Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Parcela 45. O último testemunho de uma vinha perdida para sempre nos incêndios de 2017... é o melhor Alfrocheiro de sempre de Carvalhais

por Raul Lufinha, em 15.11.20

Quinta dos Carvalhais Alfrocheiro Parcela 45 Tinto 2017

Quinta dos Carvalhais Alfrocheiro Parcela 45 Tinto 2017

O novo e irreptível Parcela 45 é, a todos os títulos, um vinho absolutamente extraordinário!

Desde logo, por ser o último testemunho de uma vinha perdida para sempre nos dramáticos incêndios de outubro de 2017, que também atingiram a Quinta dos Carvalhais.

O que lhe confere uma enorme carga emocional! 

E depois também – claro – por ser, em si mesmo, um vinho maravilhoso!

De tal forma, aliás, que inclusivamente a própria enóloga Beatriz Cabral de Almeida o considera “o melhor Alfrocheiro já produzido na Quinta dos Carvalhais, vindimado no momento certo e a tempo de hoje mostrar um equilíbrio de aromas, frescura e estrutura fascinantes!”

De facto, é um vinho que impressiona!

Efetivamente, não tenho memória de um Alfrocheiro tão perfeito como este da Parcela 45, uma parcela no topo da Quinta dos Carvalhais à qual Beatriz Cabral de Almeida também chama “parcela das colmeias”.

O vinho tem uma cor rubi, de intensidade média.

Os aromas são delicados e complexos. Notas florais. Frutos vermelhos, em especial framboesa e romã. E também fruta negra. Bem como notas de cogumelos, de bosque e de terra molhada.

Tudo sempre num registo de enorme elegância!

O qual depois também se confirma na boca.

Com efeito, este é um Alfrocheiro extremamente elegante e harmonioso. Suave. Fresco. Com taninos muito finos. Envolvente. E com um final longo e saboroso.

Elegante e harmonioso como os grandes vinhos do Dão!

Tendo funcionado muito bem à mesa – e também sozinho, de tão perfeito que está.

Sendo essa também uma outra virtude deste Alfrocheiro – apesar de certamente ir continuar a evoluir favoravelmente com o passar do tempo, encontra-se desde já muito pronto, dando, agora mesmo, uma excelente prova!

Edição limitada, são apenas 2034 garrafas, com um PVP recomendado de 54 €.

Quinta dos Carvalhais Alfrocheiro Parcela 45 Tinto 2017

“Um Alfrocheiro inédito e de edição única como nunca antes se havia provado na Quinta dos Carvalhais”... que nos traz também à memória a nossa visita à Quinta dos Carvalhais um mês antes dos incêndios de outubro de 2017

 

Ver também:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00

“Portugal cresce”. Ángel Pardo volta a falar antes das estrelas…

por Raul Lufinha, em 14.10.20

Guia Michelin ao Observador: “Não há dúvida que este ano foi infinitamente complexo para o setor mas mesmo assim há novidades, Portugal cresce”

Guia Michelin aumenta a expectativa

Este ano, Ángel Pardo voltou a falar antes do anúncio das estrelas Michelin, tornando a prometer boas notícias para Portugal.

De tal forma que o jornalista Diogo Lopes, do Observador, escreveu ontem o seguinte:

«“Não há dúvida que este ano foi infinitamente complexo para o setor mas mesmo assim há novidades, Portugal cresce” — sem querer levantar demasiado as expectativas, é desta forma que um responsável ligado ao “guia vermelho” caracteriza aquilo que estará nas cartas para a restauração nacional.»

E será que desta vez... dá para acreditar?

Com efeito, já o ano passado o então responsável pela comunicação da Michelin, em declarações à agência EFE, tinha anunciado crescimentos que depois não aconteceram.

Nomeadamente, o famoso “crescimento em todas as categorias” para 2020, que afinal não se verificou – na categoria das três estrelas, Espanha tinha onze restaurantes e continuou com onze; Portugal tinha zero e com zero continuou.

Entretanto, em abril deste ano, a espanhola Mónica Rius assumiu a Direção de Comunicação e Marcas da Michelin Espanha e Portugal.

Porém, agora é novamente Ángel Pardo – “siempre positivo” – quem volta a falar com a comunicação social... antes do anúncio das estrelas!

Veremos então no dia 30 de novembro se sempre se confirma o referido – e esperado – crescimento para 2021.

Recorde-se que, no guia de 2020, a seleção Michelin para Portugal foi:

– Duas estrelas: 7 restaurantes;

– Uma estrela: 20 restaurantes.

 

Ver também:

 

Post Scriptum (7-11-2020):

No dia 5 de novembro de 2020, a Michelin comunicou o adiamento do anúncio do novo guia, para 14 de dezembro:

«La Gala de la Guía Michelin será digital y tendrá lugar el 14 de diciembre en la Puerta del Sol

La Real Casa de Correos es el lugar elegido por la Guía Michelin para retransmitir en directo, desde el kilómetro cero de España, la revelación de las novedades de la edición 2021 de la Guía Michelin España & Portugal.

El año 2020 será recordado por muchos motivos. La pandemia nos está poniendo a todos a prueba continuamente. Nos obliga a asumir nuevas normas, a pensar más en los demás y a ser socialmente más responsables.

En el contexto actual, Michelin ha tomado la decisión de transformar el formato habitual de la revelación de las novedades de la Guía MICHELIN en un formato 100% digital, con la intención de convertir esta gran fiesta de la gastronomía de España y Portugal en una Gala abierta a todos. Por primera vez, todo el mundo estará invitado a vivir la emoción de la Gala, que se retransmitirá en directo el día 14 de diciembre a las 20:00h desde la Puerta del Sol de Madrid. Un momento para hacer un reconocimiento colectivo a un sector, el gastronómico, y a una ciudad, Madrid, que hoy más que nunca necesitan nuestro apoyo.

Este año, Michelin quiere que la presentación de las novedades se transforme en “Un Viaje hasta las Estrellas”. Un viaje que arrancará el 16 de noviembre con el estreno de una plataforma de contenidos: galaguia.michelin.es (para Portugal: galaguia.michelin.pt).

Durante cinco episodios, de la mano de Cayetana Guillén Cuervo y Miguel Ángel Muñoz, vibraremos con los chefs, descubriremos Madrid como un destino gastronómico de excepción, conoceremos cómo un fabricante de neumáticos se ha convertido en un referente gastronómico mundial y asistiremos a un debate sobre el presente y el futuro de la gastronomía en el que estarán presentes los chefs de los 11 restaurantes con tres Estrellas MICHELIN de la Guía de España y Portugal 2020.

La Gala será el broche de oro con el que completaremos “Un Viaje hasta las Estrellas”. A través de esta misma plataforma, el lunes 14 de diciembre a las 20:00h hora española (19:00h hora de Portugal) en directo desde la Real Casa de Correos, en La Puerta del Sol de Madrid, se desvelarán las novedades de la selección 2021 de la Guía MICHELIN España & Portugal. Bastará una conexión a internet para que cualquier persona, desde un smartphone, una tablet o un ordenador, pueda acompañarnos a vivir una experiencia gastronómica 360º.

Además, durante la emisión de la Gala, los seis chefs más representativos de Madrid –David Muñoz, Ramón Freixa, Diego Guerrero, Paco Roncero, Mario Sandoval y Óscar Velasco– tendrán un protagonismo especial que los espectadores descubrirán en directo.

Inicialmente prevista para el 30 de noviembre, la fecha de la revelación se traslada al 14 de diciembre, para hacerla coincidir con la semana del lanzamiento al mercado de la publicación, que se ha visto retrasado debido al impacto que el confinamiento ha tenido sobre el trabajo de campo de los inspectores. Desde la misma noche del 14 de diciembre, todas las novedades de la edición 2021 de la Guía que se anunciarán en la Gala estarán disponibles a través de la página oficial de La Guía MICHELIN: guide.michelin.com/es (para Portugal: guide.michelin.com/pt)

Para Mónica Rius, Directora de Comunicación y Marcas de Michelin, “José Vallés y su equipo de inspectores han sido capaces de asegurar la selección 2021 en unas circunstancias adversas como las de este año. Ha sido un trabajo de campo sin precedentes, con el único objetivo de no faltar a nuestra cita anual con nuestros lectores y de apoyar un sector estratégico tan castigado por la pandemia”.

Miguel Pereda, Director de Marketing y Ventas de MICHELIN Food & Travel, declara: “Teníamos claro que el formato de un evento tan especial, tan mágico, no podría ser este año como en ediciones precedentes. En Michelin damos prioridad a la seguridad, y más en una ceremonia de esta magnitud. Por eso la decisión final ha sido organizar un evento digital. Sin embargo, la propuesta que se hará realidad en unos días va más allá de un simple streaming y contempla un viaje apasionante por una oferta de contenidos que esperamos sea atractiva para los amantes de la gastronomía y gran parte del público en general”.

Pereda añade: “Me gustaría agradecer, especialmente este año, el apoyo de nuestros partners: Mahou, Makro, Royal Bliss, L’OR Espresso, Jaén Selección AOVE, El Tenedor, Blancpain y Raíz Culinaria. Todos han apostado por un formato innovador uniendo sus marcas a las de La Guía MICHELIN y, sin ellos, la dimensión de este evento sería diferente. También quiero reconocer la labor del Ayuntamiento de Madrid y la Comunidad de Madrid, como instituciones que acogen la Gala de este año y que, aún en una situación tan excepcional como la que atravesamos, siguen apoyando incondicionalmente a la gastronomía como motor de la actividad turística y económica de la Región”.

Así mismo, Marta Rivera de la Cruz, Consejera de Cultura y Turismo de la Comunidad de Madrid, ha recalcado “el agradecimiento a que la Guía MICHELIN haya escogido Madrid para celebrar su gala anual de entrega de Estrellas. La Comunidad de Madrid es sinónimo de exquisitez y cuenta con excelentes y reputados profesionales de la cocina de reconocido prestigio internacional. La suma de talento y productos de las diferentes zonas de la región, sitúan a Madrid en un lugar privilegiado y en un escaparate único para ser anfitrión». También ha querido añadir: «Queremos que esta gala represente también un homenaje a todo el sector hostelero de Madrid y de nuestro país, en un año especialmente difícil para una de las industrias de la que más orgullosos nos sentimos y que es ejemplo de calidad y buen hacer a todos los niveles”.

Por su parte, Almudena Maíllo, Concejal Delegada del Área de Turismo del Ayuntamiento de Madrid, declara: “Queremos que Madrid siga siendo uno de los primeros destinos del mundo por su oferta gastronómica y de restauración. Es estos difíciles momentos, el Ayuntamiento de Madrid está al lado del sector y respalda toda iniciativa que contribuya a su reactivación. Es momento también de reinventarse y de innovar. Por eso, celebramos que Michelin mantenga este evento en Madrid y acogemos con ilusión este nuevo formato, más cercano y accesible para los madrileños y para todos aquellos que se acercarán a él en España y Portugal. Esta edición especial, adaptada a las circunstancias que nos rodean, se convierte en una gran oportunidad para conocer más de cerca a los chefs, debatir sobre el futuro del sector y descubrir la importancia de la ciudad de Madrid como referente gastronómico mundial”.»

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:41

Alemanha inaugura Quinzenas Gastronómicas do ELEVEN

por Raul Lufinha, em 12.10.20

ELEVEN

Chef Joachim Koerper

Este mês de outubro, o Chef Joachim Koerper anda particularmente ativo e dinâmico.

Com efeito, para além da estreia da nova ementa de outono do ELEVEN e, bem assim, da chegada do habitual – e a cada ano sempre novo – Menu da Trufa Branca de Alba (cinco momentos, 249 €, embora também possa ser pedido à carta), Joachim Koerper tem igualmente a novidade das Quinzenas Gastronómicas dedicadas à cozinha dos mais diversos países.

Ora, para começar, a escolha óbvia do Chef alemão foi… a Alemanha!

De modo que, de 12 a 24 de outubro, é possível conhecer ao almoço a reinterpretação que Joachim Koeper faz de alguns dos mais tradicionais pratos da cozinha alemã.

O menu divide-se por entradas, pratos principais e sobremesas.

E é possível escolher dois (28 €) ou três (35 €) momentos.

Sendo fascinante ver como o Chef alemão consegue trazer para o requintado registo da sua elegante e saborosa cozinha pratos tão típicos – e aparentemente tão singelos – como as salsichas grelhadas, as almondegas, o joelho de porco, o rolo de carne ou o bife panado!

Isto, para além da truta salmonada – tradicionalmente, a Alemanha é um país de peixe de rio.

E de, no final, não faltar a clássica Floresta Negra!

Especialmente interessante, para complementar a experiência e torná-la ainda mais germânica, é, ainda, a feliz circunstância de a garrafeira do estrelado ELEVEN conter inúmeras referências alemãs, não apenas brancas mas também tintas – incluindo os raros e exclusivos vinhos Joachim Koerper.

Uma nota final para referir que as quinzenas seguintes já estão em preparação.

E serão de cozinhas menos conhecidas do grande público.

Ao que parece, iremos ter surpresas… das Américas!

ELEVEN

Amuse-bouche

“Thüringer Currywurst” mit Bretzel

Salsicha da Turíngia grelhada, ketchup caseiro com caril e “Bretzel”

 

ELEVEN

Entrada

Almôndega com beterraba e alcaparras

 

ELEVEN

Gewürztraminer 2017

 

ELEVEN

Entrada

Eisbeincarpaccio mit Senfvinaigrette

Joelho de porco em carpaccio, com vinagreta de mostarda alemã

 

ELEVEN

Entrada

Frische Eierschwämme mit Bayrischem Knödel

Cogumelos chanterelles frescos com “açorda” da Baviera

 

ELEVEN

Riesling Trocken 2019

 

ELEVEN

Prato principal

Forellenfilet mit Gemüsestreifen an Rieslingsauce

Filete de truta salmonada com legumes e molho de Riesling

 

ELEVEN

Prato principal

Hausgemachte Rinderroulade mit “Schwäbischen Spätzlis”

Rolinho de novilho recheado e braseado, com “Spaetzli”

 

ELEVEN

Pinot Noir 2016

 

ELEVEN

Prato principal

“Holstein” Schnitzel mit Karoffelsalat

Escalope de vitela de leite panado ao modo de “Holstein”, com salada de batata

 

ELEVEN

Sobremesa

Black Forest

Floresta Negra

 

ELEVEN

Licor de Ginja d’Óbidos Vila das Rainhas

 

ELEVEN

No topo do Parque Eduardo VII

 

ELEVEN

Restaurante ELEVEN

 

Ver também:

 

ELEVEN
Rua Marquês de Fronteira, Jardim Amália Rodrigues, Lisboa, Portugal
Chef Joachim Koerper

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:55

Leandro Araújo antecipa no SomSabor… futuro prato do CAFÉZIQUE

por Raul Lufinha, em 01.10.20

Chef Leandro Araújo

Chef Leandro Araújo no Espaço Espelho d'Água

Leandro Araújo, do CAFÉZIQUE, em Loulé, foi o chef convidado para encerrar o mês de setembro do SomSabor, um intimista festival à beira-Tejo que traz a música e a literatura para a mesa do Espaço Espelho d’Água, em Lisboa, com a curadoria gastronómica de Paulo Amado.

E a expectativa era elevada – afinal, estávamos perante o cozinheiro responsável pelo mais interessante dos novos restaurantes que surgiram este ano no Algarve.

Tendo sido bastante inspirador ver que Leandro Araújo arriscou trazer à capital não propriamente aquilo que está a fazer em Loulé… mas antes o que irá fazer!

Com efeito – a seguir a um gaspacho de pepino e kefir, com pickles caseiros também de pepino e com ova de polvo ralada, que serviu como amuse-bouche – o prato principal do jantar foi… cavala alimada!

Mas não a cavala que tem estado a servir em Loulé – e que provámos este verão.

Não!

O chef do CAFÉZIQUE não trouxe aquela saborosa cavala alimada acompanhada de batata nova fumada, cebola assada em pickle e pepino salgado, tendo na base um molho verde de salsa, agrião e rúcula a que Leandro Araújo chamou «clorofila».

Não!

Com efeito, Leandro Araújo deu antes a Lisboa o privilégio de conhecer antecipadamente aquela que será… a nova cavala do CAFÉZIQUE!

E que, se tudo correr bem, até ao final do mês de outubro estará na carta do restaurante.

“Cavala alimada, batata-doce, escabeche e salsa”.

Sendo o escabeche um guloso escabeche… de laranja e cenoura!

Chef Leandro Araújo

Cavala

Porém – mais interessante ainda – a futura cavala do CAFÉZIQUE, na realidade, não será exatamente como a do Espaço Espelho d’Água.

Esta foi apenas uma… antecipação!

O novo prato vai ser… muito mais complexo!

Muito mais intenso!

E ainda com muito mais sabor!

Conforme Leandro Araújo disse, ainda irá ter «um ‘push’ de sabor!»

Acentuando-lhe o contraste entre o doce e o cítrico.

E adicionando-lhe o toque extra das notas fumadas.

Com efeito, a batata-doce – tal como a batata da versão deste verão – ainda irá ser fumada!

E a salsa vai ser «carbonizada» – ou «torrada» – mas sem perder o seu sabor a salsa.

Sendo o prato finalizado… com zest de laranja!

Promete!

A base da futura cavala do CAFÉZIQUE

Uma antecipação da futura cavala do CAFÉZIQUE

 

Ver também:

 

CAFÉZIQUE – Restaurante & Enoteca
Rua das Bicas Velhas, n.º 5, Loulé, Algarve, Portugal
Chef Leandro Araújo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:59

António Nobre também tem menu de degustação no Degust’AR Lisboa

por Raul Lufinha, em 29.09.20

Chef António Nobre

O “Degust’AR Lisboa” é o prolongamento, para a capital, dos restaurantes assinados pelo Chef António Nobre nos hotéis “M’AR de AR”, em Évora – incluindo o “Degust’AR”, Prato Michelin 2020.

De modo que a base do “Degust’AR Lisboa” é naturalmente a cozinha tradicional alentejana, no habitual registo moderno, elegante e requintado de António Nobre.

Porém, o restaurante de Lisboa não replica o de Évora.

Segue uma linha própria.

E – curiosamente – mais alentejana!

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

“Degust’AR Lisboa”

Com efeito, em Évora, dada a profusão de restaurantes típicos, António Nobre gosta de fazer a diferença adicionando discretos elementos de outras proveniências, nomeadamente da cozinha asiática.

Algo que tínhamos testemunhado num excelente jantar em 2016.

Já no “Degust’AR Lisboa”, António Nobre foca-se agora em seguir ainda mais de perto a matriz alentejana.

Aqui a ideia – reafirmando a sua condição de embaixador da cozinha alentejana e dos seus sabores genuínos – é trazer a Lisboa o Alentejo autêntico!

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

“Entre Coentros e Poejos” – Editado pela Caminho das Palavras originalmente em 2010, o livro é “uma viagem pela cozinha de António Nobre” e pelas suas receitas

O que pouca gente sabe é que no “Degust’AR Lisboa” – para além da carta (e do serviço de takeaway, que continua a funcionar, mesmo após a reabertura do restaurante) – António Nobre também tem um menu de degustação.

E de grande nível.

Chama-se – muito apropriadamente – “Uma viagem pelo Alentejo”.

E é também, tal como o seu livro, “uma viagem pela cozinha de António Nobre”.

Assente na cozinha tradicional alentejana e nos sabores de sempre do Alentejo.

Mas também muito elegante.

Leve.

E requintada.

Com a vantagem de, neste formato de menu de degustação, ser o Chef António Nobre a escolher, a cada momento, o melhor da sua cozinha.

E de o servir – magistralmente – na dose certa, permitindo uma experiência muito mais rica e completa!

Sendo este um menu, aliás, que irá mudar em breve, pois está a chegar a caça!

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

“Uma viagem pelo Alentejo” – o atual menu de degustação do Chef António Nobre no “Degust’AR Lisboa”

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Pedro Oliveira, o sempre atento Chefe de Sala e Escanção | Azeite “Amor é Cego”, que António Nobre serve exclusivamente no menu de degustação | Azeitonas de Moura, marinadas em citrinos e orégãos | Pão alentejano de Beja, pão de azeitonas e pão de milho | E duas manteigas: uma de citrinos; e outra, ligeiramente fumada, de peixe do rio, mais um exclusivo do menu de degustação

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Petiscos surpresa extra-menu: torresmo do rissol, bem frito, sequinho e crocante, com geleia de pimento; empada de galinha, quentinha e saborosa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Tal como os antigos, António Nobre tempera sempre as carnes no barro

Degust'AR Lisboa

Presunto ibérico | Tosta | Maionese de Alho

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Tomate | Pepino | Paio alentejano em juliana | Orégãos – O delicioso Gaspacho de António Nobre

Degust'AR Lisboa

Entretanto, o azeite ficava tão bem com o pão alentejano... que pedimos mais um pouco!

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Cação | Coentros | Pão do Alentejo – A excelente Sopa de Cação de António Nobre

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

O Chef António Nobre, sempre bem-disposto!

Degust'AR Lisboa

Bacalhau assado | Batata a murro | Ovo | Azeitonas recheadas com pimentos – A excelente lagarada de bacalhau de António Nobre, com o bacalhau a lascar e com o toque de contemporaneidade das pérolas de azeite

20200919_211423.jpg

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Bochecha de ibérico estufada | Tinto | Tubérculos | Legumes – o momento mais reconfortante do menu

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Vinda de Barrancos, a tradicional “linguiça” de Porco Alentejano, nome dado no Baixo Alentejo ao “chouriço de carne”

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Lombinho de Porco Alentejano marinado, com pimentão da horta | Espargos | Linguiça frita | Laranja | Hortelã-da-ribeira – Num registo minimalista, notável também a leveza das saborosíssimas migas de espargos, ligeiramente avinagradas e com o pingo da linguiça

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Ovos | Amêndoa | Gila | Poejo – Para pré-sobremesa, o leve Toucinho do Céu de António Nobre, com a frescura de um intenso sorbet de poejo

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Degust'AR Lisboa

Trio conventual do Alentejo | Chocolate | Limão – Encharcada, Sopa Dourada e Sericaia com ameixa de Elvas, sorbet de limão e “terra” de chocolate

Degust'AR Lisboa

Pastel de Nata, para o café

Degust'AR Lisboa

Harmonização de vinhos – Terras do Mendo Encruzado branco 2017 / Ameal Loureiro branco 2018 / Comenda Grande branco 2019 / Vidigueira Antão Vaz branco 2018 / Lapa dos Gaivões tinto 2014 / Herdade de São Miguel Alicante Bouschet tinto 2015 / Herdade da Calada Clemente de B. Colheita Tardia branco 2016 / Porto Ferreira Branco

Degust'AR Lisboa

Muitos parabéns Chef António Nobre!

 

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

 

Ver também:

 

Degust’AR Lisboa
Rua Latino Coelho, 63, Lisboa, Portugal
Chef António Nobre

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03

A entusiasmante cozinha de Leandro Araújo no CAFÉZIQUE, grande novidade deste verão no Algarve

por Raul Lufinha, em 25.09.20

Chef Leandro Araújo na açoteia do CAFÉZIQUE

Chef Leandro Araújo na açoteia do CAFÉZIQUE

A entusiasmante cozinha de Leandro Araújo no CAFÉZIQUE, junto ao Castelo de Loulé, foi a nossa grande descoberta deste verão no Algarve!

Uma cozinha criativa. Pensada. Complexa. Com um vasto trabalho de preparação. Deliciosa.

E à qual só falta mesmo o ex-cozinheiro de Leonel Pereira – e um dos seus antigos braços direitos no agora encerrado SÃO GABRIEL – conseguir libertar-se da “armadilha” da “comida para partilhar” e passar a apostar igualmente em empratamentos individuais e num menu de degustação, ainda que opcional, que nos permita poder ficar nas mãos do chef (e consequentemente nas do sommelier).

Tem cozinha para isso!

Cozinha, aliás, à qual depois se junta um serviço de sala de grande nível.

E, ainda, a excelente seleção de vinhos do escanção João Valadas, com referências de todas (!) as sub-regiões portuguesas.

Efetivamente, o CAFÉZIQUE não é apenas um “restaurante”, é também uma “enoteca”!

E até tem uma inspiradora Mesa do Chef junto à garrafeira!

Tendo este novo projeto alcançado desde já, logo no ano da estreia, o notável feito de ter colocado Loulé no mapa da gastronomia portuguesa de referência!

CAFÉZIQUE

Três pisos no centro histórico de Loulé, junto às muralhas do Castelo e à Fonte das Bicas Velhas

CAFÉZIQUE

Jantar ao ar livre, na açoteia intermédia

CAFÉZIQUE

Escanção João Valadas e o elegante espumante Prior Lucas Baga@Bairrada Bruto Rosé 2017

CAFÉZIQUE

O imprescindível pão de trigo de fermentação natural de Leandro Araújo, um chef que “venera o pão” e que há já 10 anos alimenta a sua massa mãe…! Manteiga, fermentada com kefir, e que tem, no topo, leite torrado. E ainda azeite extra virgem da Herdade dos Grous, produzido com azeitonas da variedade Cobrançosa

CAFÉZIQUE

Biqueirões (em vinagre) com toucinho de Bísaro (braseado no momento), acompanhados de bica de azeite e barbela (sem fermento)

CAFÉZIQUE

Tártaro de gamba da costa, cereja do Fundão (aromatizando uma bisque das gambas) e lima-kaffir

CAFÉZIQUE

Sarrajão curado, gaspacho de beterraba (a qual também está presente em pickle e em puré), limão marroquino (cortando a doçura da beterraba) e alga nori tostada

CAFÉZIQUE

Cavala alimada, batata nova fumada, cebola assada em pickle, clorofila (ou seja, um molho verde de salsa, agrião e rúcula) e pepino salgado

CAFÉZIQUE

Cozinha aberta

CAFÉZIQUE

Pastel de massa tenra com polvo (cozido, grelhado e envolvido em leite de coco tailandês). Ao lado, maionese de caril verde, com ovas de polvo, grelhadas e raladas no topo

CAFÉZIQUE

Cogumelos grelhados (de São Brás de Alportel, envelhecidos em casca de carvalho), amendoins (às metades, em creme e num molho) e pó de cacau, um dos pratos especiais deste dia – com efeito, para além da carta fixa, Leandro Araújo faz sempre questão de ir adicionando alguns pratos novos com os ingredientes do momento

CAFÉZIQUE

Outro especial deste dia: couve kohlrabi (grelhada – e também fresca, laminada no topo), sementes de mostarda em pickle e óleo de alho negro

CAFÉZIQUE

Arroz de ferrado (al dente, untuoso e delicioso), cogumelos shitake, torresmos do rissol e lula grelhada

CAFÉZIQUE

Pudim Abade de Priscos de queijo azul (em vez do toucinho) e maçã assada (em diversas texturas) – uma sobremesa tão boa que desde a abertura que não sai da carta!

CAFÉZIQUE

Para os sabores fortes do Abade de Priscos e do queijo azul, João Valadas (que já anda nisto há muitos anos) escolheu um Colheita Tardia não de acidez elevada (como à primeira vista poderia parecer melhor e o próprio já experimentou) mas apenas de acidez média – concretamente, o da Herdade do Grous de 2014, feito com Petit Manseng. E que, de facto, ligou muito bem com a sobremesa, deixando-a brilhar!

CAFÉZIQUE

Torta de amêndoa fumada, mousse de queijo de cabra de Salir e alfazema, granizado de mirtilo, mirtilos frescos

CAFÉZIQUE

A harmonização de sabores fumados é sempre um grande desafio! Pois, para a fresca e poderosa torta de amêndoa fumada do chef Leandro Araújo, o escanção João Valadas surpreendeu com um intenso, complexo e extremamente aromático… Whisky Sour! Preparado com o Laphroaig 10 anos, pleno de notas igualmente fumadas! Uma escolha vencedora!

CAFÉZIQUE

Brownies de alfarroba com chocolate

CAFÉZIQUE

A visita ao topo do restaurante, uma açoteia onde se consegue assistir ao pôr-do-sol e também se pode jantar

CAFÉZIQUE

Kefir

CAFÉZIQUE

Massa mãe com mais de 10 anos

CAFÉZIQUE

Alho negro

CAFÉZIQUE

Limão negro já triturado

CAFÉZIQUE

A Mesa do Chef, na Sala da Garrafeira

CAFÉZIQUE

João Valadas e Leandro Araújo

CAFÉZIQUE

CAFÉZIQUE, o restaurante que colocou Loulé no mapa da gastronomia portuguesa de referência

 

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

 

Ver também:

 

CAFÉZIQUE – Restaurante & Enoteca
Rua das Bicas Velhas, n.º 5, Loulé, Algarve, Portugal
Chef Leandro Araújo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:40

Na esplanada do ANTIQVVM

por Raul Lufinha, em 22.09.20

Chef Vítor Matos

Chef Vítor Matos

A cozinha de Vítor Matos, para além de já merecer o desvio, vale mesmo a viagem!

De modo que, em meados de julho, fomos propositadamente ao Porto para conhecer a nova esplanada do ANTIQVVM e as novidades do chef Vítor Matos pós-desconfinamento.

O restaurante fica no centro do Porto, por trás do Palácio de Cristal.

E a esplanada tem uma deslumbrante vista para a Foz do Douro.

ANTIQVVM

Vista | Ao fundo, a Foz do Douro.

ANTIQVVM

1 estrela Michelin 2020 | Chef Vítor Matos, à porta do ANTIQVVM, restaurante que, após o desconfinamento, reabriu mantendo a linha de excelência anterior à pandemia.

ANTIQVVM

Menu | Uma viagem única pela essência da cozinha de Vítor Matos, construída com pratos novos dos dois menus de degustação do ANTIQVVM e também da carta.

ANTIQVVM

Pães | Duas variedades. Uma fatia de pão branco. E um guloso caracol de massa folhada, com azeitonas pretas.

ANTIQVVM

Couvert | Entretanto, chegaram igualmente as manteigas e o azeite.

ANTIQVVM

Manteigas | A Manteiga Marinhas, finalizada com pimenta cítrica moída na mesa. E uma saborosa manteiga de algas.

ANTIQVVM

Azeite | Da Ervedosa do Douro, o azeite Furada.

ANTIQVVM

ANTIQVVM

INTEMPORAL – Foie gras / Enguia fumada Guipúzcoa / Maçã / Vinagre de Jerez / Sabugueiro | O clássico prato de “Foie Gras & Enguia Fumada” de Vítor Matos, que o chef vai recriando ao longo dos anos, em diversos formatos e com diferentes ingredientes. Desta vez, tem maçã. Surge com uma apresentação muito elegante e requintada, confirmando o gosto de Vítor Matos pelo design e a aposta do chef na beleza e na dimensão estética dos seus empratamentos. E é um cremosíssimo – e extremamente saboroso – parfait de foie gras... para comer à colher! De facto, “intemporal”!

ANTIQVVM

Justino’s Madeira Colheita Verdelho 1997 | Meio seco. Excelente, a ligação do Madeira com a untuosidade do foie gras e com o fumado da enguia.

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

INFLUÊNCIAS – Lavagante Azul / Chilli / Yuzu / Caril de Goa / Ovas de truta / Abacate / Manga | Extraordinária recriação – e atualização – do lavagante azul que Vítor Matos fez em tempos na Casa da Calçada, em Amarante! Sendo absolutamente notável o modo como, apesar de toda esta riqueza e complexidade de sabores e produtos, Vítor Matos consegue não camuflar o lavagante – o sabor predominante é mesmo o do lavagante! Efetivamente, como o chef gosta de dizer, este prato é “sabor, sabor, sabor!”

ANTIQVVM

Muxagat Riesling branco 2016 | Leve, fresco, elegante. E com apenas 10% de álcool. Funcionando muito bem com o suculento lavagante azul, com toda a fruta do prato e, ainda, com as delicadas notas especiadas do caril.

ANTIQVVM

ESSÊNCIA – Sarrajão / Tomate / Morangos / Coentros / Caviar Baeri / Flores / Lima / Cebolinho | A harmoniosa complexidade da junção de um tártaro de sarrajão… com a reconstrução de uma salada de tomate-coração-de-boi do Douro (incluindo, aliás, um saboroso creme de tomate preenchendo as escondidas cavidades da rodela de tomate)! Tudo, num prato de verão, tão fresco e delicioso… que até morangos e caviar tem!

ANTIQVVM

Pormenor Reserva branco 2018 | Para o sarrajão, a sommelier Priscila Haddad propôs um branco fresco com um pouco mais de corpo e de estrutura.

ANTIQVVM

ANTIQVVM

VIAGENS – Imperador e ananás dos Açores / Caril de Goa / Xarém / Sapateira / Ervilhas / Levístico | O mais interessante nestes estimulantes pratos inspirados em viagens não é onde o chef foi, mas onde o chef nos leva! E aqui, com Vítor Matos, partimos do Porto e vamos até aos Açores, com o imperador e o ananás, a Goa, com o caril, e ainda ao Algarve, com um absolutamente extraordinário xarém de sapateira!

ANTIQVVM

Natura by Vítor Matos Grande Reserva branco 2017 | Para o imperador de Vítor Matos, um vinho também do chef! O novo Natura Grande Reserva, da colheita de 2017! Um lote de Viosinho e Malvasia Fina – mais um pouco de Rabigato, para dar corpo e untuosidade. Sendo produzido na Quinta de Ventozelo, no Douro, com enologia de José Manuel Sousa Soares. E que já tínhamos provado no jantar dos chefes Pedro Mendes e Vítor Matos no dia 10 de junho, no Alentejo Marmòris, em Vila Viçosa! Contido, seco, volumoso, muito saboroso, muitíssimo gastronómico!

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

TERRA E MAR – Pregado / Presunto de Bolota Alentejano / Tomate seco / Alcachofras / Molho de peixe assado / Favas | O poderoso prato de peixe… que antecipa a carne!

ANTIQVVM

António Madeira Vinhas Velhas branco 2017 | Para dar luta ao poderoso “Terrra e Mar” de Vítor Matos, o expressivo terroir do Dão, através do vibrante Vinhas Velhas de 2017 de António Madeira!

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

PELO ORIENTE – Borrego / Ras el hanout / Cebola / Beringela / Cenoura / Queijo de cabra / Maçã | Sabores quentes e perfumados! E, ainda, um ótimo queijo de cabra de Melgaço!

ANTIQVVM

Boa-Vista Donzelinho Tinto 2016 | Elegante e fresco varietal de uma antiga e rara casta autóctone do Douro, então ainda um projeto Lima & Smith, assinado pelos enólogos Rui Cunha e Jean-Claude Berrouet.

ANTIQVVM

Boa vista | De facto, no ANTIQVVM a vista é boa.

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

ANTIQVVM

CLAUS PORTO 1887 – Morangos "Mara des Bois" / Hibiscus / Ruibarbo / Lima-kaffir | A absolutamente extraordinária sobremesa de homenagem do chef Vítor Matos a um dos símbolos da Cidade Invicta. E sim, o “sabonete” é mesmo para comer — na versão deste verão, é um parfait de… morangos e hibiscus!!!

ANTIQVVM

Rozès Menina 10 Anos White Port | Quando o óbvio seria prolongar para o copo os frutos encarnados da sobremesa, a surpresa de um delicado, complexo e sedoso Porto Branco, que ligou maravilhosamente com a frescura da mais recente versão da emblemática criação do chef Vítor Matos de homenagem aos sabonetes Claus Porto.

ANTIQVVM

Café | À mesa de Vítor Matos, sempre elegância e requinte.

ANTIQVVM

Caixa de pequenas delícias | Com a chegada do café, abriram-se ainda novas gavetas. Trufas de coco e nogat de pistachio, amêndoa e avelã. Pastel de nata e torta de laranja. Macaron de queijo e marmelada e bombom de caramelo salgado.

ANTIQVVM

ANTIQVVM

Adeus à esplanada do ANTIQVVM | Era tempo de regressar a Lisboa, com a alegria de ter visto que a pandemia não fez esmorecer a confiança do chef Vítor Matos na sua criativa cozinha de sempre, harmoniosamente plena de produtos de topo e de imenso sabor!

 

Ver também:

 

ANTIQVVM
Rua de Entre-Quintas, Porto, Portugal
Chef Vítor Matos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:41

Muito mundo no ATTLA

por Raul Lufinha, em 14.09.20

ATTLA

Chef André Fernandes

 

O ATTLA, do chef André Fernandes, fica em Alcântara, na cidade de Lisboa.

E define-se a si próprio como um restaurante “sem fronteiras”:

«No ATTLA não existem fronteiras.

No prato, os ingredientes resultam de um exercício criativo que reúne técnicas tradicionais e contemporâneas.

Os produtos são de pequenos produtores locais, biológicos e se nos perguntarem o que vamos servir na próxima semana, diremos que será o que a natureza nos permite.

A beleza existe em pormenores imperfeitos e num ambiente descontraído, a nossa equipa serve gastronomia própria da alta cozinha.

O rigor pode encontrar-se com a simplicidade num serviço intimista. Queremos servir quem aprecia experiências gastronómicas num espaço para todos, sem fronteiras.»

E, de facto, o que se sente na criativa e saborosa cozinha de André Fernandes é mesmo isso, é ser uma cozinha com muito mundo!

Tendo sido extremamente gratificante, depois de uma primeira visita no ano passado, regressar agora ao ATTLA em setembro de 2020, com o restaurante cheio (naturalmente respeitando as atuais exigências de lotação reduzida e distanciamento social) e com pratos esgotados.

Já na cozinha, continuam apenas duas pessoas a cozinhar – o chef e o seu braço direito!

 

ATTLA

Cozinha aberta.

 

ATTLA

Ambiente informal e descontraído.

 

ATTLA

Massa de azeite glaciada com ponzu, recheio de santola, ervas. 

 

ATTLA

Vinhos naturais. Pelluda da Pellada branco Dão 2018. Lote de Encruzado, Cerceal-Branco, Malvasia-Fina, Assario, Douradinha, Uva-Cão e Bical.

 

ATTLA

Beringela fumada e frita, natas azedas com ovas de santola, ‘onion bites’, cedrat.

 

ATTLA

Cogumelo pleurotus grelhado e glaciado com sake, kimchi de melão, jus de café.

 

ATTLA

Alho francês grelhado, barigoule de vegetais, gema de ovo curada em molho de soja, sementes de mostarda, caldo de galinha.

 

ATTLA

Serradinha tinto 2012, de António Marques da Cruz. Lote de Baga (50%), Castelão (25%), Touriga Nacional (15%) e Alfrocheiro (10%).

 

ATTLA

“Especial do Dia”. Presa de porco, espinafres chineses, figos desidratados, molho de soja fermentada.

 

ATTLA

Pudim de pimenta de Sichuan, granizado de chá, calda de citrinos.

 

ATTLA

Chef André Fernandes.

 

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

 

ATTLA
Rua Gilberto Rola, 65, Alcântara, Lisboa, Portugal
Chef André Fernandes

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:07

Agosto no Algarve. 12 notas que ficam do verão de 2020

por Raul Lufinha, em 10.09.20

Agosto de 2020 – apesar de tudo, grandes memórias do Algarve

Agosto de 2020 – apesar de tudo, grandes memórias do Algarve

 

1 – Pandemia. A imagem mais marcante destas nossas três semanas de agosto no Algarve. E deste ano, aliás. Por todo o lado, há máscaras, viseiras, álcool e gel desinfetantes, distanciamento social…

 

2 – Restaurantes cheios. Para surpresa de muitos, foi outra constante do nosso Algarve de agosto de 2020. Com lotação reduzida, é certo. Mas cheios. Com listas de espera. Com filas à porta. E com a dor de alma de terem que recusar inúmeros clientes.

 

3 – Equipas desfalcadas. Como os restaurantes, para além de terem sido obrigados a reduzir a capacidade máxima dos estabelecimentos, temiam também uma procura estival bastante mais reduzida e como continuam igualmente com receio de uma segunda vaga e de um novo confinamento, outra nota destes dias de agosto foi termos encontrado as equipas de cozinha e de sala bastante desfalcadas… e cansadas.

 

Rui Silvestre fortíssimo

4 – Rui Silvestre fortíssimo. Reforçando ainda mais a candidatura à merecidíssima segunda estrela Michelin, a inclusão do nome do chef no nome do restaurante foi mesmo a grande novidade deste ano do VISTAS RUI SILVESTRE, no Monte Rei Golf & Country Club, em frente a Vila Nova de Cacela. Com efeito, ao invés do típico ajuste das propostas ao novo cenário da pandemia, Rui Silvestre optou antes por dar continuidade ao elevado nível apresentado no ano anterior, tendo-se focado em aperfeiçoar ainda mais os dois menus que já vinham de trás, em aprimorar detalhes, em evoluir na técnica. O resultado foi uma ainda melhor e mais fascinante experiência gastronómica em torno da excelência. Sempre com os excelentes vinhos do escanção Nuno Pires, cujo requintado serviço – seu e de toda a sua equipa – é irrepreensível. E, este ano, com a vantagem adicional de o jantar ter decorrido numa mesa... colocada na cozinha! Foi indiscutivelmente a nossa melhor e mais marcante experiência gastronómica deste verão!

 

Dois dos melhores pratos de sempre de Louis Anjos

5 – Dois dos melhores pratos de sempre de Louis Anjos. No estrelado BON BON, após o desconfinamento, Louis Anjos – acompanhado do seu subchefe Ricardo Luz, atual Chefe Cozinheiro do Ano – deixou cair o menu que tinha apresentado no início de março, ainda antes da chegada da pandemia, e criou um outro menu totalmente novo, o “Apertelência” (isto é, “ousadia” ou “atrevimento”), disponível em 9, 11 ou 14 momentos. Um menu de sabor “mais algarvio”, que nos trouxe dois pratos absolutamente memoráveis! Aliás, dois pratos que entram diretamente para a nossa lista dos melhores pratos de sempre de Louis Anjos! 1) “Uma Noite de Arraial”, elegante e complexa criação à volta dos sabores tradicionais da sardinha, do tomate e do pimento – a qual incluía nomeadamente um parfait verde de ovas de sardinha, de sardinha assada e de pimentos verdes, e, ainda, um aro encarnado de salada montanheira, bem como, à parte, para além do azeite Monterosa, uma broa de milho recheada com tomatada de sardinha. 2) E o “Memórias de Um Cozido de Monchique”, comprovando a excelência dos pratos de carne de Louis Anjos – simultaneamente poderosíssimos de sabor e extremamente leves – e reafirmando a sua tese de que “o Algarve não é só praia” nem é só mar, pelo que também a Serra do Algarve tem lugar à mesa dos restaurantes Michelin e do fine dining!

 

A sobremesa de mel de Carlos Fernandes

6 – A sobremesa de mel de Carlos Fernandes. Curiosamente, é também da Serra de Monchique que vem o mel da nova – e extraordinária – sobremesa do chef pasteleiro Carlos Fernandes. A qual agora culmina o principal menu (sem carne, tal como em 2016) do chef João Oliveira no VISTA do Hotel Bela Vista, na Praia da Rocha, em Portimão, substituindo a emblemática sobremesa de chocolate do ano passado, que tinha no topo uma telha crocante de cacau em forma de peixe. É complexa. Leve. Pouco doce. E até ao momento – a par da versão deste verão da “Claus Porto 1887” de Vítor Matos no ANTIQVVM (com morangos ‘mara des bois’, hibiscos, ruibarbo e lima-kaffir) e, bem assim, da sobremesa de chocolate que a equipa sénior portuguesa apresentou nas olimpíadas de culinária 2020 – foi a nossa melhor sobremesa deste ano!

 

A confirmação de Rui Sequeira

7 – A confirmação de Rui Sequeira. O segundo verão do ALAMEDA – restaurante inaugurado no centro de Faro em dezembro de 2018 (e que visitámos pela primeira vez há um ano, após termos conhecido o trabalho do chef num prometedor jantar em Lisboa no início de 2018) – trouxe-nos a confirmação da qualidade da cozinha de Rui Sequeira. Agora mais completa. Mais solta do receituário tradicional. Mais focada no produto. E mais complexa. Já não são apenas “os sabores quentes das terras do sul”. Tem também muita frescura, muita acidez, muita leveza. E tem ainda uma enorme maturidade gastronómica. Dois exemplos: 1) No seu novo menu de degustação, o Origami, Rui Sequeira faz questão de ter um momento de queijo, à francesa. Mas é queijo cozinhado! Não é produto, é mesmo cozinha! 2) Apesar do chef do ALAMEDA também aderir à moda de os menus de degustação terem sempre um pastel, um rissol, um croquete ou algo semelhante, Rui Sequeira tem depois também a maturidade de tomar três medidas que atenuam o lado menos estimulante desta onda que alastra pelo fine dining: i) serve-o ‘bitesize’, de modo a ser comido de uma só vez; ii) o que sobressai não é propriamente o croquete, mas sim o que Rui Sequeira lhe coloca no interior (arroz de tomate) e por cima (biqueirão); iii) e, ainda assim, e mais importante, tem a lucidez (e a maturidade, repita-se) de cortar o croquete ao meio – o que é perfeitamente suficiente para dar uma textura crocante ao conjunto – pois, como teve a coragem de dizer, «um croquete inteiro seria muito pão!» Destaque ainda, no ALAMEDA, para as desafiantes escolhas de vinhos do escanção André Ramos, que enriquecem imenso a experiência. Deste modo, não é, pois, de estranhar que esteja para breve o ALAMEDA 2.0!

 

A novidade de Leandro Araújo

8 – A novidade de Leandro Araújo. A cozinha de Leandro Araújo no CAFÉZIQUE, junto ao castelo de Loulé, foi a nossa grande descoberta deste verão no Algarve! Criativa. Pensada. Com um grande trabalho de preparação. Deliciosa. Só falta mesmo Leandro Araújo conseguir libertar-se da “armadilha” da “comida para partilhar” e passar a apostar igualmente i) em empratamentos individuais e  ii) num menu de degustação, ainda que opcional. Tem cozinha para isso! Cozinha, aliás, à qual depois se junta um ótimo serviço de sala e, ainda, a excelente seleção de vinhos do escanção João Valadas, com referências de todas as sub-regiões portuguesas. Com efeito, o CAFÉZIQUE não é apenas um “restaurante”, é também uma “enoteca”! E até tem uma entusiasmante Mesa do Chef junto à garrafeira!

 

KUBIDOCE, muito mais do que folares

9 – KUBIDOCE, muito mais do que folares. Os típicos folares de Olhão deram um enorme protagonismo à KUBIDOCE. Com efeito, o chef Filipe Martins faz dois tão diferentes quanto maravilhosos folares – um tradicional, outro com laranja, figo e amêndoa – que conquistam de imediato quem os prove! Porém, a KUBIDOCE, com lojas em Olhão e Vila Real de Santo António, não é só folares! Como padaria que também é, tem igualmente pães de massa mãe – bastante saborosos e com boa acidez. Também tem pastelaria tradicional – as bolas de Berlim e os pastéis de nata têm imensa saída, bem como os croissants, o francês e o do Porto. Tem também pastelaria fina. Tem doces regionais, incluindo os melhores Dom Rodrigo que já provámos! E tem muito mais! Tendo até… iogurtes e gelados caseiros!

 

10 – Mais bolas. Na praia, o nosso habitual vendedor de bolas de Berlim contou-nos várias vezes que nunca tinha vendido tantas bolas… como este ano!

 

Pão da GLEBA em Vilamoura

11 – Pão da GLEBA em Vilamoura. Este ano, foi possível ter o excelente pão da GLEBA, de Diogo Amorim, à venda na MALOCA DA TUTTAPANNA, do chef Anderson Sousa, em Vilamoura! E com imensa variedade!

 

12 – Noélia. Mais uma vez, a chef Noélia marcou o nosso verão. Este ano, porém, pela ausência. Com efeito, dado a reabertura do seu emblemático restaurante de Cabanas de Tavira ter ocorrido somente no dia 20 de agosto, já não fomos a tempo de fazer um dos nossos programas de verão preferidos. Mas ficámos com mais um motivo para regressar em breve ao Algarve!  

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:20

Estrelas Michelin a 30 de novembro

por Raul Lufinha, em 30.07.20

GUIA MICHELIN 2020

A gala do ano passado

Confirmando a intenção de que a atual pandemia de covid-19 não impeça o lançamento do Guia Michelin Espanha & Portugal 2021, a multinacional francesa anunciou hoje ter agendado a respetiva gala de apresentação para o próximo dia 30 novembro, na cidade de Madrid.

Aqui ficando a informação completa hoje divulgada pela empresa:

«Madrid acogerá la gala de presentación de la Guía Michelin España & Portugal 2021

Madrid es la ciudad elegida para la presentación de la Guía Michelin España & Portugal 2021, que tendrá lugar durante la exclusiva gala que se celebrará el próximo 30 de noviembre

Madrid cuenta con un atractivo turístico y un panorama gastronómico que, por sí solos, justifican su elección, por tercera vez, como ciudad para la celebración de la Gala de presentación de la Guía MICHELIN España & Portugal 2021. La capital de España ya fue el escenario de presentación de la Guía en 2010, con motivo de su centenario; y posteriormente también en 2013.

En este exclusivo evento, que tendrá lugar el próximo 30 de noviembre, se desvelarán todas las novedades de la publicación más esperada del año, con una selección que solo es posible gracias al intenso trabajo realizado por el equipo de inspectores MICHELIN. Una guía cuya primera edición para España y Portugal se lanzó en 1910, justo diez años después de su primera publicación en Francia, y que sigue evolucionando con el transcurso de los años para, junto a la seguridad y prestaciones de los neumáticos MICHELIN, mantenerse como la compañera de viaje indispensable a la hora de ofrecer a los viajeros la experiencia más completa.

Crisol de procedencias y culturas, Madrid es mucho más que sus monumentos o sus magníficos museos. La región madrileña, que recibió en 2019 un total de 7,6 millones de turistas foráneos, bate récords año tras año y se mantiene en lo más alto del ranking en cuanto a crecimiento del turismo internacional en España. Los turistas que visitan la capital disfrutan del rico patrimonio histórico y artístico de una ciudad cosmopolita y vital, moderna y a la vez clásica, que les acoge con los brazos abiertos. Quien no haya tenido la ocasión de admirar sus luminosos cielos azules, pasear por las callejuelas de uno de los cascos antiguos más importantes de Europa, vivir la permanente animación de la Gran Vía y de la noche madrileña, no tendrá una idea real de lo mucho que la ciudad puede ofrecer, aunque hayan oído mil y una veces el famoso dicho “De Madrid al cielo”. Una frase a menudo utilizada para referirse a Madrid como una ciudad encantadora, animada y llena de personalidad.

El panorama gastronómico que ofrece Madrid también atesora una variedad capaz de satisfacer los paladares más exigentes. Conocida tradicionalmente por sus bares de tapas y sus mesones, la ciudad ha visto, sin embargo, cómo la alta gastronomía ha adquirido un desarrollo sorprendente en los últimos tiempos. Deliciosas cocinas internacionales de países exóticos y no tan exóticos, así como cocinas de todas las Comunidades Autónomas de España tienen representación en este rico horizonte gastronómico que se ha convertido en uno de los atractivos más importantes de la capital y un elemento diferenciador a la hora de atraer viajeros. Entre los 106 establecimientos seleccionados por la edición 2020 de la Guía en la Comunidad de Madrid, se incluyen 24 restaurantes con Estrellas MICHELIN y 18 con la distinción Bib Gourmand.

El Alcalde de Madrid, José Luis Martínez-Almeida, destaca la importancia de que este evento se celebre en la capital de España, al tiempo que subraya los valores de la ciudad: “Para Madrid es un honor acoger por tercera vez la Gala de Presentación de la Guía MICHELIN España & Portugal. La elección es consecuencia de la apuesta de la ciudad y su sector hostelero por la cocina de calidad; no en vano uno de los grandes reclamos de Madrid es su gastronomía. Nuestra oferta es heterogénea, de calidad y en constante transformación. Madrid cuenta con más de 3.000 locales donde degustar una interminable variedad culinaria, desde bares castizos y centenarios a locales modernos, desde barras de pinchos a mercados tradicionales, desde espacios alternativos a restaurantes de chefs consagrados. Todos contribuyen a posicionar Madrid como uno de los primeros destinos del mundo en restauración”.

Martínez-Almeida también se refiere a la importancia de apoyar al sector gastronómico para contribuir a una rápida recuperación: “Todos esos negocios están pasando ahora por unos momentos difíciles, por lo que desde el Ayuntamiento debemos apoyar cualquier iniciativa que contribuya a su reactivación y al impulso turístico, cultural y económico de Madrid. La Gala de presentación de la Guía MICHELIN es el evento de la gastronomía nacional por excelencia y su celebración en nuestra ciudad, junto a otras iniciativas con la gastronomía también como protagonista, harán de Madrid la capital mundial de la gastronomía durante el último semestre de 2020 y 2021”.

Por su parte, Isabel Díaz Ayuso, Presidenta de la Comunidad de Madrid, declara: “Celebramos la elección de Madrid como lugar para presentar la Guía MICHELIN España & Portugal 2021, lo que corrobora nuestra referencia internacional en gastronomía y la de nuestros productos autóctonos, junto a los mejores embajadores: nuestros chefs. La Comunidad de Madrid apoya este acontecimiento con el que también potenciar el turismo gastronómico, clave para el de proximidad y el de los cerca de 8 millones de personas que nos visitan cada año”.

La Directora General de Michelin España Portugal, Mª Paz Robina, pone de relieve la dificultad a la que se está enfrentando el sector: “En Michelin somos conscientes de los difíciles momentos a los que se enfrenta el sector turístico y de la restauración en España y Portugal, que está siendo de los más castigados por esta crisis sanitaria y económica. Un sector que no solo es uno de los motores económicos de nuestro país, sino que es sinónimo de riqueza cultural y social, formando parte de nuestra identidad. Nuestro deseo es que la normalidad vuelva del modo más rápido y seguro posible y que los clientes de todo el mundo disfruten de nuevo con el gran talento de nuestros chefs. La alta cocina da prestigio y ayuda a mejorar el modelo turístico”.

Mª Paz Robina también muestra el apoyo de Michelin al sector para superar de la mejor manera posible una crisis social ante la que restauradores y chefs han respondido demostrando su compromiso, esfuerzo y capacidad de innovación: “Mientras tanto, queremos mostrar nuestro apoyo y estar al lado de nuestros restauradores, chefs y hosteleros dándoles, un año más, la visibilidad nacional e internacional que merecen. Es el mejor modo de poner en valor nuestra cultura culinaria y ayudar a la tan necesaria activación del consumo. En una ceremonia innovadora, que se adaptará a la situación del momento priorizando la seguridad de todos, tal y como ha hecho Michelin en todas sus actuaciones desde el principio de la crisis, conseguiremos que, en un año tan atípico, las Estrellas Michelin brillen más que nunca, esta vez en el cielo de Madrid”.

Por su parte, el Director Internacional de las Guías MICHELIN, Gwendal Poullennec, explica así el compromiso de Michelin con el turismo y la gastronomía de calidad como pilar en la estrategia de la compañía a la hora de ofrecer a los usuarios experiencias únicas: “La razón de ser de la Guía MICHELIN es recomendar restaurantes que son el alma de nuestras ciudades y comunidades. En esta difícil situación sin precedentes, nuestra misión es volver a conectar a los comensales con los restaurantes. Nuestras selecciones serán equitativas y consistentes para el 2021. Aprovecharemos nuestros sitios web y servicios digitales. No hay motivo de preocupación, las Estrellas MICHELIN, así como todas nuestras distinciones, significarán lo mismo en 2021, como siempre lo han hecho.”»

Fotografia: Guia Michelin

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:27


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D



subscrever feeds