Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



EMO: (IV) “Terras de Vera Cruz”

por Raul Lufinha, em 10.11.12

"Terras de Vera Cruz"

 

Continuando nas mãos do chef do EMO, o prato de peixe do menu de degustação foi “Terras de Vera Cruz”, o primeiro nome dado pelos descobridores portugueses ao Novo Mundo (a par de “Terra da Verdadeira Cruz” e “Terra da Santa Cruz”) após desembarcarem no território que hoje corresponde ao nordeste do actual Brasil.

 

E consistiu num lombo de robalo muito bem corado, acompanhado de um vinagrete de tinta de choco com choco grelhado, de um tártaro de banana muito cremoso e com untuosidade e ainda de vagens de ervilhas bebés, bem como de um cuscuz de maracujá – sem dúvida, o melhor cuscuz que já comi, com a acidez do maracujá a quebrar o seu sabor monocórdico.

 

 

 

Tendo sido harmonizado com o gastronómico Castello D’Alba Reserva Branco 2011, do Douro Superior.

 

Fotografias: Marta Felino / Flash Food

 

(continua)

 

EMO | Hotel Tivoli Victoria, Av. dos Descobrimentos, Vilamoura, Portugal | Chef Brüno Rocha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:18

Chuva de estrelas?

por Raul Lufinha, em 09.11.12

Na Alemanha, o Guia Michelin atribuiu 37 (!) novas estrelas para 2013.

 

Há um novo restaurante com 3 estrelas; 7 restaurantes que recebem pela primeira vez 2 estrelas; e 29 restaurantes que ganham a sua primeira estrela – ver nomes aqui.

 

Será desta que finalmente aquele que continua a ser o mais relevante guia de restaurantes vai fazer justiça à gastronomia portuguesa?

 

Dia 22 de Novembro saberemos...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:05

EMO: (III) “Negrais”

por Raul Lufinha, em 09.11.12

"Negrais"

 

A seguir chegou uma entrada que na verdade eram duas. Isto porque, sob a designação de “Negrais” e com o subtítulo de “pastéis de leitão, essência de tomate, laranja e pistácios”, surgem dois pratos.

 

Um, com duas fabulosas mini-chamuças de leitão de Negrais, com pó de laranja e ervas aromáticas – sabores todos muito intensos e uma fritura perfeita, sequíssima.

 

 

O outro, uma composição visualmente muito apelativa com laranja, toranja, tomate cereja e pistácios (inteiros e também num crumble) sobre um gel de tomate.

 

 

A acompanhar, o vinho sugerido foi um rosé do Algarve, o Barranco Longo 2011 – muito fresco, encorpado e com sabor a frutos encarnados.

 

Fotografias: Marta Felino / Flash Food

 

(continua)

 

EMO | Hotel Tivoli Victoria, Av. dos Descobrimentos, Vilamoura, Portugal | Chef Brüno Rocha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:21

EMO: (II) Amuse-bouche

por Raul Lufinha, em 08.11.12

Amuse-bouche

 

No EMO, os menus de degustação são um segredo bem guardado, pois não constam da carta apresentada aos clientes, que se divide pelas quatro secções habituais, cada uma delas, porém, com a sua própria designação: “A abrir as ‘hostes’…” (entradas); “Oceanus” (peixes); “Terroir” (carnes); e “Para os entusiastas do açúcar seguimos este quarteto: ‘Tradição, ciência, humor e arte’” (sobremesas).

 

Com efeito, só após se perguntar se não haveria no EMO algum menu de degustação é que o chefe de sala confirmou a sua existência e apresentou as duas modalidades existentes – curta e longa – após o que foi chamar o responsável pela cozinha, que nesta noite era o sub-chef Bruno Viegas, para desenhar com os clientes, a partir dos pratos da carta, o concreto menu a ser preparado e servido. O qual, neste caso, a mesa fez questão de deixar inteiramente nas mãos do chef.

 

Tendo a refeição sido depois iniciada com o amuse-bouche.

 

Alinhando na tendência actual de recuperação do valor gastronómico da carne de frango, consistiu num muito saboroso rolo de frango, recheado com espinafres e servido numa sopa fria de manga trabalhada com gengibre, para cortar a doçura da fruta.

 

Fotografia: Marta Felino / Flash Food

 

(continua)

 

EMO | Hotel Tivoli Victoria, Av. dos Descobrimentos, Vilamoura, Portugal | Chef Brüno Rocha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:39

EMO: (I) O espaço

por Raul Lufinha, em 07.11.12

 

 

Fotografias: EMO Gourmet Restaurant

 

Situado no último piso do Hotel Tivoli Victoria, em Vilamoura, com uma magnífica varanda sobranceira ao Campo de Golfe Oceânico Victoria e virada a sul, o gastronómico EMO é o mais ambicioso restaurante do grupo hoteleiro da Família Espírito Santo em Portugal.

 

Inaugurado em 2009 com uma decoração requintada e sofisticada, da dupla inicial de chefs mantém-se Brüno Rocha, que assumiu a liderança da cozinha após a partida de Pedro Peinado Pereira para o estrangeiro e foi ao Vila Vita buscar Bruno Viegas para seu sub-chef.

 

(continua)

 

EMO | Hotel Tivoli Victoria, Av. dos Descobrimentos, Vilamoura, Portugal | Chef Brüno Rocha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:39

Flash Food: há um mês a minha mulher criou um blog

por Raul Lufinha, em 06.11.12

 

 

Foi a 6 de Outubro de 2012.

 

A Marta já tirava a maioria das fotografias deste blog.

 

E há um mês resolveu começar a partilhar autonomamente as memórias fotográficas das suas experiências gastronómicas.

 

Com uma lógica de complementaridade entre os dois blogs.

 

Para quem tiver curiosidade, o Flash Food mora aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:16

A Charlotte de Maçã de Henrique Leis

por Raul Lufinha, em 05.11.12

"Charlotte de Maçã com Hibisco e Gelado de Baunilha"

 

Sendo um chef de cozinha que também pinta, Henrique Leis tem um apurado sentido do belo. O que faz com que muitos dos seus pratos, para além de serem admiráveis criações gastronómicas, sejam igualmente notáveis obras de arte visuais.

 

É o caso da sobremesa “Charlotte de Maçã com Hibisco e Gelado de Baunilha”, um autêntico quadro.

 

Servida quente, a Charlotte, em de vez de ter, como habitualmente, as paredes da caixa feitas com palitos “la reine” ou fatias de bolo, é antes construída com a própria maçã, que por sua vez é cozida em chá de hibisco, o que lhe dá a cor encarnada e um leve sabor a framboesa.

 

E tendo como recheio um cremoso puré de maçã, com passas e amêndoas.

 

Deixando Henrique Leis a massa para a base finíssima em que a Charlotte assenta e para as leves bolinhas de crumble colocadas no topo da caixa, as quais se desfazem na boca.

 

A Charlotte é depois assente num tapete de xadrez verde e encarnado, que é um jogo de sabores ácidos e doces feito – tal como os corações do lado esquerdo da fotografia – com coulis de kiwi e framboesa.

 

Do lado direito, a completar o conjunto, uma bola de gelado de baunilha sobre uma telha crocante e escondida sob uma fina placa de massa com uma framboesa no topo.

 

Uma sobremesa muito leve e saborosa, com uma forte componente estética.

 

 

Fotografia: Marta Felino / Flash Food

 

HENRIQUE LEIS | Vale Formoso, Almancil, Portugal | Chef Henrique Leis

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:16

BUGGY BAR

por Raul Lufinha, em 04.11.12

 

Fotografias: Marta Felino / Flash Food

 

No Campo de Golfe Oceânico Victoria, o melhor amigo dos golfistas tem quatro rodas.

 

BUGGY BAR | Campo de Golfe Oceânico Victoria, Vilamoura, Portugal

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:44

Livros #16: Doçaria de Guimarães

por Raul Lufinha, em 03.11.12

 

A gastronomia e a culinária também fazem parte da História de um povo.

 

“Doçaria de Guimarães: sua história” é uma obra que aborda a arte da doçaria vimaranense desde o século XVI até ao final do século XIX, dando a conhecer a história dos doces da cidade-berço, alguns mais conhecidos do que outros: aletria, arroz doce, biscoitos, broinhas, caramelo, creme, chouriços e morcelas doces, confeitos, conservas ou doces de fruta, doce de chá, grãos doces, leite-crespo, manjar, massapães e massapão rosado, mexidos ou formigos, ovos moles, ovos reais, palmilhas, palitos, pão-de-ló, passas, pastéis, queijadas, queimadas de fio, sopa doce, súplicos, tortas e toucinho-do-céu.

 

Tendo por fonte principal a documentação da doçaria confeccionada nos conventos de Guimarães, em especial no de Santa Clara, bem como o receituário que se perpetuou em casa de duas ilustres famílias vimaranenses, é um livro da autoria de Isabel Maria Fernandes, Nuno Vieira e Brito, Virgínia Ribeiro e Maria da Conceição Costa Mendes, editado em 2012 pela Despertar Memórias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:45

Da mesa do CLARO!, o Bugio e o navio

por Raul Lufinha, em 02.11.12

 

 

 

 

 

Fotografias: Marta Felino / Flash Food

 

CLARO! | Hotel Solar Palmeiras, Avenida Marginal, Curva dos Pinheiros, Paço d’Arcos, Portugal | Chef Vítor Claro 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01



Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Últimos comentários



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




subscrever feeds