa, flor de laranjeira e baunilha

Amêndoa, flor de laranjeira e baunilha

Café

Café

 

ELEVEN

Rua Marquês de Fronteira, Jardim Amália Rodrigues, Lisboa, Portugal

Chef Joachim Koerper

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

Vinhos do Alentejo… em Lisboa

por Raul Lufinha, em 12.10.18

Vinhos do Alentejo

Os vinhos do Alentejo estão de volta a Lisboa.

Este fim de semana, no Centro Cultural de Belém, estarão presentes 75 produtores, com mais de 600 vinhos do Alentejo em prova, para um programa que também inclui provas comentadas, storytelling e harmonizações com os chefes José Júlio Vintém (TOMBA LOBOS) e Pedro Mendes (MARMÒRIS).

Mais pormenores aqui.

Vinhos do Alentejo

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:19

Whisky… japonês

por Raul Lufinha, em 11.10.18

Tiago Barradas, brand ambassador do whisky Nikka, no bar do AFURI

Tiago Barradas, brand ambassador do whisky Nikka, no bar do AFURI

A cada vez maior globalização da cozinha japonesa tem trazido consigo a descoberta – e a generalização – de toda uma série de produtos japoneses de enormíssima qualidade.

Como sucede com o whisky!

Whisky japonês!

Com uma marca a ganhar crescente protagonismo junto do público – a Nikka.

Mas não sendo a única!

De tal forma que agora, por exemplo, a carta do bar do novo AFURI, em Lisboa, tem várias marcas diferentes e cerca de duas dezenas de referências.

E tem também três provas ou degustações pré-definidas, que são um ótimo ponto de partida para quem quer conhecer melhor o tão surpreendente quanto extraordinário whisky japonês: Palácio da Pena (Hibiki Harmony, Akashi Mesei, Nikka Blended), Ponto dos Descobrimentos (Nikka Coffey Grain, Nikka Coffey Malt, Yoichi Single Malt) e Miradouro do Castelo de São Jorge (Chita Single Grain, Yamazaki 12 yrs, Hakushu 12 yrs).

Nikka Coffey Grain

Nikka Coffey Grain – redondo, suave, delicado, aveludado

Nikka From the Barrel – o best-seller da Nikka

Nikka From the Barrel – o best-seller da Nikka

 

AFURI LISBON

Rua Paiva de Andrada, 7-13, Lisboa, Portugal

Executive Chef Bernardo Nabais

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:24

AFURI: yuzu ramen e não só

por Raul Lufinha, em 09.10.18

Bernardo Nabais, Executive Chef do AFURI LISBON

Bernardo Nabais, Executive Chef do AFURI LISBON

O AFURI é uma cadeia de restaurantes de gastronomia japonesa especializados em ramen.

Mas num ramen diferente do habitual.

E com assinatura – é um ramen com assinatura.

Com efeito, inspirado no monte sagrado que lhe dá o nome, o ramen do AFURI é mais leve e mais fresco.

Não apenas devido qualidade dos ingredientes.

Mas também devido à utilização do yuzu.

Dessa forma, este pequeno citrino asiático é usado para aromatizar os caldos e também para aromatizar a própria carne de porco que é grelhada no carvão.

Sendo notável que, com doze espaços no Japão e mais dois nos Estados Unidos da América, o AFURI tenha escolhido a cidade de Lisboa para abrir o seu primeiro restaurante na Europa.

À frente da cozinha está o chef executivo Bernardo Nabais, que tem a missão de nos garantir que encontramos no Chiado… o mesmo que é servido em Tóquio!

 

AKAI KAIGAN / RED COAST (whisky japonês, vermute da casa, ginjinha, laranja)

AKAI KAIGAN / RED COAST – whisky japonês, vermute da casa, ginjinha, laranja | Sugestão da chefe de bar Ana Matias, um cocktail que cruza as influências japonesas do whisky japonês Nikka Blended com os sabores portugueses da ginjinha.

 

AFURI

AFURI | Leveza também à mesa.

 

AGEDASHI TOFU (tofu macio, beringela, pimento shishito, vegan kakedashi, gengibre fresco, pimenta shichimi, cebolo, daikon, kizaminori)

AGEDASHI TOFU – tofu macio, beringela, pimento shishito, vegan kakedashi, gengibre fresco, pimenta shichimi, cebolo, daikon, kizaminori | Tofu caseiro… em busca do sabor umami!

 

FRIED CRISPY GYOZA (feita com porco, cebolinho, alho, gengibre, couve chinesa, cebolo e aioli picante)

FRIED CRISPY GYOZA – feita com porco, cebolinho, alho, gengibre, couve chinesa, cebolo e aioli picante | Viciantes gyozas de porco, bem fritas e crocantes!

 

SPICY POKE TARTARE (honmaguro, abacate, gengibre de sushi, gema de ovo de codorniz, chips crocantes de gyoza, micro verduras, molho poke)

SPICY POKE TARTARE – honmaguro, abacate, gengibre de sushi, gema de ovo de codorniz, chips crocantes de gyoza, micro verduras, molho poke | Um ótimo tártaro de atum e abacate, aromatizado com óleo de sésamo e algum picante, bem como com gengibre de sushi picado, tendo no topo uma gema de ovo de codorniz. É para misturar tudo, primeiro. E para depois comer… com as fabulosas chips crocantes de gyoza!

 

TORI KARAAGE (frango frito marinado em alho, gengibre, soja, salada de ovo com yuzu kosho, pimento shishito, limão)

TORI KARAAGE – frango frito marinado em alho, gengibre, soja, salada de ovo com yuzu kosho, pimento shishito, limão | Um prato obrigatório! Extremamente delicioso! E o molho não é maionese, é uma salada de ovo com yuzu kosho, ou seja, com a raspa do yuzu misturada com pimenta! Inesquecível!

 

AFURI Chardonnay branco 2017

AFURI Chardonnay branco 2017 | Chardonnay da Quinta do Gradil.

 

HOUSEMADE GYOZA (8 bolinhos de massa com carne de porco moída, rama de alho, gengibre, cebolo, repolho de napa, molho de gyoza)

HOUSEMADE GYOZA – 8 bolinhos de massa com carne de porco moída, rama de alho, gengibre, cebolo, repolho de napa, molho de gyoza | Versão muito autêntica das gyozas, que vão ao sauté e depois são cozinhadas ao vapor.

 

YUZU TSUKEMEN (soja tsuyu, carne de porco de chashu, ovo, chicória, citrino de yuzu, rebento de bambu, cebolo, sementes de sésamo, alga de nori)

YUZU TSUKEMEN – soja tsuyu, carne de porco de chashu, ovo, chicória, citrino de yuzu, rebento de bambu, cebolo, sementes de sésamo, alga de nori | Massa intencionalmente fria. A ideia é molhar os cubos de carne no molho e comer.

 

YUZU SHOYU – shoyu tare, caldo de galinha, rebentos de bambu, ovo temperado, carne de porco chashu, chicória, alga nori, yuzu citrus

YUZU SHOYU – shoyu tare, caldo de galinha, rebentos de bambu, ovo temperado, carne de porco chashu, chicória, alga nori, yuzu citrus | Uma versão mais neutra de ramen.

 

YUZU RATAN – molho picante, caldo de galinha, rebentos de bambu, ovo temperado, carne de porco de chashu, alho francês, sésamo, alga nori, sumo de yuzu

YUZU RATAN – molho picante, caldo de galinha, rebentos de bambu, ovo temperado, carne de porco de chashu, alho francês, sésamo, alga nori, sumo de yuzu | O melhor ramen da noite! Um caldo limpo! Quente e picante! E como é um ramen mais picante do que os outros do AFURI, é preparado com mais gordura e com mais yuzu! Tendo imenso sabor! E sendo muito leve! Um ramen fabuloso!

 

TRUFAS DE CHOCOLATE E SÉSAMO

TRUFAS DE CHOCOLATE E SÉSAMO | Muito agradáveis, pouco doces.

 

CAFÉ

CAFÉ | Com o café, uma “água com gás para limpar o palato”.

 

AFURI LISBON

AFURI LISBON | O Japão em Lisboa.

 

AFURI LISBON

Rua Paiva de Andrada, 7-13, Lisboa, Portugal

Executive Chef Bernardo Nabais

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:02

TheFork Fest, descontos de 50%

por Raul Lufinha, em 09.10.18

TheFork Fest

 

Estão de volta os descontos de 50% do TheFork Fest.

Um evento a que aderem mais de cem restaurantes, entre Lisboa, Porto, Algarve e Funchal.

E nos quais estão incluídos espaços com a assinatura de chefes conhecidos, como Justa Nobre (O NOBRE, À JUSTA), Miguel Laffan (ATLÂNTICO), Sergi Arola (AROLA), Eddy Melo (AKLA), Alexis Gregório (ADEGA MACHADO, CAFÉ LUSO), Xavier Charrier (LA PARISIENNE), Gonçalo Costa (TÁGIDE WINE & TAPAS BAR, SARAIVA'S), Giorgio Damasio (POPULI), Igor Martinho (SOBERBA), Moisés Franco (ZAZAH) ou Bruno Rodrigues (OKAH).

Mais informação aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:34

L’ÉCLAIR, também na Rua dos Bacalhoeiros

por Raul Lufinha, em 05.10.18

Matthieu Croiger

Matthieu Croiger

Os melhores éclairs de Lisboa ganharam uma nova loja.

Fica na Rua dos Bacalhoeiros, ao Campo das Cebolas, que está a ser transformada numa via pedonal.

Irá ter esplanada.

E é o terceiro espaço da marca criada pelo empresário Matthieu Croiger e pelo chef pasteleiro João Henriques, depois da loja original na Avenida Duque de Ávila e do balcão no Mercado da Ribeira.

A mais recente loja L’ÉCLAIR

A mais recente loja L’ÉCLAIR

 

Ver também:

  

L’ÉCLAIR

Saldanha / Mercado da Ribeira / Campo das Cebolas, Lisboa, Portugal

Chef Pasteleiro João Henriques

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18

IZAKAYA TOKKURI, uma taberna japonesa no Bairro Alto

por Raul Lufinha, em 04.10.18

Chef Eder Haruno Santos

Chef Eder Haruno Santos

No Bairro Alto, em Lisboa, acabou de abrir o IZAKAYA TOKKURI, taberna japonesa que também funciona como bar de sakes premium.

Tem um balcão de vinte e um lugares, três salas privadas com mesas baixas e almofadas no chão e, ainda, uma pequena esplanada.

Já à frente da cozinha está o chef Eder Haruno Santos, que vai variando a ementa em função dos produtos do dia.

Balcão

Balcão

Salas privadas

Salas privadas

Sake Otora

Otora Karakuchi, um sake frio e leve

Dashi Supu (caldo de peixe) 2,50€

Dashi Supu (caldo de peixe) 2,50€

Kare Age (frango frito) 8€

Kare Age (frango frito) 8€

Ebi Gyoza (gyosa de camarão) 8,50€

Ebi Gyoza (gyosa de camarão) 8,50€

Kimpira (legumes salteados) 5,5€

Kimpira (legumes salteados) 5,50€

Buta Gyoza (gyosa de porco) 6€

Buta Gyoza (gyosa de porco) 6€

Tokkuri, pequenas garrafas de cerâmica nas quais são servidos todos os sakes do izakaya

Tokkuri, pequenas garrafas de cerâmica nas quais são servidos todos os sakes do izakaya

Sake Nabeshima

Nabeshima Ginjo, um sake frutado e com corpo

Harunaki (rolinhos primavera) 3,50€

Harunaki (rolinhos primavera) 3,50€

Gonin Musume

Gonin Musume, o sake mais complexo do pairing, servido à temperatura ambiente 

Tonkatsu kare (caril de porco) 15€

Tonkatsu kare (caril de porco) 15€

Nameraka Choko (mousse de limão com capa de chocolate) 3,50€

Nameraka Choko (mousse de limão com capa de chocolate) 3,50€

O regresso ao Bairro Alto

O regresso ao Bairro Alto

 

IZAKAYA TOKKURI – Japanese Bar & Grill

Travessa dos Fiéis de Deus, 28, Bairro Alto, Lisboa, Portugal

Chef Eder Haruno Santos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:40

Pág. 1/2



Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Últimos comentários

  • Raul Lufinha

    Infelizmente não...

  • Anónimo

    Tem a receita?

  • Filomena Cary

    Um aspecto formidável, vou aconselhar aos meus ami...

  • Raul Lufinha

    Sim, foi pena já não ter dado tempo para visitar o...

  • Patrícia Santos

    Foi uma manhã apressada que espera pela próxima vi...

  • Raul Lufinha

    Não. Não sei se se está referir ao branco ou ao ti...

  • Anónimo

    O 74 estava oxidado? Parece ter uma cor diferente ...

  • Marta Felino

    Foi um grande jantar, Chef Diogo Noronha!E foi mui...

  • mami

    boas ofertas para experimentar este verão :)

  • Raul Lufinha

    Sim, num vinho tão novo, a rolha não era seguramen...



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




subscrever feeds