Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O que Diogo Noronha cozinha… quando levamos a Sereia ao PESCA

por Raul Lufinha, em 18.02.18

Diogo Noronha

Diogo Noronha

O Dia dos Namorados é sempre uma excelente oportunidade para que a celebração do amor seja igualmente uma celebração gastronómica.

Como sucedeu no PESCA com o menu especial de São Valentim criado por Diogo Noronha, que incluía um cocktail de Fernão Gonçalves e, bem assim, a padaria e pastelaria de Clayton Ferreira.

Kir Royal de tamarilho das Azenhas do Mar & Ostras picantes

Kir Royal de tamarilho das Azenhas do Mar & Ostras picantes

Pão biológico feito no PESCA a partir de três diferentes farinhas

Pão biológico feito no PESCA a partir de três diferentes farinhas…

Manteiga com pó de algas

… e manteiga com pó de algas

Caviar e sapateira, abacate e coco

Caviar e sapateira, abacate e coco

Lagostim ao vapor, creme de aipim, pérolas de alga chlorella

Lagostim ao vapor, creme de aipim, pérolas de alga chlorella

Robalo do mar, mousse de raiz de salsa, boletus e rúcula

Robalo do mar, mousse de raiz de salsa, boletus e rúcula

Espuma de groselha negra, sorbet de romã, véu de romã

Espuma de groselha negra, sorbet de romã, véu de romã

Amêndoa e chocolate branco, rosas e framboesa

Amêndoa e chocolate branco, rosas e framboesa

Bombons de framboesa

Bombons de framboesa

 

Ver também:

 

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

 

PESCA

Rua da Escola Politécnica, 27, Lisboa, Portugal

Chef Diogo Noronha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:37

Rui Sequeira e os sabores quentes das terras do sul

por Raul Lufinha, em 17.02.18

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Após seis anos no OCEAN de Hans Neuner, no mês passado Rui Sequeira deixou o restaurante de fine dining do Vila Vita para ir abrir este verão o seu próprio espaço – será em Faro.

Porém, entretanto, o chef algarvio esteve em Lisboa a cozinhar com Manel Lino no jantar de pré-abertura da segunda temporada do LOCAL, onde apresentou três pratos cheios de personalidade, que tinham em comum o conjugar da frescura com os sabores quentes das terras do sul, gerando uma enorme expectativa sobre o seu novo projeto!

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Entrada | Para começar, Rui Sequeira recriou as cenouras típicas das tascas algarvias, embora numa versão mais rica e completa! Com efeito, para além da salada de cenoura à algarvia propriamente dita, havia também cenoura em puré e em sumo, num registo levemente avinagrado, mas também muito quente e envolvente, devido aos cominhos. Juntando depois Rui Sequeira barriga de atum e tapioca. E finalizando tudo na mesa com muxama ralada. Muito bom!

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Prato Principal | Outro prato muito quente e envolvente! O borrego, marinado em especiarias e tendo por cima amêndoa ralada sobre um creme de lentilhas, desfazia-se na boca. Sendo acompanhado por cebolas em picle de açafrão, recheadas de lentilhas. Já o molho, tinha alperces secos e harissa. Excelente!

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Rui Sequeira

Sobremesa | Para primeira sobremesa, ou pré-sobremesa, Rui Sequeira apresentou uns “ravioli” feitos com abóbora em picle, cujo recheio era precisamente um doce de abóbora com nozes. Acompanhado, depois, por um cítrico granizado de laranja, lemongrass e hortelã. Ou seja, mais uma vez, o agradável contraste entre sabores quentes e sabores mais refrescantes – que parece, pois, ser uma característica da cozinha de Rui Sequeira! Algo que poderemos perceber melhor no próximo verão, quando o chef algarvio abrir o seu próprio espaço! 

 

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:34

Manel Lino, o novo Chef do LOCAL

por Raul Lufinha, em 15.02.18

Manel Lino na cozinha aberta do LOCAL

Manel Lino na cozinha aberta do LOCAL

Regressado de Espanha após uma passagem pelo LA TORRE DEL VISCO – um hotel e restaurante Relais & Châteaux – Manel Lino está de volta a Lisboa para suceder a André Lança Cordeiro na liderança do LOCAL.

O restaurante funcionará de terça a sábado, em dois turnos – às 20 e às 22 horas.

E mantendo o conceito inicial de existir apenas uma mesa comunal de dez lugares, literalmente ao lado da cozinha.

Porém, agora com três cozinheiros, que também farão o serviço de sala.

Estando o início desta segunda temporada marcado para o próximo dia 20 de fevereiro.

Todavia, no jantar de pré-abertura que decorreu este domingo já foi possível antever um pouco aquilo que será o novo LOCAL.

Com efeito, apesar de ter havido um chef convidado – Rui Sequeira, de quem ainda iremos falar – Manel Lino estreou, e testou, três novos pratos.

E, embora ainda sem qualquer garantia de que venham a entrar para carta, todos prometem!

Champagne

Champagne

Champagne

Champagne | No jantar de pré-abertura do LOCAL, o primeiro – e muito simbólico – serviço de Manel Lino foi o Ruinart Blanc de Blancs. Um Champagne que nos permitiu brindar ao sucesso da nova equipa… e que curiosamente fez também a ponte com o passado recente do restaurante, pois a cozinha de André Lança Cordeiro era (e é) de matriz assumidamente francesa!

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Entrada | Para começar, umas saborosas gambas do Algarve levemente curadas, servidas sobre dois legumes verdes do fim do inverno – ervilha-torta e feijão-redondo – ligados pelo caldo da gamba e por um apurado pesto de ervas (em que predominam os coentros e o manjericão, mas que tem também salsa e funcho), tendo depois no topo pinhões torrados e um pouco de queijo feta. Muito elegante e equilibrado. Excelente!

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Prato Principal | Com uma cozinha de grande maturidade, Manel Lino é fortíssimo a fazer pratos de apenas três elementos que funcionam maravilhosamente! Aqui, era pargo e espargos brancos, com o toque das alcaparras! O peixe, no ponto certo e a lascar. Os espargos, em quatro registos diferentes: no molho e também cozidos, salteados e ainda crus (na juliana). E com o delicioso pormenor de o molho de espargos ter picos de sabor cítricos – é que, contou o chef, Manel Lino colocou na base do prato dois pontos de um gel de lima, limão e bergamota! Já as alcaparras, surgem fritas e em pó. Grande momento!

Duas Quintas Reserva Branco

Branco | Com as gambas e o pargo, a sugestão vínica foi o Duas Quintas Reserva Branco de 2016. Produzido no Douro Superior pela Casa Ramos Pinto a partir de Rabigato, Arinto, Viosinho e Folgazão das quintas de Ervamoira e dos Bons Ares, é um vinho elegante, em que está mais presente a fruta do que a madeira.

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Manel Lino

Sobremesa | Para terminar, chocolate e azeite! Uma ganache de chocolate preto, uma emulsão de azeite, pão frito, uma telha de cacau, flor-de-sal e duas folhas de hortelã-chocolate! Mais uma vez num registo contido, uma ótima sobremesa de Manel Lino!

Kopke LBV 2013

Porto | Com o chocolate e o azeite do novo chef do LOCAL, Vinho do Porto – o LBV de 2013 da Kopke.

 

Fotografias: Marta Felino e Raul Lufinha

 

Ver também:

– LOCAL

 

– Manel Lino

 

LOCAL

Rua de O Século, 204, Lisboa, Príncipe Real, Lisboa, Portugal

Chef Manel Lino

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:38

À mesa d’O JACINTO, com os vinhos de Aníbal Coutinho

por Raul Lufinha, em 09.02.18

Aníbal Coutinho e o primeiro Escondido branco

Aníbal Coutinho e o primeiro Escondido branco

O JACINTO funciona numa tranquila moradia na zona antiga de Telheiras, junto à Segunda Circular e à Escola Alemã.

Sendo uma referência na zona norte de Lisboa, conhecido pela cozinha tipicamente portuguesa e pela qualidade da garrafeira.

Atualmente, está à frente da cozinha a chefe guineense Samira Cuino.

E a carta de vinhos é assinada pelo enólogo Aníbal Coutinho.

A qual inclui também os seus próprios vinhos, que foram o pretexto para revisitar O JACINTO após as obras de renovação realizadas no verão de 2017.

Salada de Feijão-Frade com Atum, Broa de Milho, Salada de Pimentos, Salada de Polvo

Salada de Feijão-Frade com Atum, Broa de Milho, Salada de Pimentos, Salada de Polvo

Pelo que, com os primeiros petiscos, Aníbal Coutinho apresentou o seu fácil e expressivo Astronauta Arinto de 2017.

Produzido na região dos Vinhos Verdes, não tem madeira, ressaltando a frescura das notas de frutos cítricos e ananás.

Aníbal Coutinho

Aníbal Coutinho…

Astronauta Arinto branco 2017

… e o Astronauta Arinto branco 2017

Entretanto, chegaram ainda uns ótimos ovos mexidos com farinheira, bastante cremosos.

Ovos Mexidos com Farinheira

Ovos Mexidos com Farinheira

E depois Aníbal Coutinho serviu um tinto também da gama Astronauta, o Touriga Nacional – de 2016, feito em Lisboa, foi vinificado em cuba de inox na presença de madeira de carvalho americano e apresenta as típicas notas varietais de bergamota e violeta.

Como Aníbal Coutinho gosta de dizer, os Astronauta são uma educação para as castas, são vinhos feitos para dar a conhecer as caraterísticas de cada uma das diversas variedades – daí que, para além das portuguesas Arinto e Touriga Nacional, o enólogo trabalha igualmente Chenin Blanc e Pinotage (África do Sul), Riesling (Alemanha) e Gamay (França).

Aníbal Coutinho

Aníbal Coutinho

Aníbal Coutinho…

Astronauta Touriga Nacional tinto 2016

… e o Astronauta Touriga Nacional tinto 2016

Uma das especialidades da chefe Samira é o caril de gambas.

Estava excelente – muito suave e elegante!

Caril de Gambas com Arroz Basmati

Caril de Gambas com Arroz Basmati

Caril de Gambas com Arroz Basmati

Caril de Gambas com Arroz Basmati

Sendo então que Aníbal Coutinho apresenta a grande novidade do almoço!

O primeiro Escondido… branco!

Com efeito, ao icónico – e mais caro – vinho tinto da região de Lisboa, cujo PVP da colheita mais recente (2012) ronda os 150€, o enólogo juntou-lhe agora um irmão.

Ou uma irmã, que o arquiteto Fernando Ávila representou-o no rótulo com uma figura feminina e acrescentou ainda uma discreta perna à última letra da palavra “Escondido”, de modo a que também possa ser lida “Escondida”…

Para esta primeira edição, são apenas 300 garrafas de 75 cl – ao almoço foi aberta a n.º 29.

É um complexo branco de curtimenta, feito a partir de uvas das castas Arinto e Alvarinho provenientes de uma vinha com 10 anos idade, que teve um breve estágio numa barrica nova de carvalho francês, com tosta média.

Demonstrando desde já uma enorme vocação gastronómica – poderoso e elegante, enche-nos a boca, sobressaindo as notas cítricas, a mineralidade e o discreto fumado da barrica.

Um grande vinho!

Escondido branco 2015

Entretanto, chegou o vinho… que marcou o almoço

Aníbal Coutinho

De Aníbal Coutinho…

Escondido branco 2015

… o Escondido branco 2015

E de facto, confirmando a excelente impressão que já tinha deixado na prova a solo, o Escondido branco aguentou perfeitamente os embates com as sempre difíceis notas do picante caril... e do avinagrado arroz de cabidela!

Arroz de Cabidela com Frango do Campo

Arroz de Cabidela com Frango do Campo

Arroz de Cabidela com Frango do Campo

E deu até luta – o Escondido branco – às sobremesas de chocolate!

Mousse de Chocolate + Chiffon de Chocolate

Mousse de Chocolate + Chiffon de Chocolate

Tendo ficado, pois, na memória deste regresso a’O JACINTO, o primeiro branco Escondido.

A marca topo de gama de Aníbal Coutinho, a marca que é a verdadeira assinatura do enólogo Aníbal Coutinho no mundo dos vinhos e o legado que deixa aos filhos, agora também tem um vinho branco!

O JACINTO

O JACINTO, tranquilo e recatado

 

O JACINTO

Av. Ventura Terra, 2, Telheiras, Lisboa, Portugal

Chefe Samira Cuino

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:43

Daniel Rente tem novidades no SUSHICAFÉ AMOREIRAS

por Raul Lufinha, em 06.02.18

Daniel Rente e o Ramen, na cozinha do SUSHICAFÉ AMOREIRAS

Daniel Rente e o Ramen, na cozinha do SUSHICAFÉ AMOREIRAS

Inaugurado em 2005 no recatado piso intermédio do centro comercial, o SUSHICAFÉ AMOREIRAS é um caso de sucesso e longevidade, mantendo uma clientela fiel e dedicada, ao almoço e ao jantar.

De tal forma que os clássicos da casa – como o Maki Apple ou o Pato Embrulhado, entre tantos outros – vão perdurando na carta.

Contudo, paralelamente, Daniel Rente vai também continuando a acrescentar novidades à oferta do SUSHICAFÉ, sempre no seu guloso e viciante registo de fusão da cozinha japonesa com os sabores e as referências ocidentais, ou seja, de fusão com a nossa herança cultural.

Sendo essa bem-sucedida fusão o segredo do seu sucesso – com Daniel Rente não temos o Japão puro e duro em que podemos ficar perdidos na tradução, mas antes uma versão que conseguimos apreender com gosto e satisfação.

E que depois – caso haja vontade e arrojo – nos permite avançar para registos mais depurados (embora, paradoxalmente, também mais internacionais e standardizados).

SUSHICAFÉ AMOREIRAS

Na sala | Para além do varandim, é possível ficarmos na sala, onde nem damos conta de que se está num centro comercial.

SUSHICAFÉ AMOREIRAS

SUSHICAFÉ AMOREIRAS

Ao Balcão | Outra possibilidade do SUSHICAFÉ AMOREIRAS é ficarmos ao balcão.

Fish Wakame

Fish Wakame

Fish Wakame | Um prato DIY de Daniel Rente – peixes marinados em azeite de trufa, sobre algas wakame e com sementes de papoila no topo, sendo depois necessário deitarmos a gema do ovo de codorniz sobre o peixe e envolvermos tudo bastante bem, de modo a obtermos... uma salada!

Shiro Usuzukuri

Shiro Usuzukuri | Corvina finamente fatiada – à qual Daniel Rente juntou azeite DOP, rebentos de coentros, pó de azeitona e flor de sal – e que é para enrolar e comer!

Pesto Won Ton

Pesto Won Ton | Won ton frito e estaladiço, camarões salteados, cogumelos shitake e, depois, um apetitoso vinagrete de pesto que liga uma composição viciante e muito bem conseguida!

Palis Hoso

Palis Hoso

Palis Hoso | Rolo de atum picado, camarão em tempura, sésamo, goma wakame e kizamiwasabi.

Rocky Roads

Rocky Roads | Rolo de camarão crocante, abacate, salmão, tobiko preto, massago arare e teriyaki. Dois rolos novos – este e o anterior – em que sobressai a preocupação de Daniel Rente com as texturas.

Buta Ramen

Buta Ramen | Noodles japoneses num caldo aromatizado com barriga de porco e cebolo. Um ramen excelente de Daniel Rente, com um caldo saboroso e profundo!

Apple Gunkan

Apple Gunkan

Apple Gunkan | Simultaneamente salgada e melosa, é uma dupla de gunkans de salmão com doce de maçã, camarão em tempura, canela e ikura (ovas) que funciona muito bem como pré-sobremesa!

Yuzu Cheesecake

Yuzu Cheesecake | Cheesecake com geleia de yuzu e pevides de abóbora caramelizadas, num registo agradavelmente leve, fresco e pouco doce!

Miso Kit Kat

Miso Kit Kat | Gelado de baunilha, caramelo de miso e crumble de Kit Kat – uma sobremesa imperdível para os apreciadores do famoso chocolate da Nestlé!

SushiCafé Sparkling

SushiCafé Sparkling | O versátil espumante da casa, que resolve bem a questão da harmonização vínica com a cozinha japonesa e consegue acompanhar toda a refeição.

 

Ver também:

 

SUSHICAFÉ AMOREIRAS

Amoreiras Shopping Center, Av. Eng. Duarte Pacheco, Lisboa, Portugal

Chef Daniel Rente

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:37

À mesa, com os vencedores do Concurso Mundial de Bruxelas

por Raul Lufinha, em 04.02.18

Só vinhos premiados com a Grande Medalha de Ouro

Só vinhos premiados com a Grande Medalha de Ouro

Só vinhos premiados com a Grande Medalha de Ouro

Com uma cada vez maior e mais diversificada oferta de vinho, é essencial para o consumidor ter referências seguras que o possam orientar no momento da compra.

Sendo precisamente essa a importância dos prémios dos concursos de vinhos – servirem de guia e de garante da qualidade.

Porém, os concursos não são todos iguais.

Pelo que a única forma de verdadeiramente se aferir o significado do resultado de um concurso é provar os seus vencedores.

Daí ter o prestigiado Concours Mondial de Bruxelles promovido um jantar, no AURA, em Lisboa, harmonizado somente com vinhos portugueses distinguidos com o seu prémio máximo, a Grande Medalha de Ouro.

Jantar no qual esteve também presente o escanção do ALMA, Gonçalo Patraquim, na sua qualidade de membro do júri.

E onde foi possível concluir, à mesa, que os vencedores do Concurso Mundial de Bruxelas, para além de naturalmente serem – cada um no seu registo – vinhos de grande qualidade, são também vinhos muito perfeitos e muito prontos, que se encontram já no seu momento ideal de consumo.

Sendo pois um bom conselho o consumidor procurar os vinhos cujas garrafas ostentam um autocolante com a Grande Medalha de Ouro do Concours Mondial de Bruxelles.

É que a estes vinhos não interessa a conversa, que na verdade a muitos deles também se aplica, de poderem ter “potencial de evolução em garrafa” – todos eles, sem exceção, são uma escolha seguríssima e dão desde já uma ótima prova!

Morgado de Sta. Catherina Reserva branco 2015

Morgado de Sta. Catherina Reserva branco 2015

Quinta da Vassala Reserva branco 2016

Quinta da Vassala Reserva branco 2016

Alheira com ovo estrelado e grelos

Alheira com ovo estrelado e grelos

PAXIS Pinot Noir tinto 2013

PAXIS Pinot Noir tinto 2013

Sexy tinto 2015

Sexy tinto 2015

Posta de porco bísaro, espargos verdes, cogumelos e cebola roxa em molho de ervas e limão

Posta de porco bísaro, espargos verdes, cogumelos e cebola roxa em molho de ervas e limão

Herdade do Rocim Alicante Bouschet tinto 2015

Herdade do Rocim Alicante Bouschet tinto 2015

Quinta do Espírito Santo Reserva tinto 2013

Quinta do Espírito Santo Reserva tinto 2013

Al-Ria Reserva tinto 2015

Al-Ria Reserva tinto 2015

Casa Ferreirinha Vinha Grande tinto 2014

Casa Ferreirinha Vinha Grande tinto 2014

Rebelde tinto 2015

Rebelde tinto 2015

Quinta de Valle Longo Reserva tinto 2014

Quinta de Valle Longo Reserva tinto 2014

Pão-de-ló de Alfeizerão com mousse de queijo Serra da Estrela e compota de tomate caseira

Pão-de-ló de Alfeizerão com mousse de queijo Serra da Estrela e compota de tomate caseira

Brejinho da Costa Moscatel Roxo 2010

Brejinho da Costa Moscatel Roxo 2010

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:00

Rock in Rio com Time Out Market pop-up

por Raul Lufinha, em 30.01.18

Vítor Sobral, Henrique Sá Pessoa, Maurício Vale, Marlene Vieira, Alexandre Silva

Vítor Sobral, Henrique Sá Pessoa, Maurício Vale, Marlene Vieira, Alexandre Silva

Muito mais do que apenas uma série de concertos, o Rock in Rio – embora continue naturalmente centrado na música – é, cada vez mais, um parque temático com um conceito bastante alargado de cultura e entretenimento, que, sem surpresa, também se estende à área da gastronomia.

Pelo que, reforçando a aposta na oferta de uma cozinha de qualidade, a edição de 2018 do Rock in Rio-Lisboa irá ter um Time Out Market pop-up com 380 lugares sentados e 14 restaurantes, nos quais se incluem os espaços de ALEXANDRE SILVA, HENRIQUE SÁ PESSOA, MARLENE VIEIRA e VÍTOR SOBRAL, bem como O PREGO DA PEIXARIA, SEA ME, ASIAN LAB (cujo chef executivo é Maurício Vale) e MANTEIGARIA – FÁBRICA DE PASTÉIS DE NATA, para além de um bar SUPER BOCK com todo o portfólio da Selecção 1927.

Será no final de junho, dias 23, 24, 29 e 30.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16

CAFÉ LUSO, 90 anos de Fado

por Raul Lufinha, em 29.01.18

Alexis Gregório

Alexis Gregório

Fundado em 1927, o histórico CAFÉ LUSO, no Bairro Alto, é a mais antiga Casa de Fado em atividade na cidade de Lisboa – já fez 90 anos!

À frente da cozinha está Alexis Gregório, chef brasileiro que aposta nos sabores da cozinha portuguesa.

Camarão e Vieira de Coentrada

Camarão e Vieira de Coentrada

Frango no Forno à Travessa da Queimada, Batatas Assadas e Legumes Salteados

Frango no Forno à Travessa da Queimada, Batatas Assadas e Legumes Salteados

Pudim à Catedral (azeite, chouriço), Sorbet de Citrinos

Pudim à Catedral (azeite, chouriço), Sorbet de Citrinos

Catarina Rosa

Catarina Rosa

Filipe Acácio

Filipe Acácio

CAFÉ LUSO

90 anos de Fado

 

CAFÉ LUSO

Travessa da Queimada, n.º 10, Bairro Alto, Lisboa, Portugal

Chef Alexis Gregório

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:18

Fusões ESTE OESTE no CCB

por Raul Lufinha, em 28.01.18

ESTE OESTE

Quatro fusões que funcionam

Com uma carta bastante vasta e mais de 120 referências, o ESTE OESTE, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, reúne no mesmo espaço – e na mesma carta – aquilo que habitualmente são dois restaurantes completamente diferentes: um italiano de pizzas e pastas; e um japonês de sushi.

Porém, para além dos pratos 100% italianos e das especialidades 100% japonesas, existem também no ESTE OESTE outras desafiantes criações que conseguem juntar num único momento – e num mesmo prato – dois mundos tão diferentes.

Aqui ficam quatro exemplos.

Usuzukuri Sake

Usuzukuri Sake | O salmão cortado finissimamente à japonesa – mais fino do que no sashimi – ao qual depois se junta o toque italiano do tomate, dos orégãos frescos, do vinagre balsâmico e dos croûtons de foccacia.

Gunkan-Suzuki

Gunkan-Suzuki | Robalo e tomate assado num viciante gunkan que, com pancetta e mozzarella de búfala, mais parece uma extraordinária tosta mista!

Nigiri Maduro

Nigiri Maduro | Um nigiri levemente picante, mas por causa do tomate italiano – tem spicy pomodoro! E tem também azeitona preta em pó.

Calzone de Robalo do Dia

Calzone de Robalo do Dia

Calzone de Robalo do Dia | Um prato que só é possível por coexistir no mesmo espaço o forno a lenha das pizzas e o peixe fresco do sushi – habitualmente uma pizzaria não teria peixe fresco e um restaurante de sushi não teria um forno a lenha! Recheado com robalo, coppa, espinafres, alho francês e pinhões, é um calzone maravilhoso! E é também um maravilhoso prato de robalo!

 

ESTE OESTE

Centro Cultural de Belém, Praça do Império, Lisboa, Portugal

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:28

Arábica da Etiópia e Robusta do Uganda, os dois ‘espressos’ da nova edição limitada Nespresso

por Raul Lufinha, em 24.01.18

Marta Mimoso, Nespresso Coffee Ambassador

Marta Mimoso, Nespresso Coffee Ambassador

Neste mês de janeiro, a Nespresso lançou uma nova edição limitada, com dois espressos de grande qualidade que celebram o sabor das origens do café:

– o “Arabica Ethiopia Harrar”, um Arábica da Etiópia com uma textura aveludada e uma acidez fina, elegante e sofisticada, moderamente torrado, ao qual foi atribuída a intensidade 5;

– e o “Robusta Uganda”, um 100% Robusta muito elegante e equilibrado, em que sobressaem as sedutoras notas a cacau, com uma intensidade 10.

Pormenor notável foi a Nespresso, a nível central, ter convidado a jovem ilustradora portuguesa Mariana Rodrigues, radicada em Londres, para desenhar toda a imagem deste seu mais recente lançamento mundial.

Mariana Rodrigues e as imagens que criou para o mais recente lançamento mundial da Nespresso

Mariana Rodrigues e as imagens que criou para o mais recente lançamento mundial da Nespresso

Mariana Rodrigues e as imagens que criou para o mais recente lançamento mundial da Nespresso

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:33


Partilha de experiências e emoções gastronómicas

Raul Lufinha

Facebook


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Últimos comentários

  • Raul Lufinha

    Para memória futura: hoje, dia 05-02-2018, o SAPO ...

  • Raul Lufinha

    Entretanto, para memória futura, a 31-01-2018 já u...

  • Raul Lufinha

    Agradeço a informação, Pedro. Embora só possa lame...

  • Pedro

    Caro Raul,peço desculpa pelo meu comentário não es...

  • Raul Lufinha

    Obrigado Duarte. Acho que vais gostar, vai ser uma...

  • Duartecalf

    Parabéns pela reportagem.Confesso que nunca foi um...

  • Anónimo

    Fico muito feliz, em saber do selo Vegano! Havia p...

  • Anónimo

    Para além de alguns sitios mais "canalhas" na Baix...

  • Carlos Alexandre

    Quando estive na Tasca, há dois dias garantiram-me...

  • Raul Lufinha

    Não, acabou de me ser confirmado que efetivamente ...



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




subscrever feeds