Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Snacks à lareira

por Raul Lufinha, em 06.03.17

FÄVIKEN

O jantar começa na sala de estar

Aquela sensação de não estarmos num restaurante – mas antes de termos ido visitar Magnus Nilsson à sua casa de montanha – prolonga-se no momento seguinte.

Com efeito, do hall do FÄVIKEN, decorado como se alguém lá morasse, abre-se uma porta para a sala de estar da casa.

E somos encaminhados para um sofá junto da lareira.

É nesse ambiente informal e descontraído que vão sendo depois servidos os snacks, a um ritmo cadenciado mas sem pressas – porque estar na montanha é um exercício de uma enorme paz e tranquilidade.

 

Pickled carrots + Cognacsmedwurst

Pickled carrots + Cognacsmedwurst

Pickled carrots + Cognacsmedwurst | No FÄVIKEN o menu é sempre surpresa. E, para quem lá fica alojado, só no dia seguinte, após o pequeno-almoço, é que é entregue um envelope individual contendo a lista de cada um dos momentos da “Rektún Food”, a cozinha autêntica e de sobrevivência de Magnus Nilson, servida na véspera. Curiosamente do menu impresso não constou o primeiríssimo de todos os momentos, que chegou enquanto ainda aceitávamos a sugestão de iniciar a refeição com Champagne – servido num copo, como mandam as regras. Eram simplesmente umas pequenas cenouras com um pouco de rama, saborosas e em pickle, acompanhadas de umas fatias de “hot-smoked sausage of beef and pork with Cognac” da charcutaria de Magnus Nilsson em Undersåkers, do outro lado da montanha, perto de Åre.

 

Linseed and vinegar crisps, blue shell mussel dip

Linseed and vinegar crisps, blue shell mussel dip

Linseed and vinegar crisps, blue shell mussel dip | Entrada emblemática do FÄVIKEN, cuja receita, aliás, consta do livro do chef sueco com o nome do restaurante. Curiosamente este estaladiço de sementes de linhaça começou por ser a alternativa sem glúten do momento do pão, mas resultou tão bem que Magnus Nilsson resolveu autonomizá-lo. Para além de ser viciantemente crocante, impressiona também pela finura – é que é mesmo translúcido, dizendo o chef sueco que parece daqueles vidros velhos e baços, que já não são transparentes mas ainda deixam passar a luz. Desta vez veio acompanhado do sabor dos mexilhões, embora por vezes Magnus Nillson também o sirva com um dip de ouriço-do-mar.

 

Wholegrain wheat cracker with carrot salad

Wholegrain wheat cracker with carrot salad | Uma saborosa e avinagrada salada de cenoura bite size, em que, num registo mais rústico do que o anterior, sobressai igualmente a textura crocante de uma bolacha salgada de trigo integral.

 

Broth of smoked and dried reindeer, decomposing leaves, very fresh curds and crowberries

Broth of smoked and dried reindeer, decomposing leaves, very fresh curds and crowberries | Primeiro chega um pequeno queijo, numa taça. Sobre o qual é depois servido um caldo morno de carne de rena fumada e seca, que contém ainda folhas já fermentadas e em decomposição, bem como umas bagas negras chamadas crowberries. Para beber – e comer – em três golos e sem usar talheres. Sendo bastante complexo e reconfortante.

 

Wild trout roe served in a crust of dried pig’s blood

Wild trout roe served in a crust of dried pig’s blood

Wild trout roe served in a crust of dried pig’s blood | É a mais emblemática criação de Magnus Nilsson, a par da vieira com zimbro. No topo, são ovas de truta selvagem apanhada nos cursos de água que correm junto ao FÄVIKEN. Mas depois, de forma absolutamente surpreendente, a “caixinha” é feita de sangue cru de porco (!) sendo levada ao forno, de modo a ficar extremamente crocante. A qual esconde ainda no interior, no fundo, um cremoso custard, também de sangue de porco! Tudo para comer à mão e de uma só vez. Sendo o resultado uma brutal explosão de sabores! E de texturas! Só por este momento, já vale a pena a expedição ao FÄVIKEN.

 

Pig’s head dipped in sourdough and deep-fried, gooseberry, tarragon salt

Pig’s head dipped in sourdough and deep-fried, gooseberry, tarragon salt | Aquilo a que poderíamos chamar uma deliciosa espetada de cabeça de porco panada, ainda quente e acabada de fritar. Com a gordura da fritura e da carne a ser cortada pela acidez da groselha grelhada e por um sal de estragão preparado no FÄVIKEN.

 

Bird’s liver custard, malted cabbage, rowan berries and parsley stems

Bird’s liver custard, malted cabbage, rowan berries and parsley stems | Outro grande momento de Magnus Nilsson, extremamente complexo e saboroso. E, desta vez, para comer à colher. Destacando-se, no fundo da pequena taça, um cremoso custard quente de fígado de aves. Bem como os sabores a couve, aipo e salsa. E ainda o alho fermentado, intenso e maravilhoso!

 

Slices of cured pork

Slices of cured pork | Por fim, antes do convite para a passagem à sala de jantar, dá-se o regresso ao início, com as finas fatias de mais um produto da charcutaria Undersåkers Charkuteriefabrik de Magnus Nilsson, “cured one week and aged one year”, extremamente saboroso e com uma incrível untuosidade.

 

Rés-do-chão

Rés-do-chão | O grupo da lareira foi o último a subir à sala de jantar, no primeiro andar. À direita, vê-se também parte da mesa comunal, cuja experiência, porém, não é tão interessante nem tão completa como aquela de quem escolhe fazer a refeição numa das cinco mesas do dining room – com efeito, apesar de o menu ser o mesmo, a refeição comunal é servida integralmente à mesa, não se tendo a experiência nem de ficar relaxadamente na sala de estar, nem de ir depois para o primeiro andar. Ou seja, na mesa comunal vive-se menos o espírito da casa, estando a vivência mais próxima daquilo que é uma refeição num restaurante convencional.

 

FÄVIKEN

O outro lado da sala de estar | Os lugares das pessoas que entretanto já subiram à sala de jantar.

 

FÄVIKEN

A caminho do primeiro andar | Ao fundo, a escada que dá acesso à sala de jantar, no andar de cima da casa.

 

O famoso casaco de Magnus Nilsson

Casaco | E, junto aos primeiros degraus, o famoso casaco de Magnus Nilsson.

 

Ver também:

FÄVIKEN, uma experiência total

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

FÄVIKEN MAGASINET

Fäviken 216, Järpen, Suécia

Chef Magnus Nilsson

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:24

As boas-vindas de Magnus Nilsson

por Raul Lufinha, em 03.03.17

Magnus Nilsson

No hall do FÄVIKEN, o anfitrião Magnus Nilsson

Claro que o FÄVIKEN tem duas estrelas Michelin e até já foi o restaurante n.º 19 do mundo.

Mas, no FÄVIKEN, a sensação que temos não é a de estarmos a jantar fora, nem a de irmos a um restaurante.

É uma experiência muito mais intensa!

É antes a de quem vai visitar Magnus Nilsson à casa do chef sueco nas remotas montanhas nevadas de Jämtland, mais de 600 km a norte de Estocolmo.

Pelo que, quando pouco antes da hora marcada – 19h00 – deixamos o quarto e nos dirigimos para a ala das refeições, somos recebidos pelo próprio Magnus Nilsson, que faz questão de dar pessoalmente as boas-vindas a cada um dos convivas desta noite.

Com efeito, assim que entramos no pequeno hall, uma corpulenta e gentil figura, loira e de olhos azuis, vestida de um branco tão alvo quanto a neve do exterior do FÄVIKEN e com a mesma camisa de manga curta que usavam os cozinheiros que tínhamos visto ao longo da tarde, estica a mão e diz:

– Magnus.

Estás pois finalmente prestes a começar aquilo que nos trouxe de tão longe.

Os três livros de Magnus Nilsson

No centro do hall, uma mesa com os três livros de Magnus Nilsson

 

Ver também:

FÄVIKEN, uma experiência total

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

FÄVIKEN MAGASINET

Fäviken 216, Järpen, Suécia

Chef Magnus Nilsson

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:29

Relaxar antes do jantar

por Raul Lufinha, em 02.03.17

FÄVIKEN

Antes do jantar, um passeio ao ar livre

FÄVIKEN

E a descoberta de que o FÄVIKEN tem uma tenda…

FÄVIKEN

… bem como uma cozinha de preparação na casa lá ao fundo

FÄVIKEN

A aproximação à tenda…

FÄVIKEN

… com cadeiras à volta da fogueira, ainda por acender

FÄVIKEN

Debaixo da varanda e viradas para a neve, mais cadeiras…

FÄVIKEN

… forradas com peles

FÄVIKEN

Entretanto, vindo da cozinha de preparação, passou um cozinheiro a correr…

FÄVIKEN

… em direção à cozinha...

FÄVIKEN

... a qual é virada para a neve e para a entrada do restaurante

FÄVIKEN

No relógio da cozinha são 16h14. Faltam menos de 3 horas para o jantar, que começa às 19h00

FÄVIKEN

Entretanto, o corrupio de cozinheiros, sempre de manga curta apesar da temperatura negativa…

FÄVIKEN

… vai aumentando

FÄVIKEN

E o frio também!

FÄVIKEN

Com o sol quase a pôr-se, o melhor é regressar a casa!

 

Ver também:

FÄVIKEN, uma experiência total

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

FÄVIKEN MAGASINET

Fäviken 216, Järpen, Suécia

Chef Magnus Nilsson

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:25

Um quarto no FÄVIKEN

por Raul Lufinha, em 01.03.17

A vista da janela do quarto, em frente à entrada no FÄVIKEN

A vista da janela do quarto, em frente à entrada no FÄVIKEN

Quarto no FÄVIKEN

Duas camas…

Quarto no FÄVIKEN

… individuais

Quarto no FÄVIKEN

E à entrada, do lado direito…

Quarto no FÄVIKEN

… apenas um lavatório

Quarto no FÄVIKEN

A porta do quarto

Para jantar no FÄVIKEN não é obrigatório ficar alojado no restaurante – aliás, há menos camas do que lugares à mesa.

São apenas cinco quartos duplos.

Contudo – para além naturalmente da questão logística de estarmos no meio de uma montanha inóspita a mais de meia hora da civilização e de ser bastante prático, a seguir ao jantar, apanhar um pouco de ar fresco e subir as escadas até ao quarto – o ficarmos alojados no FÄVIKEN é, acima de tudo, fundamental para melhor captarmos a essência da cozinha de Magnus Nilsson.

Ficarmos na montanha permite-nos viver a montanha.

E a cozinha de Magnus Nilsson é a cozinha da montanha.

Porém, é muito importante ter em conta que o FÄVIKEN não é um hotel, é apenas um “restaurante com alojamento”!

Ou seja, a experiência é gastronómica, não é hoteleira.

O alojamento é apenas para termos uma melhor experiência gastronómica!

Daí que a experiência de ficarmos alojados no FÄVIKEN não seja a de nos instalarmos num hotel, mas antes a de sermos recebidos no quarto de hóspedes de familiares ou amigos.

Aliás, os quartos nem sequer têm casa de banho – para os cincos quartos, todos no primeiro andar, há duas casas de banho nesse piso e mais uma sem duche no rés-do-chão.

Por outro lado, o ficar alojado no FÄVIKEN tem igualmente a vantagem de nos obrigar a chegar mais cedo no primeiro dia e de nos permitir sair mais tarde no dia seguinte, transformando o que seria um mero jantar de algumas horas… numa intensa experiência de dois dias!

A qual inclui ainda um imperdível pequeno-almoço que é um autêntico prolongamento do conceito que Magnus Nilsson serve na véspera ao jantar.

Pelo que, quem vai ao FÄVIKEN e não fica instalado no FÄVIKEN, acaba por não desfrutar da totalidade da experiência que o FÄVIKEN proporciona.

Podendo dizer-se, sem exagero, que jantar no FÄVIKEN mas não ficar instalado no restaurante… verdadeiramente não é ir ao FÄVIKEN!

FÄVIKEN

O corredor dos quartos, no primeiro andar…

FÄVIKEN

… ao fundo do qual há chá e café

FÄVIKEN

Sauna e WC

FÄVIKEN

A sauna seca, com vista para a frente do FÄVIKEN

FÄVIKEN

Na antecâmara da sauna (porta à direita), as boas-vindas do FÄVIKEN

FÄVIKEN

Só o álcool é pago – Champagne, vinho branco, cerveja. Os sumos são oferecidos…

FÄVIKEN

… assim como os snacks

FÄVIKEN

A meio da tarde, pickles de pepino caseiros… e um saboroso chouriço, intenso e levemente picante, feito na charcutaria Undersåkers Charkuteriefabrik, de Magnus Nilsson, com carne de porco e de alce, bem como especiarias

FÄVIKEN

O registo dos consumos e a password do wifi

 

Ver também:

FÄVIKEN, uma experiência total

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

FÄVIKEN MAGASINET

Fäviken 216, Järpen, Suécia

Chef Magnus Nilsson

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:37

Pág. 2/2



Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Agenda

17 a 23/6 Sustainable Food Days - Lisboa
25/6 The World's 50 Best Restaurants 2019
26 a 28/6 MUST - Fermenting Ideas
28/6 Hello Summer Wine Party Lisboa
28 a 30/6 Mesas Bohemia ASSEMBLEIA DE AROUCA em Lisboa
29/6 Hello Summer Wine Party Porto
3 e 4/7 CAISDAVILLA Curso de iniciação à prova de vinhos com João Paulo Martins
6/7 Quinta do Sanguinhal Open Day
14/9 Chefs on Fire
14 e 15/9 Wine & Music Valley
26/9 EGOÍSTA Abade de Priscos, Jantar Rei D. Luís
14/11 EGOÍSTA Infante D. Henrique, Plano Conquista Ceuta
1/12 Once Upon a Kitchen
14/12 FÄVIKEN último serviço


Últimos comentários



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




subscrever feeds