Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Paulo Laureano e o ‘terroir’ da Vidigueira

por Raul Lufinha, em 04.11.15

Paulo Laureano

Paulo Laureano

No seu percurso de enólogo e produtor, Paulo Laureano encontrou no ‘terroir’ de excelência da Vidigueira as condições ideais para concretizar a tão ambicionada diferenciação dos seus vinhos.

“Conceito sempre difícil de definir – conforme explicou Paulo Laureano em discurso direto – o ‘terroir’ é fundamental para o entendimento da personalidade do vinho.”

“Inclui os diversos elementos físicos que condicionam o habitat da vinha: as plantas, o subsolo, a implantação da vinha, a topografia, as interações entre todos estes fatores e a sua relação com o macroclima que, por seu turno, influencia o mesoclima e, consequentemente, o microclima.”

E inclui também o fator humano.

“Há uma dimensão adicional do conceito de ‘terroir’, mais difícil de avaliar, que é emocional e que se traduz no sentimento do produtor em relação ao próprio ‘terroir’. À forma como o sente. Obviamente, para tornar todo o conceito percetível, é necessário que cada produtor conheça de forma profunda aquilo que condiciona a qualidade das suas uvas e dos seus vinhos e que seja capaz de o demonstrar.”

Paulo Laureano

Paulo Laureano trouxe o ‘terroir’ da Vidigueira… ao Encontro com o Vinho e Sabores 2015

Ora a Vidigueira é diferente do resto do Alentejo, desde logo, nos solos – os solos da Vidigueira são uma mancha única de xisto. O que dá ao vinho mineralidade e frescura. E que, numa região quente e seca como o Alentejo, significa equilíbrio.

Depois, a topografia também é diferente, porque a Vidigueira é um local de pequenas colinas, o que permite a zonagem, permite a diferenciação interna, permite que os vinhos sejam construídos na vinha.

E há também o clima, que, fruto da sua localização única, é quente durante o dia mas tem noites frias, sendo essa amplitude térmica essencial para dar acidez ao vinho, ainda para mais numa região quente e seca como o Alentejo.

Para além das vinhas, claro… que, na feliz expressão de Paulo Laureano, “têm muita experiência” – sendo estas vinhas velhas essenciais para dar concentração, estrutura e caráter aos vinhos da Vidigueira.

E, por fim, há o elemento pessoal e emocional do próprio produtor. Sendo aqui muito marcante a decisão ‘ideológica’ de Paulo Laureano de só trabalhar com castas portuguesas, o que reforça ainda mais o caráter diferenciador e identitário dos seus vinhos.

Paulo Laureano e os brancos da Vidigueira

Paulo Laureano e a Vidigueira, terra de brancos

Concretizando este enquadramento teórico...

... em vinhos concretos...

... há duas castas brancas que brilham bem alto no ‘terroir’ alentejano da Vidigueira.

Desde logo, a casta Verdelho, que Paulo Laureano vai buscar à Madeira e depois planta na Vidigueira.

Com um nariz atlântico e uma boca alentejana…

... a marca Vidigueira está bem presente na mineralidade e na frescura do Verdelho de Paulo Laureano.

Verdelho

Verdelho na Vidigueira:

Paulo Laureano Genus Generationes Maria Teresa Laureano Verdelho 2014

 

E a casta Antão Vaz, muito difundida por todo o país mas cuja expressão final depende to ‘terroir’ em que esteja inserida.

E que na Vidigueira de Paulo Laureano tem no nariz um perfil mais mineral (por causa do solo de xisto) e mais maduro (devido ao clima)…

… mas que depois na boca explode de frescura…

… sendo uma casta muito gastronómica – pede comida!

Antão Vaz na Vidigueira

Antão Vaz na Vidigueira:

Paulo Laureano Reserve 2014

Dolium Escolha Branco 2013

Dolium Escolha Branco 2006… a longevidade e a capacidade de evolução dos brancos da Vidigueira

 

Contudo...

... apesar de a Vidigueira ser uma terra de brancos…

... também tem tintos!

Paulo Laureano e os tintos da Vidigueira

Paulo Laureano e os tintos da Vidigueira

E para mostrar que o ‘terroir’ também é uma aprendizagem e uma descoberta…

… Paulo Laureano começou por apresentar uma mini prova vertical do Dolium Reserva Tinto…

… bem representativa do seu percurso como produtor.

É que, se há vinho que ilustra o percurso de Paulo Laureano em busca de um ‘terroir’ e do que ele pode representar em termos de identidade e diferenciação, esse vinho é o Dolium Reserva Tinto.

Com efeito, no início o Dolium, pensado como um vinho elegante que pudesse envelhecer, tinha como casta base Aragonez (80%), à qual Paulo Laureano, para fazer a diferença, juntava Cabernet Sauvignon.

Porém, em 2004 deu-se uma mudança profunda no perfil do vinho: Paulo Laureano substituiu Cabernet Sauvignon por Trincadeira, passando o lote a ser então composto por Aragonez e Trincadeira numa lógica próxima dos 50-50, o que lhe trouxe uma maior macieza, elegância e frescura.

De tal forma, aliás, que Paulo Laureano foi aumentando a percentagem de Trincadeira – em 2009 era cerca de 80%, complementada com um pouco de Aragonez e Alicante Bouschet.

Tendo-se a Trincadeira transformado na alma do Dolium… e feito com que o Dolium apresente um carácter Vidigueira bem marcado, sendo um vinho fresco, elegante e com grande capacidade de envelhecimento – a edição mais recente é de 2012, tendo estagiado 12 meses em barrica e ficado um ano e meio a evoluir em garrafa.

Mini vertical de Dolium Reserva Tinto

Mini vertical de Dolium Reserva Tinto:

Dolium Reserva 2001 – a terceira colheita, Aragonez (80%) e Cabernet Sauvignon (20%)

Dolium Reserva 2004 – o ano da mudança, Trincadeira em vez Cabernet Sauvignon

Dolium Reserva 2009 – Trincadeira alma do Dolium; e carácter Vidigueira

Dolium Reserva 2012

 

Mas a Vidigueira de Paulo Laureano, sendo um ‘terroir’ único…

… tem também vinhos tintos únicos.

Desde logo, o varietal de Tinta Grossa, que mais ninguém faz – é mesmo um vinho único no mundo!

Casta local, permite fazer um vinho com um grande exotismo aromático, que depois na boca apresenta taninos bem marcantes e imensa frescura.

Um grande vinho, não apenas pela identidade e pelo carácter… mas também porque é mesmo muito bom, com uma excelente acidez!

Tinta Grossa na Vidigueira, um vinho único no mundo

Tinta Grossa só na Vidigueira, é um vinho único no mundo:

Paulo Laureano Selectio Tinta Grossa 2011

Paulo Laureano Selectio Tinta Grossa 2012

 

Contudo, o caráter da Vidigueira também é percetível nos vinhos que todo o país faz, como é o caso da Touriga Nacional.

Que aqui, neste Alentejo diferente, se distingue pela frescura e pela elegância!

Tinta Grossa na Vidigueira, um vinho único no mundo

Touriga Nacional na Vidigueira, fresca e elegante:

Paulo Laureano Selectio Touriga Nacional 2012

Paulo Laureano Selectio Touriga Nacional 2013

 

Por fim, Paulo Laureano apresentou o exemplo do Alfrocheiro, um vinho que só é feito porque o ‘terroir’ da Vidigueira o permite.

Com um aroma a frutas frescas e a especiarias (proveniente da própria casta, não da barrica) é depois exuberante e atrativo na boca, com os taninos bem vivos, imensa frescura e muitas amoras silvestres!

Alfrocheiro na Vidigueira

Alfrocheiro na Vidigueira:

Paulo Laureano Genus Generationes Miguel Maria Laureano Alfrocheiro 2011

Paulo Laureano Genus Generationes Miguel Maria Laureano Alfrocheiro 2013

 

Aberta ao público e muito pedagógica, foi uma excelente apresentação de Paulo Laureano no Encontro com o Vinho e Sabores 2015 promovido pela Revista de Vinhos!

É que o produtor alentejano não veio propriamente dar os seus vinhos a provar.

Paulo Laureano veio antes explicar a sua ‘filosofia’ e o seu modo minimalista de desenhar vinhos…

… acreditando num ‘terroir’ de excelência – a Vidigueira…

… e nas castas portuguesas!

E tendo depois ilustrado a mais-valia desse ‘terroir’…

… com vinhos que demonstravam na perfeição o que tinha sido previamente apresentado!

Um grande momento!

Os 14 vinhos de Paulo Laureano em prova

Os 14 vinhos em prova:

Paulo Laureano Genus Generationes Maria Teresa Laureano Verdelho 2014

Paulo Laureano Reserve 2014

Dolium Escolha Branco 2013

Dolium Escolha Branco 2006

Dolium Reserva 2001

Dolium Reserva 2004

Dolium Reserva 2009

Dolium Reserva 2012

Paulo Laureano Selectio Tinta Grossa 2011

Paulo Laureano Selectio Tinta Grossa 2012

Paulo Laureano Selectio Touriga Nacional 2012

Paulo Laureano Selectio Touriga Nacional 2013

Paulo Laureano Genus Generationes Miguel Maria Laureano Alfrocheiro 2011

Paulo Laureano Genus Generationes Miguel Maria Laureano Alfrocheiro 2013

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:02



Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Últimos comentários

  • NINI

    O CHEF MASSIMO BOTTURA e MARTA FELINO !!!!!

  • Raul Lufinha

    Sim Duarte, é um prato do outro mundo! Como diz o ...

  • Duartecalf

    Espetáculo!Estive na Osteria Francescana em 2013 m...

  • Marta Felino

    Grandes pratos! Cada vez mais depurados numa apare...

  • Vilabo, Lda

    vendemos copos de prova de azeite e vidros de reló...

  • NINI

    INTERSSANTE ..... Este DESAFIO !!!!

  • NINI

    Que Saudades do Palácio da Lousã ....!!!! Onde as ...

  • NINI

    " É um BAIRRO de LISBOA , CONCERTEZA ...."!!!!Gos...

  • NINI

    PARABÉNS .... Celebrem MUITOS !!!!!!!AO Chef Tomoa...

  • NINI

    Que. " LOUCURA " de Jantar...!!!!



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D